Diário da Mari: Encontrar e viver a vida com um amor cinco estrelas é privilégio de poucos

Sempre fui das amigas que ouviu mais e falou menos. À primeira vista, me tiram para tímida. Não sou tímida, sou quieta. Do contrário, não sairia me apresentando por aí cada vez que enxergo um microfone pela frente, só pra ficar na minha frustrada vertente cantora com predileção por “Vento Negro”. Gosto do silêncio e de observar, traço este da minha personalidade que levou mamãe a ter a certeza de que jamais vingaria como jornalista.

bento1124VINGOU?

mulher-arrancando-os-cabelos3ALGUÉM LEVA O ANIMAL PRA DAR UMA VOLTA

Tampouco sou de sair dando opinião e conselhos para as amigas – a menos que minhas palavras sejam solicitadas, claro. Quando assim acontece, não economizo em análises, fatos, todos os lados da história. Gosto de tentar ser útil e muitas, mas muitas vezes mesmo algumas delas me pediram que escrevesse conselhos – o que fiz ainda em papéis de carta (quem não colecionou nos anos 1980?). Escrever sempre me ajudou a entender os motivos e os “comos” de tudo, tanto interna quanto externamente.

+DIÁRIO DA MARI: Cada uma de nós sabe melhor do que ninguém quais são as nossas urgências

Desde que meu blog foi lançado, em 2011, desde que ainda era apenas Por Aí, sem querer transformei o hábito de escrever em diários de papel para o costume de dividir meu universo na internet. Talvez essa verdade que sempre traduzi em palavras tenham levado a que muitas leitoras me escrevam pedindo conselhos. Sobre vida, sobre trabalho, sobre carreira, sobre moda, sobre filhos, sobre estilo e mais recentemente…. Sobre amor!

woman confusedFALAR DE AMOR, EU?

Não sou muito boa nessa coisa, acho. Não sou muito romântica. Faço a linha prática e objetiva, sabe assim? Sou sonhadora, como toda sagitariana, mas meus pés não sobem muito a rés do chão – e quando acho que qualquer vento pode me levar, me agarro na primeira corda e volto a caminhar em terra firme. Os dois últimos e-mails que recebi traziam dois assuntos distintos relacionados a amor e pediam minha opinião:
1) Mari, gostaria que tu escrevesse algo sobre como lidar com o fato de que nunca seremos felizes ao lado do amor da nossa vida.
2) Mari, como se faz pra esquecer alguém?

WOMAN-CONFUSED-facebook-752x3761QUE PERGUNTINHAS, HEIN?

Faz algumas semanas que esses dois emails me olham cada vez que abro a caixa postal e eu finjo que não vejo eles. Daí estava aqui hoje, uma chuvinha lá fora, e decidi começar a escrever este post para ver aonde tudo ia dar. E agora cheguei no ponto de responder as duas perguntas.

mulher-blusa-vermelha-nao-quero-ver2SOCORRO

Do fundo do coração, acho que poucas pessoas neste universo têm a felicidade de conhecer o grande amor de suas vidas. Menos pessoas ainda são afortunadas com a chance de dividir suas vidas com este grande amor. Acredito que a maioria vive o amor duas, três, quatro estrelas. Mas aquele verdadeiro, aquele amor cinco estrelas, é privilégio de poucos.

+DIÁRIO DA MARI: A verdadeira luta feminista é aquela que dá à mulher o direito de ser quem ela quiser

Vivemos de encontros e desencontros com pessoas legais, bacanas, com algumas afinidades, mas isso não quer dizer que seja o grande amor. E quando este grande amor acontece, às vezes chega cedo ou tarde demais; às vezes não acerta a hora. Pessoas certas passam muito pela vida da gente. A grande matemática está neste encontro acontecer com a pessoa certa na hora certa. O grande amor na hora certa: não é presente para todas as almas.

