A precisão da astrologia védica e a vida atormentada pelo planeta Rahu

Sempre gostei de fazer mapa astral. É hábito desde os 16 anos, quando, às vésperas do vestibular, tinha certeza de que seria uma estrela de cinema e minha mãe insistia para que eu cursasse odontologia. Afinal de contas, defendia ela, eu era um “bicho do mato” – e um paciente de boca aberta na minha frente sem poder falar, e nós dois trancafiados sozinhos em uma saleta, seria a glória para mim.

Dois dias antes da inscrição no vestibular, descobri o telefone de um astrólogo que morava no Centro de Porto Alegre. Foi com a crença em outro plano capaz de saber da minha vida e do meu futuro muito melhor do que minha mãe que me dirigi a uma ruazinha estreita próxima à Santa Casa de Misericórdia e toquei a campainha da casa do astrólogo. “Teu futuro é a comunicação”, ele foi taxativo. “Minha mãe diz que combino mais com odontologia”, respondi. “De maneira nenhuma”, ele rebateu. “Te dou duas opções: jornalismo ou publicidade e propaganda”. Não precisou falar duas vezes.

De uns tempos para cá, troquei a astrologia tradicional pela astrologia védica. É bem diferente, a começar pelos signos. Na astrologia tradicional, sou de Sagitário; na védica, sou Dhanus. E o que é ser de Dhanus? Resumidamente, são pessoas de astral positivo que se mantêm longe de toda negatividade.

São eternas amantes da aventura e, por isso, estão sempre prontas para qualquer desafio. Também são independentes e versáteis, o que as ajuda a se adaptar facilmente a mudanças. Contudo, têm o costume de falar mais do que deveriam ou de se intrometer em assuntos alheios. Dhanus é regido por Júpiter, por isso aqueles que estão sob esse signo são tão amigáveis.

A astrologia védica é conhecida nos meios de estudos astrológicos como a forma de astrologia mais precisa de todas. Ela é utilizada para fazer previsões e descobrir pontos negativos que precisam ser trabalhados e remediados.

Um mapa astral védico completo analisa habilidades, missão, obstáculos e evolução de cada pessoa nesta vida e também contempla as vidas passadas, com o karma e o dharma que cada um traz para esta existência. O objetivo é saber se comportar para o que está por vir. Nada é definitivo, mas, segundo essas premissas, lutar contra a nossa missão não tem sentido.

Foi meu mapa astral védico apresentado pelo Herbert, o responsável por evitar que eu cortasse os pulsos e, em caso de tentativa frustrada, me jogasse de cabeça do mezanino da Casa de Cultura Mario Quintana. Tinha nome e sobrenome aquele sentimento de aflição, ansiedade e vazio existencial: Planeta Rahu.

Herbert me orientou a manter a calma. Aguentar no osso do peito. Estávamos em meados de junho de 2009, e o Rahu só me daria trégua dali um ano. Sem falar que já havia uns bons meses que o tal Rahu havia sentado sobre minha cabeça. Eu não suportava mais. “É só aguentar mais um pouco, porque depois tudo vai melhorar”, Herbert procurou me tranquilizar. “A boa notícia é que vai demorar muitos anos para o Rahu voltar para tua vida”, ele garantiu. “Só lá pelos teus 70 anos”.

 Pouco conhecido no Ocidente, o Rahu é um astro que age de maneira sutil. É conhecido como Nódulo Lunar Norte ou Cabeça do Dragão.

Os textos védicos descrevem Rahu como um astro maléfico causador do eclipse solar. Ele rege os pés e os instintos mais primitivos do ser humano, forçando-o agir de forma descontrolada, e aniquila a capacidade de julgamento do indivíduo. Lembro da nuvem negra depositada sobre meu pobre corpo cansado de guerra. Não havia luz no fim do túnel para nada.

hessonite-garnet-gem-333382aA Hessonita é uma pedra indicada para harmonizar e amenizar os efeitos do Rahu. Herbert sugeriu que eu usasse um anel com a Hessonita no dedo médio e, durante os meses em que o maldito permaneceu plantado na minha vida, eu andei atrás de um anel assim, mas nunca encontrei.

