Depois do nó de pular corda… O ridículo de caminhar na rua

– Mari, tu já está fazendo algum exercício aeróbico? – me perguntou minha adorada professora Flora ao final da aula de pilates.

– Vou começar hoje! – respondi animada. – Vou caminhar na rua. Sabe como é… Eu não vou pagar mensalidade na academia só pra usar a esteira e acho que caminhando na rua eu respiro ar puro, vejo a paisagem, me distraio. Acho mais saudável.

– O que tu acha? – perguntei.

– Acho ótimo! – Flora respondeu.

Nos despedimos, e eu saí animadíssima subindo a lomba da Castro Alves. Um, dois, um dois, um dois… Estava me achando. Lembram a história da corda? Pois é, de novo eu tive certeza que tinha encontrado a fórmula mágica para começar um exercício aeróbico. Oi? Acorda, Mariana!

Subida a lomba da Castro Alves e o resto da lomba da Quintino Bocaiúva, me vi na frente do IPA. E agora, pra qual lado? Esquerda! Tive que parar no sinal, logo meus batimentos começaram a diminuir, logo estava indo toda minha subida da Castro Alves e da Quntino para o beleléu.

Atravessei e segui caminhando feito uma égua a trote

Parei de novo pra atravessar, “não estou sentindo esforço algum”, pensei. Parei de novo pra atravessar, comecei a descer lomba, comecei a ficar irritada, tudo começou a virar um grande passeio, e eu tenho bem mais coisa pra fazer do que ficar passeando na rua de manhã.

EU QUERO GASTAR CALORIAS E PRECISO SUAR, SERÁ QUE DÁ PRA ENTENDER?!

E agora eu estou com calor, porque estava frio, mas comecei a ficar com calor da caminhada, e não tenho onde colocar os dois casacos. E daí eu amarrei um casaco na cintura, fiquei acalorada com o outro, e o da cintura, que é de náilon, começou a escorregar da minha cintura. Então passou por mim uma guria linda e loira correndo , só de shortinho, atravessando a rua como se estivesse flutuando e só faltando colocar a língua pra mim.

Fiquei olhando maravilhada pra ela e …

PLOFT! Afundei o pé num cocozão de cachorro

QUER SABER? DANE-SE!

Dane-se a rua, dane-se o ar puro, danem-se as árvores!

Eu amaria ser uma dessas pessoas que flutuam correndo pela rua, que rodopiam em parques e não se incomodam com a areia que entra dentro da meia que dentro do tênis, com o óculos que fica escorregando do nariz.

Comecei a correr toda fedorenta do cocô, quase chorando de ódio dessa invencão ridícula e só parei na frente da minha antiga academia. Reativei minha matrícula. Nunca devia ter me separado da adorada escada ergométrica.


Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.