A mensagem que qualquer pessoa deveria carregar consigo é que podemos ter a chance de conhecer um amor realmente grande e poderoso, aquele amor que pode ser o mais importante e definitivo no sentido de realmente dar algum significado extra à nossa vida. Mas isso não quer dizer necessariamente que vamos envelhecer ao lado deste alguém. Nem todos os grandes amores, apesar de grandes amores, conseguem encaixar-se na realidade e nas ambições que escolhemos para nós – e exatamente sobre isso, se eu puder deixar a dica de um filme baseado em um livro, aqui está!

1A PELE DO DESEJO (1992)
A história retrata a vida de uma mulher rica que mora e pretende estudar em Paris. Seu grande amor é pobre, pescador e não tem grandes ambições. Os dois se conhecem e se apaixonam durante um verão, na Escócia, onde ele sempre morou. O filme é dos mesmos produtores de “O Nome da Rosa” e está baseado no romance “Les Vaisseaux du Coeur”, de Benoite Groult, que vendeu milhões de exemplares em cerca de vinte países.

Agora a segunda pergunta: “como esquecer alguém?”. Olha, se eu soubesse, estava vendendo este conselho e vivendo de renda. E se eu disser que tem gente que a gente nunca esquece? Será que conforta? Será que o que realmente dói não é ficar lutando, brigando conosco e tentando arrancar do nosso coração pessoas que fatalmente jamais sairão dali? Ou que pela importância que têm ou tiveram exigirão um longo prazo para partir? Será que não é mais confortável compreender a situação, ser grata pelos bons momentos juntos e encontrar dentro do peito uma gavetinha para guardá-la ali, quietinha, sem nos machucar, apenas como uma bela lembrança de um tempo que foi bom, mas que não voltará – e que a vida anda pra frente?

+DIÁRIO DA MARI: O aperto no peito é ansiedade. Não sou a única, somos muitas!

Talvez ali, quietinha, em silêncio, com o passar dos anos ela vá ficando amarelada, envelhecida… Enquanto damos cabo da nossa vida, das nossas escolhas, enquanto caminhamos para nos abrir para outras experiências e outras pessoas, ela vai ficando em um passado cada vez mais distante. Até o dia em que nada mais tem a dizer. Então, sem dor, sem traumas, abrimos aquela gavetinha, damos de cara com aquele alguém agora estranho e deixamos que se vá. Será que não pode ser assim? Dar tempo ao tempo, com serenidade e sabedoria; com mais raciocínio e menos emoção. Afinal, o tempo não é o senhor da razão?

mulher-desconfiada1SERÁ QUE AJUDEI?

bento1124ACHO DIFÍCIL

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

2 Comentários

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • “Hello, doctor Renato! Good morning and good news! Doctor Guy can receive us the coming monday at Sheba Medical Center. The cells grew very well, they are approved for protocol in Israel”. ✨✨✨
Não perca, nunca perca, jamais perca tua força, tua coragem, tua fé.
  • O amor e o carinho de todos vocês, perseguidoras e perseguidores, me impulsiona como uma malabarista que voa pelo céu encantado em seu trapézio mágico. O amor e o carinho da minha família e amigos é o que me mantém firme e forte até aqui, com desequilíbrios e tropeços, sim. Mas com muito aprendizado. Não foram dias fáceis, não tem sido nada fácil e tampouco será daqui por diante. Mas, com fé, força e coragem, chegará o dia em que vamos emergir juntos lá do fundo desta tempestade - e então bastarão algumas braçadas e já estaremos do outro lado da margem deste mar revolto. O lado da cura. Amanhã, já posso voltar a comer batatinha em casa. E vamos em frente. 💪🏻 #bepositive
  • A dinda vai cair e levantar quantas vezes forem necessárias para te ver crescer e florescer em um mundo lindo de rosas amarelas, meu pequeno Johnny. 💛
  • Mais uma etapa vencida; mais três corações explodindo de felicidade de voltar pra casa. Em frente. 👊🏻 #bepositive
  • Uma ideia criativa de servir pão (vou imitar) y otras delícias do Bell Café: couve-flor, kebab e húmus (sempre ele!). #telavivfood 😋
  • Se você não vem comigo, nada disso tem valor. De que vale o paraíso sem amor? Se você não vem comigo, tudo isso vai ficar. No horizonte esperando por nós dois.