Como ganhar um Oscar, segundo cinco requisitos apresentados por estudiosos da premiação

Neste domingo 26 acontece mais uma edição da premiação mais importante do cinema mundial, a festa do Oscar, em Los Angeles. Quantos atores e atrizes anseiam pelo papel de suas vidas para levar a estatueta para casa? Um papel em que tenham a oportunidade de demonstrar todo seu potencial, presença e versatilidade diante das câmeras de forma que o trabalho seja agraciado com este título máximo?

Neste ano, Emma Stone disputará o prêmio com Natalie Portman e Meryl Streep. Ryan Gosling entrará na corrida contra Casey Affleck e Denzel Washington. O que a ciência acaba de revelar em um estudo recente é que a probabilidade de arrebatar o Oscar não depende apenas de suas respectivas atuações.

Leonardo DiCaprio accepts the award for best actor in a leading role for “The Revenant” at the Oscars on Sunday, Feb. 28, 2016, at the Dolby Theatre in Los Angeles. (Photo by Chris Pizzello/Invision/AP)LEONARDO DICAPRIO: O OSCAR ENCANTADO DO ATOR VEIO APÓS UMA INTENSA PREPARAÇÃO FÍSICA  PARA O FILME “O REGRESSO”

O estudo foi realizado pela Universidade de Queensland, na Austrália, que se dedicou à análise dos vencedores nas categorias Ator e Atriz, tanto dos Oscar como dos BAFTA, nas últimas quatro décadas. Conclusão: em comum, os premiados reuniam outros fatores que não unicamente o fato de terem sido melhores intérpretes. Os pesquisadores encontraram características em comum nesses atores e atrizes que os tornavam mais “oscarizáveis” que seus concorrentes. Observando exemplos recentes, comprova-se a tese. Vamos ver?

stone-la-la-land-dec08-1481236673-compressedEMMA STONE: A TEMÁTICA AMERICANA DE “LA LA LAND” PODE AJUDÁ-LA NA BRIGA PELA ESTATUETA DE MELHOR ATRIZ

1) Diga-me com quem andas e te direi se podes ganhar um Oscar
A nacionalidade é um fator muito relevante para ganhar os principais prêmios do cinema, especialmente a americana. Mais de 50% dos vencedores de Oscar e BAFTA analisados tinham nascido nos Estados Unidos. Ou seja, as estrelas americanas conquistaram 52% dos BAFTA e 69% dos Oscar. Para efeito de comparação, os britânicos levaram 34% de BAFTA e 18% de Oscar.

Com esta premissa, poderia-se afirmar que, neste ano de 2017, Emma Stone e Meryl Streep, ambas americanas, teriam mais possibilidade de ganhar a estatueta do que Natalie Portan (dona de dupla nacionalidade – americana e israelense), Ruth Negga (etíope-irlandesa) e Isabebbe Huppert (francesa). No elenco masculino, Denzel Washington, Casey Affleck e Viggo Mortensen teriam mais chances do que Ryan Gosling (canadense) e Andrew Garfield (britânico)

2) A temática, também americana
Se a história do filme está relacionada com acontecimentos ligados à cultura americana, também aumentam as possibilidades de vencer. Oitenta e oito dos vencedores participaram de filmes relacionados a grupos sociais ou à história americana.

matthewmcconaugheyjaredletobackstage86thtltzfujrqmwlMATTHEW MCCONNAUGHEY E JARED LETO: A TRANSFORMAÇÃO FÍSICA AJUDOU NA DOBRADINHA EM “CLUBE DE COMPRAS DALLAS”

3) Personagem que exija complexa transformação física
Se o personagem requereu uma grande transformação física por parte do ator e da atriz, aumentam muito as possibilidades. Basta lembrar de Charlize Theron (Monster), Natalie Portamn (Cisne Negro), Matthew McConnaughey e Jared Leto (Clube de Compras Dallas), Leonardo DiCaprio (O Regresso). O caminho rumo ao Oscar torna-se mais curto na medida em que aumenta a quantidade de maquiagem e quilos a mais ou a menos na balança.

2015-02-23t052233z_1518567660_tb3eb2n0exa4t_rtrmadp_3_awards-oscarsJULIANNE MOORE: MELHOR ATRIZ PELO PAPEL DE UMA MULHER DE MEIA IDADE QUE SOFRE DE ALZHEIMER EM “PARA SEMPRE ALICE”

4) Interpretar um personagem problemático
Seja por doença – vide Julianne Moore em Para Sempre Alice -, seja por uma cruzada emocional (Kate Winslet em O Leitor) ou por orientação sexual (Sean Penn em Milk), dar vida a alguém que “fuja do normal” encanta os acadêmicos.

image_2_for_2009_academy_award_winners_gallery_114969542SEAN PENN: VENCEDOR PELO PAPEL BASEADO NA VIDA DO POLÍTICO E ATIVISTA GAY HARVEY MILK

5) A morte lhes cai bem
Russell Crowe morreu e Gladiador, Tom Hanks morreu em Philadelphia, Roberto Benigni morreu em A Vida é Bela, Sean Penn morreu em Milk – A Voz da Igualdade. Todos levaram a estatueta pra casa. No caso das atrizes, a morte também rendeu Oscar para Hillary Swank (Garotos não Choram).

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?
  • Abdominal, substantivo masculino. Preguiça, substantivo feminino. #chico #gorda
  • Observe os seus pensamentos, eles se transformam em palavras. Observe suas palavras, elas se transformam em ações. Observe suas ações, elas viram seus hábitos. Observe seus hábitos, pois eles se transformam em seu caráter. Observe seu caráter, pois ele se torna o seu destino. 🙌🏻♥️🙏🏻 Lao Tzu, filósofo e escritor da Antiga China, fundador do taoismo filosófico e religioso.
  • “Nunca estou mais acompanhado do que quando estou sozinho.” Carlos Drummond de Andrade. 🙌🏻
  • Durante anos e anos e anos que somam mais de uma década, essa foi nossa história: de aeroportos em aeroportos, nos mudamos 12 vezes de casa. Cruzamos estados, fronteiras, oceanos. Como escreveu Machado de Assis, “felizes os cães, que pelo faro descobrem os amigos”. Feliz de mim, que pelo faro também te descobri, Bentolino. E lá se vão 18 anos de jornada. 🙌🏻🐶♥️ Rio de Janeiro, 2012. #tbt #bento #xerife #companheirodejornada