A precisão da astrologia védica e a vida atormentada pelo planeta Rahu

Sempre gostei de fazer mapa astral. É hábito desde os 16 anos, quando, às vésperas do vestibular, tinha certeza de que seria uma estrela de cinema e minha mãe insistia para que eu cursasse odontologia. Afinal de contas, defendia ela, eu era um “bicho do mato” – e um paciente de boca aberta na minha frente sem poder falar, e nós dois trancafiados sozinhos em uma saleta, seria a glória para mim.

Dois dias antes da inscrição no vestibular, descobri o telefone de um astrólogo que morava no Centro de Porto Alegre. Foi com a crença em outro plano capaz de saber da minha vida e do meu futuro muito melhor do que minha mãe que me dirigi a uma ruazinha estreita próxima à Santa Casa de Misericórdia e toquei a campainha da casa do astrólogo. “Teu futuro é a comunicação”, ele foi taxativo. “Minha mãe diz que combino mais com odontologia”, respondi. “De maneira nenhuma”, ele rebateu. “Te dou duas opções: jornalismo ou publicidade e propaganda”. Não precisou falar duas vezes.

De uns tempos para cá, troquei a astrologia tradicional pela astrologia védica. É bem diferente, a começar pelos signos. Na astrologia tradicional, sou de Sagitário; na védica, sou Dhanus. E o que é ser de Dhanus? Resumidamente, são pessoas de astral positivo que se mantêm longe de toda negatividade.

São eternas amantes da aventura e, por isso, estão sempre prontas para qualquer desafio. Também são independentes e versáteis, o que as ajuda a se adaptar facilmente a mudanças. Contudo, têm o costume de falar mais do que deveriam ou de se intrometer em assuntos alheios. Dhanus é regido por Júpiter, por isso aqueles que estão sob esse signo são tão amigáveis.

A astrologia védica é conhecida nos meios de estudos astrológicos como a forma de astrologia mais precisa de todas. Ela é utilizada para fazer previsões e descobrir pontos negativos que precisam ser trabalhados e remediados.

Um mapa astral védico completo analisa habilidades, missão, obstáculos e evolução de cada pessoa nesta vida e também contempla as vidas passadas, com o karma e o dharma que cada um traz para esta existência. O objetivo é saber se comportar para o que está por vir. Nada é definitivo, mas, segundo essas premissas, lutar contra a nossa missão não tem sentido.

Foi meu mapa astral védico apresentado pelo Herbert, o responsável por evitar que eu cortasse os pulsos e, em caso de tentativa frustrada, me jogasse de cabeça do mezanino da Casa de Cultura Mario Quintana. Tinha nome e sobrenome aquele sentimento de aflição, ansiedade e vazio existencial: Planeta Rahu.

Herbert me orientou a manter a calma. Aguentar no osso do peito. Estávamos em meados de junho de 2009, e o Rahu só me daria trégua dali um ano. Sem falar que já havia uns bons meses que o tal Rahu havia sentado sobre minha cabeça. Eu não suportava mais. “É só aguentar mais um pouco, porque depois tudo vai melhorar”, Herbert procurou me tranquilizar. “A boa notícia é que vai demorar muitos anos para o Rahu voltar para tua vida”, ele garantiu. “Só lá pelos teus 70 anos”.

 Pouco conhecido no Ocidente, o Rahu é um astro que age de maneira sutil. É conhecido como Nódulo Lunar Norte ou Cabeça do Dragão.

Os textos védicos descrevem Rahu como um astro maléfico causador do eclipse solar. Ele rege os pés e os instintos mais primitivos do ser humano, forçando-o agir de forma descontrolada, e aniquila a capacidade de julgamento do indivíduo. Lembro da nuvem negra depositada sobre meu pobre corpo cansado de guerra. Não havia luz no fim do túnel para nada.

hessonite-garnet-gem-333382aA Hessonita é uma pedra indicada para harmonizar e amenizar os efeitos do Rahu. Herbert sugeriu que eu usasse um anel com a Hessonita no dedo médio e, durante os meses em que o maldito permaneceu plantado na minha vida, eu andei atrás de um anel assim, mas nunca encontrei.

Naquele fatídico junho de 2009, quando Herbert atestou que o Rahu só sairia de cima de mim dali um ano, também avisou: “Mas depois, Mariana, lá pelo segundo semestre de 2010 tu vai encontrar o teu caminho. Tu vai encontrar a tua linguagem. É como se tu te descobrisse profissionalmente. E tudo vai acontecer após uma viagem para o Oriente Médio”. Eu ri por dentro. “Agora ele se superou de vez na invencionice”, pensei.

Pois em outubro de 2010 parti rumo ao Oriente Médio como jornalista convidada de uma peregrinação religiosa. Viajei por Egito, Jordânia e Israel. A jornada proporcionou que eu descobrisse uma linguagem autoral muito própria – e a partir dela lancei meu primeiro livro, Peregrina de Araque. O resto da história vocês já conhecem.

Portanto, amiga, se você anda aí cabisbaixa, desanimada, desenxabida da vida, saiba que existe um planeta chamado Rahu, viu? A boa notícia é que ele sempre vai embora e tudo passa. Afinal, tudo sempre passará.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

7 Comentários

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?