Apareceu a margarida!

Sabem qual é a ÚNICA coisa boa de desaparecer daqui? Algumas pessoas sentem a nossa falta.

Clap, Clap, Clap, Clap!!!

Tirei 10 dias de férias, por isso sumi. Sorry, deveria ter escrito no blog, já que o blog não é trabalho, mas prazer, mas não consegui. Fiquei inerte. Meu corpo não se mexia, minha cabeça era um monte de massa encefálica colada no pescoço e nada mais.

Ah, conta aí, Mariana, como estava a viagem?

Paris…

Barcelona…

Londres…

Paris, Barcelona, Londres…. Incrível, Mariana! Foi bom?

EU NÃO FUI A LUGAR NENHUM!

Fiquei em Porto Alegre pensando na morte da bezerra.

Não cheguei a nenhuma conclusão…

Quer dizer, não cheguei a nenhuma conclusão sobre a morte da bezerra, mas a muitas sobre a vida da Mariana. Hahahaha! Sério: muuuuuuuitas. Quase tive uma convulsão cerebral de tanto pensar na minha vida e obra. Eu vou tocar neste tema mais tarde.

Outra conclusão durante as férias: ODEIO meia-calça. Nunca mais vou usar meia-calça. Nem de lã, nem de náilon, nem de algodão. NUNCA, NUNCA MAIS!

MEIA CALÇA NEVER MORE!

Cheguei a este veredicto após sair, no meu primeiro dia de férias, para passear sem hora para voltar para casa. Eu estava de férias, o dia estava lindo, eu não precisava olhar para o relógio, não tinha nada me esperando, a liberdade era total. Mas algo me incomodava muitíssimo e eu não sabia o que era.

E comecei a ficar mal, mal, mal-humorada total.

Zangada…

Parei no meio da rua, refleti, me olhei no espelho de uma vitrine e PIMBA!

1) A meia calça apertava minha barriga.

2) A meia calça não combinava com meu casaco.

3) A meia calça não tinha nada a ver com a minha bota.

4) As florzinhas da meia calça eram lindas no tornozelo e viravam umas abóboras à medida que subiam pela coxa.

5) Eu era a personificação de uma débil mental.

Dã!

Conclusão: ganhei uma gaveta limpinha no armário. Reuni todas as meias calças de toda a vida, usadas e novinhas, e promovi uma grande economia na conta bancária da minha irmã.

Não há nada, nada, NADA melhor no mundo do que a nossa velha calça jeans, azul e desbotada!

I LOVE U!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.
  1. Mariana que bom que voltaste!! Que falta faz esta pitada de humor/sarcasmo nos meus dias…espero que tua conclusão seja a necessidade de escreveres um novo livro, clap, clap, clap!!!!

  2. Mariana que bom que voltaste!! Que falta faz esta pitada de humor/sarcasmo nos meus dias…espero que tua conclusão seja a necessidade de escreveres um novo livro, clap, clap, clap!!!!

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.