Caldo verde aquece o corpo, traz boas lembranças e compra o silêncio de alguém

O jantar na residência desta que vos escreve, nesses dias de inverno, não tem sido outro: sopa e sopa, sopa e sopa. É prático, é quentinho, é saboroso, é nutritivo, não pesa, não engorda e dá um conforto que nenhum outro prato de inverno é capaz de dar, vai dizer? Há receitas que sempre peço para a Rosa repetir – sopa de legumes, por exemplo. Outra que adoro é sopa de cebola e outra que sempre tem na geladeira é sopa de moranga (com carne ou com funghi, costumamos variar: meu respectivo marido prefere carne; eu prefiro funghi).

mulher-arrancando-os-cabelos4AS CONCESSÕES DE UM CASAMENTO

bento1125ELA ENTOPE O CHICO DE SOPA E AINDA RECLAMA

A última receita que pedi para a Rosa incorporar no cardápio de sopas da residência foi a sopa de vegetais termogênica que a nutri Carina Borges elaborou com exclusividade para nosso querido blog. Hein? Não viu? Pelamordedeus! Não sabe o que está perdendo! É fantástica!

apontando_para_baixo_0111Clica AQUI para acessar a receita!

Como a Carina sempre sugere comer 100 gramas de proteína à noite, peço para a Rosa deixar na geladeira uns filezinhos de frango grelhados, corto em pedacinhos e coloco dentro da sopa. Fica tudo muito delicioso. Dia desses, estava cá eu com meus botões pensando que estava na hora de diversificar uma vez mais o meu repertório de sopas. Foi quando comecei a pesquisar sopa disso, sopa daquilo, sopa daquilo outro – e eis que encontrei o tradicional Caldo Verde.

amo-almondegas14AMO CALDO VERDE

Quando morava no Rio e fazia um friozinho nos meses de junho e julho, eu pedia direto Caldo Verde quando sentava à mesa do Braseiro da Gávea para tomar um chopinho. Foi lá que aprendi a adorar a receita. “É isso”, pensei! “Vou buscar uma receita de caldo verde em algum livro de culinária e fazer dele mais uma opção de sopas de inverno”, continuei pensando. E fui atrás dos meus trocentos títulos de culinária que se amontoam nas prateleiras da cozinha – alguns úteis, alguns só para fazer pose de bonito mesmo.

Encontrei uma receitinha no livro Las Mejores Recetas de Portugal que me pareceu bem fácil e que pretendo dar nas mãos da querida Rosa tão logo ela adentre por esta porta atrás de onde agora me encontro.

bento1125A ROSA VEM HOJE?

Claro. Por quê?

bento1125SÓ PRA SABER

woman-looking-crazy-feature-280x1253SÓ PRA ME INTERROMPER

Então, muy amiga que sou, resolvi compartilhar a receita de Caldo Verde barbadinha que encontrei – e dar esta ideia também para minhas queridas leitoras que tanta companhia me fazem nesta coluna semanal.

Senhoras e senhores, a receita barbadinha de Caldo Verde!

caldo-verde2 NHAM NHAM!!!

Ingredientes
6 batatas
1 tablete de caldo de galinha ou de carne
1  litro e 1/2  de água
2 colheres (sopa) de azeite
1 paio (de light, o caldo verde não tem nada…)
1 gomo de linguiça portuguesa (como eu dizia, de light o caldo verde não tem nada…)
1/2 cebola
1/2 maço de couve

Modo de preparo
Em uma panela, coloque a água, o caldo de galinha ou de carne, a cebola e as batatas. Espere cozinhar. Então, passe as batatas pelo espremedor ou amasse-as com o auxílio de um garfo. Coloque novamente as batatas (agora esmagadas ) na panela e adicione o paio e a linguiça portuguesa (previamente fatiados). Cozinhe mais um pouco e acrescente azeite, sal e a couve (fatiada bem fininha). Desligue e sirva.

Olha!

caldo-verdex575x375OOOOOOOOOHHHHHHH!!!!!

amo-almondegas14NÃO É SENSACIONAL?

bento1125POSSO FALAR AGORA?

Sim, o que foi?

bento1125POSSO FICAR SÓ COM O PAIO E A LINGUIÇA?

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Estaremos te esperando, Chiquinho! Repost @chico_sperotto ♥️🐶🌞
  • • KARL LAGERFELD
10.09.1933 - 19.02.2019 🖤
•”Pense rosa. Mas não use".
•”Calça de moletom é sinal de fracasso. Você perdeu o controle sobre sua própria vida e comprou um moletom".
•”Eu acho tatuagem uma coisa horrorosa. É como viver o tempo todo em um vestido Pucci".
•”Meu maior luxo é não precisar me justificar para nenhuma pessoa.”
•”Gosto que tudo seja lavável. Eu mesmo, inclusive.”
•”Personalidade começa onde a comparação termina.”
•”As melhores coisas que fiz na minha vida, as vi nos meus sonhos. É por isso que tenho um caderno de rascunhos na minha cama.”
•”O politicamente correto, a preservação. Eu acho tudo isso extremamente chato.”
•”Coco Chanel jamais teria feito o que eu fiz. Ela teria odiado.”
•”Sou uma pessoa da moda e a moda não é somente sobre roupas. É sobre todos os tipos de mudança.”
•”Eu amo estar de passagem. Nasci em um porto, em Hamburgo. Então minha mãe disse: ‘É a porta do mundo, mas não é mais do que a porta. Portanto, já pra fora!’”.
#ripkarllagerfeld
  • - Dinda, entra no mar comigo?
- A dinda não gosta de mar gelado.
- Eu queria mergulhar com a dinda.
- Então a dinda vai te dar a maior prova de amor do mundo. E tu vai lembrar pra sempre, promete?
- Prometo, dinda.
E assim foi, e a lembrança eterna será de nós dois. #joaobenicio #amordadinda
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾 Detalhes no destaque do Stories
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