A última aquisição

Ontem, me prometi que ia ao supermercado e voltaria de lá sem nenhum “plus a mais”. Ou seja: compraria somente o necessário. Não que eu seja uma louca consumista que compra tudo o que enxerga pela frente, longe disso. Mas tenho mania de sempre colocar no carrinho um queijinho diferente, um vinho fora do orçamento… Enfim, um mimo que eu acho que mereço, sobretudo quando vou ao supermercado após um dia exaustivo de trabalho. Ontem, foi a vez desta lata de Sonho de Valsa.

***

Estou beeeeem distante do fanatismo da minha irmã por Sonho de Valsa. Ela é daquelas que sofre diante de uma lata dessas, sabe assim? É que não consegue comer um só. Então ela come todos e depois fica atirada no sofá, com as mãos na cabeça, se punindo. Ela é tão fanática por Sonho de Valsa que criou até um ritual, desde criança é assim: primeiro, come a casquinha do Sonho de Valsa; e vai fazendo uma fileira dos recheios. “Porque tem que deixar o melhor por último”, é o que ela alega. Assim que terminam os bombons, ela passa a devorar todos os recheios enfileirados. Quando eu e meu irmãos éramos pequenos e queríamos implicar com ela, passávamos correndo e roubávamos os recheios que ela estava empilhando enquanto mastigava as casquinhas. Era uma choradeira e uma gritaria sem fim.
***
Já me estendi de novo, o que eu ia contar era sobre o supermercado. Bom, voltei de lá com a lata de Sonho de Valsa. Na verdade, o bombom era o que menos me importava. Eu queria era a lata. Cheguei em casa, tirei todos os bombons de dentro e coloquei umas tralhas que estavam soltas na cozinha dentro da lata – e a lata em destaque na prateleira.
– Outra lata? – perguntou meu marido, enquanto abria a geladeira.
– Como assim “outra lata”? Quais são as outras latas? – perguntei.
– Como quais são as outras latas? Olha para essa cozinha! Olha para dentro da geladeira! É lata que não tem fim! – respondeu ele, enquanto saía caminhando, comendo um cacho de uva.
***
Fiquei parada no meio da cozinha, refletindo. “Outra lata?”. Mas a que “tanta lata” ele se refere? Então, passei a olhar ao redor. E fiquei apavorada. Meu marido tinha razão. Eu sou uma fanática por latas. Quer ver? Rola o mouse.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Nunca saberemos o quão forte somos até que ser forte seja a única escolha. #bepositive #lookband #hojefuiassim #poatwentyforseven
  • Aquela sensação de segunda-feira no ar... #mondayiscoming #mondaymoods
  • Domingo está azedo? Adiciona cachaça, gelo e aprecia uma bela caipirinha. Não melhorou muito? Mexe bem, talvez o açúcar tenha ficado no fundo! 👌🏻 #behappy #bepositive #smile #drink #sundaymood
  • Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu. É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu. #bepositive #embuscadacura 💪🏻✨🙌🏻
  • O problema de morar sozinha é que sempre é a nossa vez de lavar a louça. #tbt #saopaulo #agosto #2001
  • Sim, comprei um brigadeiro a caminho da psiquiatra. E quando tu curtir esta foto, eu já terei dado três dentadas e acabado com ele! #freudtalvezexplique