Dá licença de não querer comer com as mãos?

Foi há muito tempo atrás e aconteceu durante o coquetel de estreia de uma novela da Globo que agora não lembro qual era. Estávamos todos, jornalistas, convidados, atores e atrizes da respectiva novela, circulando por um salão todo decorado com a temática da dita novela quando passou o garçom e ofereceu a bandeja com sushis.

A jornalista que estava conversando comigo fez menção de pegar uma peça de sushi com as mãos, mas voltou atrás. Parou estaqueada me olhando, olhos esbugalhados, mais ou menos como Bento quando quer passear.
– O que foi? – perguntei, enquanto o garçom ia embora.
– Não tinha hashi na bandeja, e não sabia se podia pegar, com a mão. Resolvi não arriscar.

mulher-positivoPODE COMER COM A MÃO, SIM

Alguns dias antes daquele coquetel, em uma livraria de São Paulo, havia passado horas entretida nos livros de etiqueta. Por coincidência, fiquei lendo uma publicação sobre culinária japonesa – e ali dizia que, sim, o sushi pode ser segurado com a mão, dispensando o uso do hashi.

hashiISTO É O HASHI, CASO VOCÊ NÃO SAIBA

Mas atenção: ao comer o sushi com a mão, você deve degustá-lo numa única bocada. Nada de ficar dando mordidas. Os bons e requintados restaurantes de culinária japonesa fazem os sushi no tamanho certo justamente para isso.

boca-cheiaPARA QUE VOCÊ NÃO FIQUE DESSE JEITO À MESA

Outro ponto bem interessante que aprendi naquela tarde de literatura japonesa na livraria de São Paulo foi que o masu (massú) – aquele recipiente quadrado usado para o saquê frio, também chamado de “caixinha” por nós, deve ser segurado com as duas mãos.

Se o masu vier acompanhado por um pires, reza a boa educação que a pessoa deve pegar apenas o masu e levá-lo à boca. Nunca, nunca, nunca fazer como eu, tu, eles, nós, vós eles fazem: inclinar-se à mesa, levando a boca até a caixinha a fim de não derramar o que já está derramado no pires.

mulher-desconfiadaQUEM NUNCA?

Mas não era sobre etiqueta japonesa à mesa que eu queria falar quando comecei a escrever esta coluna, mas sobre o ato de comer com as mãos. Explico: está cada vez maior uma onda gastronômica de comer com as mãos não apenas comida japonesa, mas culinárias de outros países em geral. A questão é que não se trata de uma demanda do cliente, mas uma exigência dos restaurantes – o que vem provocando um certo desconforto em quem paga a conta e se vê obrigado a fazer o que não está a fim em função de uma cultura que não é a sua.

mulher-nova-gritando-feliz-thumb894324812DÁ UM EXEMPLO, MARIANA!

Na Taquería La Sabrosa, casa especializada em tacos mexicanos, como o próprio nome já indica, o taco é entregue ao cliente num pratinho de papelão e sem a companhia de talheres. Se a pessoa for meio desastrada, tipo eu, e começar a derrubar o recheio no prato, não adianta pedir talheres para recolher e levar à boca. O garçom ordena: “Use os dedos”. Ponto final.

mulher-assustada-jpeg2#TENSO

No argentino La Guapa, a norma é mais flexível. Tem talheres para quem quiser comer as empanadas, mas a chef argentina Paola Carosella (sim, a jurada do Masterchef Brasil) sempre sugere devorar a delícia com as mãos. Fica mais gostoso mesmo, na minha modesta opinião (e vamos combinar que é mais fácil comer empanadas do que tacos). Porém, diferentemente do que ocorre na Taquería La Sabrosa, na casa de Paola os talheres estão à disposição para quem preferir – e eu acho que é aí que reside toda a discussão.

desenho-apresentador-de-circoSENHORAS E SENHORES.., THAT’S THE POINT!

Eu entendo que uma chef argentino e um chef mexicano queiram ver os clientes degustando suas criações da maneira original, como costuma ser em seus países de origem. Mas, nesses dois casos,  jogo muito mais no time da Paola do que na equipe do chef mexicano. Um pouco de flexibilidade, por favor!

Estamos no Brasil e não se pode exigir do cliente brasileiro que faça como os argentinos e mexicanos. Se ele não se sente bem, se ele sente falta dos talheres, faça sua vontade, faça com que ele se sinta confortável naquele que é o seu empreendimento, que você abriu as portas para recebê-lo e fazê-lo se sentir em casa: ofereça um serviço simpático e alcance os talheres a ele.

smiling-man-holding-fork-and-knife-100117558OLHA A CARA DE FELIZ DO SUJEITO!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

1 Comentário
  1. Bom dia!

    Comer com as mãos considero desconfortável 2 meio primitivo.
    No meu caso possuo um problema de saúde e preciso mastigar pequenas porções. Tudo é feito sempre pensando em massa e esquecem as exceções.
    Boa semana.
    Abraço,
    Maria Regina

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • E que a gente nunca esqueça que a autoestima é o que há de mais divino no ser humano. Pois, quando nada lhe resta, resta-lhe a si mesmo. #sejaluz #sejavoce #sejaleve #sejaforte #sejapositivo #sejafeliz
  • Quem acertar o peso de cada uma (com roupa!) ganha um chope com as duas!! 🍻 #145quilosjuntas
  • Favor manter sempre em mente! 👆🏻
  • Só as gatas! 💅🏻 #miau @marina_tkalil @cami_abbott
  • “Façamos da interrupção um caminho novo. Da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sonho uma ponte, da procura um encontro.” (Fernando Sabino). Estância Dona Genoveva, Bagé, março’19. #tbt
  • A morte não é nada.
Eu somente passei
para o outro lado do Caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês,
eu continuarei sendo.
Me dêem o nome
que vocês sempre me deram,
falem comigo
como vocês sempre fizeram.
Vocês continuam vivendo
no mundo das criaturas,
eu estou vivendo
no mundo do Criador.
Não utilizem um tom solene
ou triste, continuem a rir
daquilo que nos fazia rir juntos.
Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.
Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi,
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.
A vida significa tudo
o que ela sempre significou,
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora
de suas vistas?
Eu não estou longe,
apenas estou
do outro lado do Caminho…
Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre foi.” Santo Agostinho.
❤️🐶❤️.
A gente se encontra do outro lado do caminho, amigo velho. Voa em paz, companheiro de tantas jornadas. #bento #xerife 01.02.2001 - 22.08.2019