AMIGA MARI ensina a dar um up na camiseta branca, sempre um bom investimento!

Se existe uma peça básica do closet é a camiseta branca. Combina com tudo e favorece todos os estilos, tons de pele e cabelos. Ninguém aqui está falando em enfiar uma camiseta três números maior (muito menos aquelas de propaganda!) e sair porta afora. Alto lá! Estamos falando da branca básica, lisa, com bom corte. Ela é sempre uma amiga fiel, mas também requer algumas ideias de estilo para o visual ficar ainda mais bacana. Foi pensando em inspirar o uso desta peça tão querida e de ótimo custo-benefício que Amiga Mari elaborou a galeria comentada logo abaixo.

Sou suspeita pra falar de camiseta branca, confesso. Sou daquelas que, quando curte um modelo, chega a comprar três iguais. E o que é melhor? Nunca me arrependo! Nessa correria de vida que a gente anda, vira e mexe dá um lapso na hora de abrir o armário e pensar no que vestir. Pois eu proponho um desafio: quando passar por um blackout mental desse tipo, inicie a elaboração do look pela camiseta branca. Logo, logo as ideias ficarão claras como água cristalina!

Outra dica importante diz respeito ao decote. Quem tem seios maiores, deve preferir camisetas com decote em V. São minhas eleitas, confesso. Também gosto bastante de camisetas com gola canoa. Ouço algumas mulheres dizerem que não usam camiseta porque não se acertam com o decote. Eu sempre respondo: você precisa saber qual é o que melhor lhe cai bem. Nem todos os modelos ficam bem em todos os tipos de corpo. Portando, a única maneira de saber é experimentando. Por fim, dê atenção extra aos acessórios. Por ser uma peça ultra básica, a camiseta branca sempre precisa da companhia de um óculos legal, uma bolsa estilosa, acessórios que sabem dar boa contribuição ao visual.

Espia só algumas ideias de looks muito estilosos com a amiga branca básica!

Look jeans refinado pelo scarpin preto
LOOK TOTAL JEANS QUE GANHA TOQUE DE REQUINTE COM O SCARPIN
Low profile com blazer e jeans
LOW PROFILE DE CAMISETA E BLAZER: DUAS PEÇAS BFF
Com short de couro e scarpin + sempre elegante
SHORT DE COURO + SCARPIN MARSALA E T-SHIRT. BÁSICA E CHIQUE
Lady like com saia estampada e scarpin
LADY LIKE COM SAIA ESTAMPADA EM TONS PASTEL DE CINTURA ALTA E SCARPIN NUDE
Dupla infalível: camisa jeans e t-shirt branca
CAMISETA BRANCA E CAMISA JEANS É SEMPRE UMA BOA IDEIA NA MEIA-ESTAÇÃO. ABUSE DOS ACESSÓRIOS, COMO PULSEIRAS, PARA DAR UM TOQUE FINAL
Aberta com camiseta
BOMBER ESTAMPADA COM MAXI COLAR SÓ PODE PEDIR UMA CAMISETA BRANCA COMO COMPLEMENTO
Com saia assimétrica para fugir do óbvio
T-SHIRT COM SAIA PRETA ASSIMÉTRICA E CASACO CARAMELO. TRÊS CORES NEUTRAS EM UM VISUAL NADA BÁSICO. A CLUTCH E A SANDÁLIA DE TIRAS FINAS DÃO UM TOQUE DE SOFISTICAÇÃO
Pantalona e cintura alta deixa o visual chique
PANTALONA E T-SHIRT COM GOLA CANOA: PRONTA PARA QUALQUER AMBIENTE
Máxi colares sempre dão bossa
OLHA QUE BACANA O DECOTE V USADO COM VÁRIOS COLARES. TRUQUE ÓTIMO PARA ALONGAR A SILHUETA
Look esportivo com máxi casaco e New Balance
LOOK ESPORTIVO COM MAXI CASACO E NEW BALANCE NOS PÉS. ALIÁS, O TÊNIS NEW BALANCE ESTÁ ULTRA MODERNO!
Estilo boho com jaqueta de camurça e franjas
ESTILO BOHO COM JAQUETA DE CAMURÇA COM FRANJAS
Estilo grunge com camisa xadrez
MOMENTO GRUNGE COM CAMISA XADREZ E TÊNIS IATE, QUE É UMA ÓTIMA ALTERNATIVA À SAPATILHA QUANDO A VONTADE É ESTAR UM POUCO MAIS ESPORTIVA E DESCONTRAÍDA
Por fora, com calça resinada
T-SHIRT UM POUCO MAIS LARGUINHA USADA SOLTA E POR FORA DA CALÇA SKINNY.
Calça cropped estampada
NA MISTURA DE ESTAMPAS DA CALÇA E DA BOLSA, NADA MELHOR DO QUE O BÁSICO DA CAMISETA
tshirt
NA ESTAÇÃO EM QUE O XADREZ VICHY VEM COM TUDO, SAIBA QUE A T-SHIRT BRANCA É ÓTIMA PARCEIRA!
tshirt2
TRUQUE LINDO DE ESTILO: O NÓ CONTRIBUI PARA AFINAR A SILHUETA DA CINTURA ALTA
OUTRO ESTILO DE NÓ, AGORA MENOR E NA LATERAL. DÁ AQUELA AJUSTADA EM QUEM CURTE MAIS ESTE JEITO DE USAR A CAMISETA. NOS PÉS, OUTRA VEDETE DA ESTAÇÃO, A MULE!
tshirt4
DE MALHA PODRINHA, COM DECOTE V E SAIA DE FRANJAS DE CAMURÇA! NOS PÉS, O CLÁSSICO ALL STAR!
Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

5 Comentários
  1. Oi Mariana, gosto muito das suas dicas, mas nunca me vejo nelas. As referências são basicamente com mulheres muito magras, sem quadril, onde tudo cai bem e fica lindo. Um modelo pouco convencional da mulher brasileira, mais cheia de curvas, quadris mais largos, bunda proeminente. Exatamente o meu caso, que visto manequim 40. Adoraria me ver representada com toda a graça e bom gosto que você tem. Um super abraço e obrigada pelo espaço.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?