Naquele fatídico junho de 2009, quando Herbert atestou que o Rahu só sairia de cima de mim dali um ano, também avisou: “Mas depois, Mariana, lá pelo segundo semestre de 2010 tu vai encontrar o teu caminho. Tu vai encontrar a tua linguagem. É como se tu te descobrisse profissionalmente. E tudo vai acontecer após uma viagem para o Oriente Médio”. Eu ri por dentro. “Agora ele se superou de vez na invencionice”, pensei.

Pois em outubro de 2010 parti rumo ao Oriente Médio como jornalista convidada de uma peregrinação religiosa. Viajei por Egito, Jordânia e Israel. A jornada proporcionou que eu descobrisse uma linguagem autoral muito própria – e a partir dela lancei meu primeiro livro, Peregrina de Araque. O resto da história vocês já conhecem.

Portanto, amiga, se você anda aí cabisbaixa, desanimada, desenxabida da vida, saiba que existe um planeta chamado Rahu, viu? A boa notícia é que ele sempre vai embora e tudo passa. Afinal, tudo sempre passará.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

7 Comentários

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Repost @vitalvetpoa “Desejamos que todos os nossos amigos e clientes tenham uma segunda-feira igual à do Bento: agarradinho na sua almofada enquanto curte sua sessão de acupuntura naquela sonequinha gostosa com a língua de fora”. Meu agradecimento eterno. Quem ama cuida. 🐶♥️
  • Que o vento leve o necessário e nos traga o suficiente. ♥️🐶🙌🏻 #bento #xerife #companheirodejornada
  • Figos de Elsa! 👌🏻
• Seleciona lindos figos
• Corta a tampa rente ao talo
• Retira um pouco da polpa, coloca em um pratinho fundo, acrescenta queijo gorgonzola, amassa e mistura bem os dois
• Retorna com esse recheio para dentro do figo
• Pouco antes de servir, leva ao forno para gratinar rapidinho
• Na hora de levar à mesa, escolhe um prato bonito, faz algumas ranhuras com mel, polvilha flor de sal e voilà! Bon appétit! #entradinhadofindi #dicadamari #coisasdeelsa
  • Patricia foi minha boxer dos cinco meses de vida aos 12 anos de idade. Ganhei a Patricia de presente e fiquei muito incomodada. Cachorros têm sentimento, coração, pulmão. Cachorros não são vasos, lustres, sabonetes. Cachorros não são presentes que devemos ganhar sem o nosso consentimento. E a Patricia entrou na minha vida sem o meu consentimento. Eu não estava disponível para cuidar da Patricia naquele momento, eu estava com passagem comprada para São Paulo, contratada para um novo emprego, para um outro estilo de vida que exigia demais da minha capacidade profissional. Então, curti a Patricia por alguns meses, mas precisei ir embora. Durante anos, ela viveu na casa dos meus pais, e eu pedia notícias diárias por telefone. Voltava a Porto Alegre sempre que podia para que ela soubesse que meu comportamento não significava abandono, apenas nos encontramos em circunstâncias desfavoráveis. Pra mim; pra ti; pra nós duas, Patricia. Quando regressei definitivamente a Porto Alegre, Patricia havia acabado de completar 12 anos de idade. Ela sabia desde sempre, por mais de uma década, que pertencia a mim, e eu a ela. Aproveitamos nosso último ano com passeios em ritmo lento, com suas bochechas esbranquiçadas, com a fidelidade rara que só os animais conhecem. Ela partiu pouco tempo depois. Comemos um cheeseburger juntas no nosso último dia sentadas na grama do parque - e o bafo do queijo com mollho de catchup com maionese naquele pão ela sopra de quando em vez no meu nariz, durante a madrugada. Patricia desapareceu dos meus olhos, mas segue onipresente em cada minuto da minha vida. E eu tenho certeza que quando for a minha hora de cruzar a porta que leva para o outro lado da vida, ela estará lá, abanando o rabo e com o focinho rosinha para me buscar. #tbt. Porto Alegre, março de 1999
  • Minha irmã que criou. Minha irmã que me deu. Chato ter uma irmã assim, vai dizer?! 😜#convexoshoes #lojaconvexo #convexopoa #slipon #trendalert #animalprint
  • A vida é uma via de mão dupla. Durante anos, Bento deitou aos meus pés esperando, companheiro e paciencioso, o final de uma jornada extenuante de trabalho. Agora, chegou a minha vez de adequar o meu trabalho ao seu tempo, ao seu espaço, ao seu ritmo. ♥️🐶 #bento #xerife #18anosjuntos #companheirodejornada