De Mariana para Mariana: uma carta para lembrar dos reais valores da vida

Querida Mariana,

Sei que esses finais de ano mexem um pouco com você. Talvez a junção de mudança de idade, sentimento natalino e novo ano que se aproxima revirem seus sentimentos e emoções de uma forma meio turbilhonática – sim, esta palavra eu inventei para tentar decifrar o que acontece dentro do seu peito. Saiba que faz parte. Consciência e reflexão levam ao crescimento, e o importante é mirar sempre adiante e andar sempre em frente.

Tenho te percebido um pouco mais silenciosa nesses últimos dias do ano. Pensando demais na vida? Analisando o passado e projetando o futuro? Sentindo algumas dores e outros alentos? Faz parte também, apesar de não ser fácil. Infeliz daquele que passa por aqui sem se questionar, sem sofrer, sem lamentar – sem coragem, clareza e lucidez para compreender que portas estreitas sempre levam a grandes salões.

Foi um lindo ano, tenha certeza disso – e não olhe apenas para aquilo que não pôde ser feito. Você não conseguiu começar as aulas de violão, as aulas de canto. Não conseguiu encontrar uma escola de ioga para chamar de sua, ler um livro por mês, viajar mais. Mas olhe o quanto realizou! Você escreveu um livro, reinventou-se como profissional, inaugurou seu próprio portal, ganhou independência profissional. Você lançou um produto com seu nome, que se esgotou em tempo recorde.

Você ganhou um afilhado lindo e com saúde, sua mãe renasceu de um grave acidente. Sua família continua perto, intacta, cada vez maior e mais unida. Seu cachorro vai fazer 15 anos com saúde, você conheceu o Peru, experimentou todos os sabores que queria havia anos – e como se tudo isso ainda não bastasse, os deuses incas enviaram uma Alpaca para encantar ainda mais os seus dias. Uma cachorrinha adorável, dócil, amiga, fiel caiu no seu colo como a expressão máxima de um presente divino.

Portanto, minha melhor amiga, relaxe. Respire. Olhe mais para o horizonte e menos para onde pisa. Agradeça, comemore. Um ano se foi; outro está por vir – e será sempre assim até que se chegue ao fim. Com algumas curvas, incertezas, pisadas de freio ao longo do percurso, isto é certo. Mas sempre com a consciência e o silêncio de quem busca dia a dia crescer naquilo que tem de melhor. Passinho por passinho. Sem pânico nem correria, mas evoluindo, dia após dia.

Afinal de contas, nada mais neste mundo é necessário. Nada se leva além de si próprio na hora de partir.

Feliz 43 anos, Feliz Natal, Feliz 2016.
Um beijo com o carinho de quem te ama e estará sempre aqui,
Mariana

 

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

5 Comentários
  1. Mari, minha nossa! Que coisa linda!
    Pode ter certeza que a tua carta não foi endereçada somente para você, mas para todos que nessa época (ou outras) param um pouco e avaliam o que poderia ser e não foi e não o que foi e foi maravilhoso!
    Excelente ponto de vista sobre o que somos e o que ainda queremos ser!

    Um Beijo!
    Feliz aniversário, Feliz Natal e Feliz Ano Novo

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Estaremos te esperando, Chiquinho! Repost @chico_sperotto ♥️🐶🌞
  • • KARL LAGERFELD
10.09.1933 - 19.02.2019 🖤
•”Pense rosa. Mas não use".
•”Calça de moletom é sinal de fracasso. Você perdeu o controle sobre sua própria vida e comprou um moletom".
•”Eu acho tatuagem uma coisa horrorosa. É como viver o tempo todo em um vestido Pucci".
•”Meu maior luxo é não precisar me justificar para nenhuma pessoa.”
•”Gosto que tudo seja lavável. Eu mesmo, inclusive.”
•”Personalidade começa onde a comparação termina.”
•”As melhores coisas que fiz na minha vida, as vi nos meus sonhos. É por isso que tenho um caderno de rascunhos na minha cama.”
•”O politicamente correto, a preservação. Eu acho tudo isso extremamente chato.”
•”Coco Chanel jamais teria feito o que eu fiz. Ela teria odiado.”
•”Sou uma pessoa da moda e a moda não é somente sobre roupas. É sobre todos os tipos de mudança.”
•”Eu amo estar de passagem. Nasci em um porto, em Hamburgo. Então minha mãe disse: ‘É a porta do mundo, mas não é mais do que a porta. Portanto, já pra fora!’”.
#ripkarllagerfeld
  • - Dinda, entra no mar comigo?
- A dinda não gosta de mar gelado.
- Eu queria mergulhar com a dinda.
- Então a dinda vai te dar a maior prova de amor do mundo. E tu vai lembrar pra sempre, promete?
- Prometo, dinda.
E assim foi, e a lembrança eterna será de nós dois. #joaobenicio #amordadinda
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾 Detalhes no destaque do Stories
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