Da tortura ao paraíso

Então, eis que ontem, depois de mais um dia vesga na frente do computador, fui ao supermercado me dar de presente a salada de tomates de Jamie Oliver. Tudo bem que eu estava disposta a pagar o alto preço do tomate como recompensa de um dia exaustivo.

MAS TUDO TEM LIMITE!!

Nunca vi, nos últimos tempos, tomates tão feios. Desisti da salada enquanto a safra não melhorar e então merecer meu suado dinheirinho. Virei para o lado e vislumbrei uma linda baguete acenando em minha direção. Acenei de volta.

OI, BONITONA!

Decidi que jantaríamos tapas.

AMO TAPAS!

EU TAMBÉM

Em Barcelona, Bento e eu amavámos jantar tapas. As tapas de ontem consistiram em jamón serrano (não me façam lembrar o preço, por favor… mas merecemos!), queijo brie, tomatinhos cereja, caponata de legumes, sardinhas e atum em lata. Cada um ia montando como bem entendia seu pãozinho aquecido no forno. Tudo regato a vinho de combate, claro!

EU SÓ COMI MIOLOS

Bento ama miolo de pão.
Foi então que começou o suplício: a abertura da novela.

VIDA, VIDA, VIDA…

Li no site da Zero Hora que a Globo resolveu mudar um pouco a música Maravida, de Gonzaguinha, tema da abertura da novela, para uma versão de Daniel menos chororô. Me desculpe, mas não vi, ou melhor, ouvi nenhuma diferença. É a mesma tortura.

VIDA, VIDA, VIDA….

Pra falar bem a verdade, cansei de passar o dia perturbada com essa maldita música retumbando no meu cérebro. Desde que essa novela começou, eu vivo torturada com essa vida, vida, viiiiida na cabeça. Quando não é a vida, vida, viiiiida, é a música da piradinha.

PIRI, PIPIRE, PIPIRE, PIRE PIRADINHA

Não há como um ser humano se concentrar pra escrever um livro com Daniel e Gabriel Valim soando o dia inteiro na cabeça. E não é só na minha. Pra piorar a situação, o Chico, que implicou com essa novela desde o início, também está com o chiclete vida, vida, vida grudado na cabeça. Quando eu consigo alguns minutos de sossego e esquecimento da música, ele resolve debochar da novela e sai imitando o Pavarotti pela casa.

VIDA, VIDA, VIDA

TÁ DIFÍCIL DE PREGAR O OLHO

Só pra concluir o assunto tapas. Sexta passada, depois de bisbilhotar correndo a Casa de La Madre antes que ela fechasse e sair de lá feliz da vida com vários novos brinquinhos lindos, Tinti, Lu, Titha e eu fomos ao Rambla. Eu já tinha ido ao Rambla com o Chico para comemorar o aniversário da Gabi Chanas e da Ju Palma, em janeiro. Só que na sexta descobri que há dois tipos de Rambla: o Rambla da parte de baixo e o Rambla da parte de cima.

ENTENDERAM?

Eu explico: na parte de cima, o Rambla funciona como um lugar de noite mesmo, de festa, às vezes até com música ao vivo. Um lugar de agito, para quem quer ver e ser visto. Na parte de baixo, onde ficamos na sexta, o clima é mais de happy hour – o que procurávamos. E gostei beeeem mais. Isso que nem cheguei no assunto…. tapas!

SÃO SENSACIONAIS!

Não fotografei nada, mas, se quiserem alguma dica minha, sentem na parte de baixo (é preciso chegar cedo, hora de happy hour mesmo, porque lota), dêem uma bisbilhotada na vitrine de pintxos, mais uma olhadinha no cardápio de tapas, peçam uma sangria (divina!) e escolham três variedades de pintxos para cada pessoa (uma espécie de bruschetta com vários sabores a escolher).

ESTAMOS À ESPERA DE VOCÊS!

Para variar só um pouquinho, roubei a foto dos meus amigos Destemperados. Vale a pena ler o que eles falam do Rambla. Eu não repito tudo aqui porque o tempo está curto (e o animal está na porta para passear). Mas forneço o link.

