Viva o alecrim! Da cosmética à mesa, as maravilhas e benefícios da erva da alegria

De cor e aroma intensos, o alecrim é uma erva muito especial não só para o nosso paladar. Ela está presente em rituais, é usada na medicina, na cosmética e até nas artes literárias. A palavra alecrim tem origem no árabe, que significa coroa das montanhas. O nome científico do alecrim, no entanto, vem do latim rosmarinus (ros = orvalho, marinus = do mar) e foi dado pelos romanos por provavelmente acharem que a cor das suas flores parecia com o mar. E bem que podia ser, pois o alecrim é natural dos países do mar Mediterrâneo, onde a água tem aqueles tons lindos azulados…

alecrim flor1A LINDA E AZULADA FLOR DO ALECRIM

Hoje, o alecrim está em praticamente todo o mundo. No Brasil, algumas pessoas brincam, dizendo que alecrim vem de alegria. Popularmente, ele ganhou muitos apelidos: erva da recordação, erva da graça, erva das bruxas, erva da alegria, erva mágica. E, de fato, ao longo da história e das culturas, existem relatos sobre o alecrim ter sido usado como um elemento místico, ganhando muitos significados.

+PRI GUIMARÃES: Salada Caprese, seus ingredientes e histórias de dar água na boca

Na Grécia, o alecrim era usado nas coroas. Também era queimado nos santuários para afastar maus espíritos. Nas escolas, os alunos usavam pequenas aureolas para irem bem nas provas. Em Roma, o alecrim era plantado na soleira das portas, para trazer o amor e afastar a morte. Esse hábito perdurou até a idade média. No Egito, o vigor das hastes do alecrim era símbolo de imortalidade, e a planta era usada em seus rituais.

Caminho de Santiago Saint James road Camino de SantiagoSANTIAGO DE COMPOSTELA: CHÁ DE ALECRIM NOS PÉS PARA SUPORTAR A CAMINHADA

Na Idade Média, era usado como defumador em dormitórios com pessoas enfermas. A Igreja Católica incorporou o alecrim em seus rituais, queimando-o em incensários. No norte da França, dizem que ainda existe o costume de colocar um ramo de alecrim nas mãos do defunto e depois plantá-lo ao lado de seu túmulo. E no Caminho de Santiago de Compostela dizem que há uma receita de banhar os pés com chá de alecrim, para suportar a caminhada.

alecrim focacciaFOCACCIA COM ALECRIM: DELÍCIA AROMÁTICA

O alecrim é intensamente aromático, e apresenta um toque de “cânfora” e algo picante ao mesmo tempo. É super versátil na culinária, se adaptando bem para recheios de porcos, aves, carneiro e cabrito; sopas, ovos, carnes, frangos, peixes e molhos básicos, grelhados e assados de cordeiro, saladas, pães. Pode ser usado fresco ou seco. Também é utilizado como condimento de queijos. Serve muito bem para aromatizar vinagres e azeites, e é também utilizado na decoração de pratos. Alguém já experimentou uma Focaccia, feita essencialmente de farinha de trigo, azeite de oliva, sal grosso e alecrim? É dos deuses!

alecrim-chaCHÁ DE ALECRIM: AUXÍLIO PARA OS MAIS DIVERSOS DESCONFORTOS

As propriedades medicinais do alecrim são diversas e conhecidas há tempos. Foi muito utilizado como medicamento na Idade Média e na Renascença. Atualmente, com o aumento do interesse em alimentação saudável, o poder curativo das plantas é assunto que volta a ser conversado. O alecrim, na forma de chá, alimento, óleo essencial ou outra (dependendo de cada sintoma e sempre da orientação de profissional responsável) pode ser eficaz para problemas como memória, reumatismo, cãibras e dores musculares, azia, resfriados, tosses e bronquites, cansaço, depressão, anemia, debilidade circulatória, gordura localizada, erupção cutânea e cicatrização.

alecrim saboneteSABONETE COM ALECRIM: PODER ADSTRINGENTE E ANTIOXIDANTE

Na cosmética, o alecrim é utilizado como base para produtos com funções antioxidantes, adstringentes, tônicos, estimulantes. Shampoos, cremes para rosto e corpo, cremes anticelulite, cremes antiacne, repelentes, antissépticos e sabonetes são alguns dos itens das nossas compras de beleza em que podemos encontrar o alecrim. É mais comum encontrar a planta em marcas que valorizam ingredientes naturais ou pequenos negócios artesanais.

+MARI KALIL: Por menos caldos prontos e mais temperos naturais em nossas vidas

Uma planta, com toda essa pompa, não poderia deixar em branco sua presença na literatura. E não é que o querido alecrim é personagem na mais famosa obra de Shakespeare, Hamlet? A personagem Ofélia mostra o Alecrim ao irmão, Laertes, e diz a ele que é “para lembrança”. Lá está, nos autos da literatura, o valor que a coroa das montanhas, ou o orvalho do mar assumiu em nossa cultura.

Compartilhar
Priscilla Guimarães

Priscilla Guimarães

É analista cultural. Gosta de estudar os porquês da vida, o sentido das coisas. Se dedica a entender as formas de expressão e os significados da cultura. Hoje é sócia diretora na City - consultoria de pesquisa em comportamento humano que tem o propósito de trazer novas perspectivas sobre a sociedade para dentro das empresas. Também coordena a Clínica do Subterrâneo, workshops filosóficos organizados pela City, com o objetivo de trazer conhecimento das ciências humanas para as práticas empresariais. Ainda é sócia diretora na Comunidade Criativa, plataforma de co criação de produtos e serviços que une consumidores e marcas. É graduada em jornalismo e mestra em comunicação social. Já trabalhou com produção de TV, redação jornalística e publicitária, planejamento de comunicação e marketing. Foi professora de graduação e pós graduação. Morou em Paris. Faz psicanálise há 13 anos. Faz ballet e treinamento funcional. Pra relaxar, viaja, faz amigos e mergulho amador.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?