A arte de rir de si mesmo

Tinha um comercial passando na TV, não sei se ainda está no ar, com o ex-jogador Túlio Maravilha, do Botafogo. Uma bela sacada da Volkswagen e da AlmapBBDO. A ideia era ajudar Túlio a chegar ao milésimo gol, e a propaganda pegava no pé do fato de o jogador ter feito um inesquecível gol de mão contra a Argentina. O próprio Túlio emcampava total a história, tirando o maior sarro de si mesmo.

Domingo passado, vi um comercial com a mesma história do protagonista tirando uma onda de si próprio. No caso, o modelo Ricardo Macchi (o eterno cigano Igor). Ele aparece fazendo propaganda também de um modelo de carro, o Cinquecento da Fiat, ao lado do premiadíssimo ator norte-americano Dustin Hoffman, considerado um dos melhores do mundo. O slogan: “Para ser um atorzão não precisa ser grande. Nem para ser um carrão”.

Há mais tempo, estreou outra propaganda que mostra um ladrão furtando um carro. Quando entra no automóvel, surpresa. No banco de trás Byafra começa a cantar Sonho de Ícaro, aquela música que diz Voar, Voar/Subir, Subir. O ladrão sai com o carro, mas não consegue andar nem meio quarteirão. Freia no meio da rua e desiste de levar o veículo. Em seguida uma voz em off diz: “Vai que seu carro não vem com o Byafra cantando…”

Ontem, estava lá eu, na fila do supermercado, com a minha mania de ficar lendo manchetes de revistas de celebridades que ficam expostas, quando topei com uma declaração do cantor Byafra sobre a repercussão do comercial, que não foi pouca: “O problema das pessoas é que elas se levam a sério demais”.

Taí! Todas as três propagandas rebatem justamente esse defeito de fabricação do ser humano: se levar a sério demais. Por isso, eu dou meus parabéns para Tulio Maravilha, Ricardo Macchi e Byafra. Todos souberam rir de si mesmos.

E o melhor: ganharam uns bons trocados com isso.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?! 🤣
E toca o barco, como dizia meu amigo @boechatreal ♥️
  • Repost @vitalvetpoa “Desejamos que todos os nossos amigos e clientes tenham uma segunda-feira igual à do Bento: agarradinho na sua almofada enquanto curte sua sessão de acupuntura naquela sonequinha gostosa com a língua de fora”. Meu agradecimento eterno. Quem ama cuida. 🐶♥️
  • Que o vento leve o necessário e nos traga o suficiente. ♥️🐶🙌🏻 #bento #xerife #companheirodejornada
  • Figos de Elsa! 👌🏻
• Seleciona lindos figos
• Corta a tampa rente ao talo
• Retira um pouco da polpa, coloca em um pratinho fundo, acrescenta queijo gorgonzola, amassa e mistura bem os dois
• Retorna com esse recheio para dentro do figo
• Pouco antes de servir, leva ao forno para gratinar rapidinho
• Na hora de levar à mesa, escolhe um prato bonito, faz algumas ranhuras com mel, polvilha flor de sal e voilà! Bon appétit! #entradinhadofindi #dicadamari #coisasdeelsa
  • Patricia foi minha boxer dos cinco meses de vida aos 12 anos de idade. Ganhei a Patricia de presente e fiquei muito incomodada. Cachorros têm sentimento, coração, pulmão. Cachorros não são vasos, lustres, sabonetes. Cachorros não são presentes que devemos ganhar sem o nosso consentimento. E a Patricia entrou na minha vida sem o meu consentimento. Eu não estava disponível para cuidar da Patricia naquele momento, eu estava com passagem comprada para São Paulo, contratada para um novo emprego, para um outro estilo de vida que exigia demais da minha capacidade profissional. Então, curti a Patricia por alguns meses, mas precisei ir embora. Durante anos, ela viveu na casa dos meus pais, e eu pedia notícias diárias por telefone. Voltava a Porto Alegre sempre que podia para que ela soubesse que meu comportamento não significava abandono, apenas nos encontramos em circunstâncias desfavoráveis. Pra mim; pra ti; pra nós duas, Patricia. Quando regressei definitivamente a Porto Alegre, Patricia havia acabado de completar 12 anos de idade. Ela sabia desde sempre, por mais de uma década, que pertencia a mim, e eu a ela. Aproveitamos nosso último ano com passeios em ritmo lento, com suas bochechas esbranquiçadas, com a fidelidade rara que só os animais conhecem. Ela partiu pouco tempo depois. Comemos um cheeseburger juntas no nosso último dia sentadas na grama do parque - e o bafo do queijo com mollho de catchup com maionese naquele pão ela sopra de quando em vez no meu nariz, durante a madrugada. Patricia desapareceu dos meus olhos, mas segue onipresente em cada minuto da minha vida. E eu tenho certeza que quando for a minha hora de cruzar a porta que leva para o outro lado da vida, ela estará lá, abanando o rabo e com o focinho rosinha para me buscar. #tbt. Porto Alegre, março de 1999
  • Minha irmã que criou. Minha irmã que me deu. Chato ter uma irmã assim, vai dizer?! 😜#convexoshoes #lojaconvexo #convexopoa #slipon #trendalert #animalprint