AQUI!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.
  1. Mari, aproveita teus horários mais flexíveis e vai em uma feira livre. Semana passada descobri que nas quartas das 17-19h tem feira na rótula do papa. Eu parecia a louca consumidora de tomates. Lindos e bons de preço

  2. Mari, aproveita teus horários mais flexíveis e vai em uma feira livre. Semana passada descobri que nas quartas das 17-19h tem feira na rótula do papa. Eu parecia a louca consumidora de tomates. Lindos e bons de preço

  3. Tomates lindos na feira ecologica do Menino Deus, na getulio vargas. Comprei sabado uns divinos. Tem hj de tarde (14-17) e sabado de manha (7-12:30)Vale a pena!!. Eh como a da redencao so q beeem mais calma e segura. Qto ao Rambla tive a mesma impressao. prefiro o de baixo.;)Bj!

  4. Tomates lindos na feira ecologica do Menino Deus, na getulio vargas. Comprei sabado uns divinos. Tem hj de tarde (14-17) e sabado de manha (7-12:30)Vale a pena!!. Eh como a da redencao so q beeem mais calma e segura. Qto ao Rambla tive a mesma impressao. prefiro o de baixo.;)Bj!

  5. huuuuum deu até fome, assim não dá Mariana! hahaha… que amado esse Bento, dá vontade de apertar vendo essas fotos lindas! hahaha
    Ninguém suporta essa músiquinha, e a “piradinha” gruda mesmo.
    Mari, sucesso no teu novo livro, que a tua cabecinha esteja bem iluminada nesse mês. hehe
    Beijos

  6. huuuuum deu até fome, assim não dá Mariana! hahaha… que amado esse Bento, dá vontade de apertar vendo essas fotos lindas! hahaha
    Ninguém suporta essa músiquinha, e a “piradinha” gruda mesmo.
    Mari, sucesso no teu novo livro, que a tua cabecinha esteja bem iluminada nesse mês. hehe
    Beijos

  7. Oi Mari
    Adoooro o Rambla! Por sinal vou lá hoje com uma amigas então não poderei assistir a ti e ao Bento no programa da Sara, mas prometo comer pintxos em tua homenagem!!!

  8. Oi Mari
    Adoooro o Rambla! Por sinal vou lá hoje com uma amigas então não poderei assistir a ti e ao Bento no programa da Sara, mas prometo comer pintxos em tua homenagem!!!

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Estaremos te esperando, Chiquinho! Repost @chico_sperotto ♥️🐶🌞
  • • KARL LAGERFELD
10.09.1933 - 19.02.2019 🖤
•”Pense rosa. Mas não use".
•”Calça de moletom é sinal de fracasso. Você perdeu o controle sobre sua própria vida e comprou um moletom".
•”Eu acho tatuagem uma coisa horrorosa. É como viver o tempo todo em um vestido Pucci".
•”Meu maior luxo é não precisar me justificar para nenhuma pessoa.”
•”Gosto que tudo seja lavável. Eu mesmo, inclusive.”
•”Personalidade começa onde a comparação termina.”
•”As melhores coisas que fiz na minha vida, as vi nos meus sonhos. É por isso que tenho um caderno de rascunhos na minha cama.”
•”O politicamente correto, a preservação. Eu acho tudo isso extremamente chato.”
•”Coco Chanel jamais teria feito o que eu fiz. Ela teria odiado.”
•”Sou uma pessoa da moda e a moda não é somente sobre roupas. É sobre todos os tipos de mudança.”
•”Eu amo estar de passagem. Nasci em um porto, em Hamburgo. Então minha mãe disse: ‘É a porta do mundo, mas não é mais do que a porta. Portanto, já pra fora!’”.
#ripkarllagerfeld
  • - Dinda, entra no mar comigo?
- A dinda não gosta de mar gelado.
- Eu queria mergulhar com a dinda.
- Então a dinda vai te dar a maior prova de amor do mundo. E tu vai lembrar pra sempre, promete?
- Prometo, dinda.
E assim foi, e a lembrança eterna será de nós dois. #joaobenicio #amordadinda
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾 Detalhes no destaque do Stories
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