Best-seller “Solteirona” reflete sobre o direito da mulher de escolher a própria vida

A escritora e jornalista americana Kate Bolick decidiu que não quer casar e não está nem aí para o termo “solteirona” que passou a ouvir na roda de amigos. Não só isso. Percebeu o filão que o assunto rende e a forma pejorativa como ainda é tratado. O que fez? Reuniu suas reflexões em Solteirona, o Direito de Escolher a Própria Vida (Spinster: Making a Life of One’s Own, no título original em inglês), um ensaio em que mistura experiência própria com dados históricos e estatísticas sobre o tema. A obra tornou-se instantaneamente fenômeno editorial nos Estados Unidos (100 milhões de americanas preferem ser solteiras) e foi lançada recentemente no Brasil.

Kate tem 35 anos e pensava diferente quando era adolescente. Acreditava em um futuro com marido e filhos. Só que o tempo foi passando, ela foi namorando e aquela ideia inicial acabou não acontecendo. Até o dia em que percebeu que bom mesmo era ser solteira.

– Ia crescendo e nada acontecia, não encontrava ninguém. Até cheguei a pensar que o problema fosse eu. Aos 35 admiti que, provavelmente, não me casaria nunca. Mas já não me importava com isso, porque percebi que eu gostava. Eu gosto da vida que tenho – contou ela ao jornal espanhol El País.

SOLTEIRONASOLTEIRONA – O Direito de Escolher a Própria Vida
Kate Bolick, 320 páginas, Editora Intrínseca, R$ 49,90

Kate diz que um dos principais objetivos ao escrever o livro foi livrar as mulheres do “peso” da solteirice e desmitificar a ideia de que ser solteira é feio, ruim, ou qualquer outro adjetivo negativo. Ela atenta: ser solteira não é ser sozinha. São coisas bastante distintas. Solidão, aliás, não é sua bandeira. Após uma década solteira, hoje a escritora namora e divide o mesmo teto com o parceiro. Diz Kate:

+LER, VER & OUVIR: Avante Leãozinho: a história de uma mãe em busca da cura para o filho

– Depois de dez anos vivendo sozinha, estou acostumada a ter todo o tempo do mundo para mim. O que permite estarmos bem juntos é que meu namorado também necessita de muito tempo para si. Procuramos negociar as diferentes necessidades de cada um. Vejo isso como resultado das conquistas da segunda onda do feminismo dos anos 1970. É uma circunstância que nunca houve antes: o número de mulheres que trabalham e estudam é maior que nunca. Quando as mulheres tiveram menos acesso à educação, tenderam a casar-se mais. Hoje, se tomam a decisão de viver sozinha, acredito que seja, fundamentalmente, porque agora podem ter experiência, uma visão do mundo muito mais ampla que o matrimônio. Não é egoísmo, como muitos argumentam.

kate bolickKATE B”MUITAS MULHERES TÊM FILHOS COAGIDAS PELA PRESSÃO QUE A SOCIEDADE IMPÕE”

Também não é egoísmo, na visão da escritora, a decisão de não ter filhos. Sobre maternidade, finaliza ela:

– É muito curioso que a percentagem de mulheres que realmente querem ter filhos é muito pequena. O mesmo com as mulheres que não querem ter. A maioria fica no meio. Não sabemos realmente se queremos ou não, depende de como funciona nossa vida, em que momento estamos. Muitas mulheres têm filhos coagidas, uma vez mais, pelos papéis e estereótipos que a sociedade impõe. É uma pressão real, que existe e provoca muito estresse. E ela também atinge os homens, porque o mundo está organizado em torno da família e do casal.

Intensamente pessoal e bem embasado, Solteirona é ao mesmo tempo um inquietante livro de memórias e uma ampla análise cultural dessa encruzilhada que não deveria, mas tanto interfere no universo feminino. Uma defesa da liberdade da mulher de ser autêntica e fiel às inúmeras possibilidades de futuro que ela pode e deve projetar para si mesma. Se será um futuro construído a duas ou a quatro mãos, só a ela cabe decidir.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

1 Comentário

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Quando um bolinho de bacalhau é um bolinho de bacalhau ♥️ #pampulhinha
  • Vamos dar uma dormidinha e já voltamos 😴🐶♥️ #domingonoparque
  • Quando a gente trabalha com o que ama! ♥️ Imagens: @carloseduardosperotto #porai #bandmulherrs
  • Primeiro fim de semana na Fazenda Tapera, da família do meu então novo namorado, @carloseduardosperotto. Primeiro mês de volta ao RS depois de largar o emprego no Rio porque tinha certeza de que Chiquinho seria meu futuro marido. E não é que acertei?!♥️ #7dejunho #2007 #tbt #quintafeiradoretorno
  • #desafioaceito #todoscontraocancerdemama #euapoioessacausa Vamos fazer uma corrente por esta causa? Então compartilha uma foto tua em preto e branco para demonstrar apoio à luta contra o câncer de mama. Não precisamos esperar outubro quando é nossa saúde que está em jogo. O câncer de mama tem chances altíssimas de ser curado quando descoberto em estágio inicial #cancerdemamatemcura #ligafemininadecombateaocancer #imama #voluntariaspelavida
  • Né?! #vidaquesegue