Etiqueta da bolsa: AMIGA MARI diz onde colocar o acessório quando sentar à mesa

Há uma dúvida que acompanha as mulheres e, por mais que se esclareça o assunto, sempre fica alguma questão pendente: o que fazer com a bolsa durante um jantar informal, com amigas ou namorado, e em situações mais formais, como festas de formatura e casamento. Antes de tudo, é preciso saber que o modelo da bolsa depende da ocasião.

Bolsa grande em almoços e jantares
Digamos que você saiu para jantar com uma amiga direto do trabalho, não teve tempo de passar em casa e está com aquela sua bolsa enorme que cabe a vida dentro. Ou que tem na agenda um almoço de negócios, você saiu direto do trabalho e a bolsa tampouco é das menores. O que fazer com ela ao sentar à mesa? Peça ao garçom uma cadeira extra e coloque-a perto de você. Não pendure no encosto da cadeira, pois você pode atrapalhar a circulação dos funcionários, além de incomodar-se com gente passando e esbarrando no acessório.

Há estabelecimentos que oferecem suportes para bolsas. Eu costumo carregar o meu, que é um modelo portátil. É pequeno, prático e basta encaixá-lo na mesa. Indico este investimento.

suporte1EXISTEM SUPORTES DAS MAIS VARIADAS CORES E MODELOS
Sempre bom lembrar que não é indicado o uso de bolsas grandes em jantares e eventos, mas a gente sabe que a vida anda corrida e muitas vezes o ideal não é possível de ser cumprido. Portanto, deixo esta dica que funciona muito pra mim.

Carteira e clutch em dias e noites de festa
Casamentos, formaturas e outros eventos sociais exigem bolsas pequenas, como carteiras e clutches – e elas devem ser levadas na mão, com o braço estendido. Caso o seu modelo tenha alças ou correntes, ignore. Coloque para dentro do acessório ou segure junto com ele. Jamais pendure no braço ou no ombro.

bolsaCOM O BRAÇO ESTICADO SEMPRE
Se o modelo permitir, segure sempre pela parte de cima

bolsa4CASO TENHA UM FORMATO ESTRUTURADO, VOCÊ PODE SEGURAR POR BAIXO

bolsa5HÁ MODELOS QUE JÁ VÊM COM UMA ESPÉCIE DE EMPUNHADURA PARA ENGANCHAR OS DEDOS

Bolsa em cima da mesa pode?
Nunca, jamais coloque a bolsa (por menor que seja) sobre a mesa. Além de ser falta de respeito, também é falta de higiene. A clutch ou carteira deve permanecer no colo enquanto você estiver sentada. Ao levantar, deixe sobre o assento da cadeira.

Ah, e lembre-se sempre: o homem pode carregar o seu casaco. A bolsa deve permanecer com você sempre!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

4 Comentários

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Penteados e escovados para a primeira de muitas noites de autógrafos de Vida Peregrina, que me levaria à lista dos livros mais vendidos do país e confirmaria Bentolino como um dos personagens mais importantes da minha existência como escritora. Seis anos hoje. Saudade, Xerife. ❤️🐶📘 #tbt #2013 #vidaperegrina #livromarikalil
  • Éramos uma família de bageenses morando no Rio e nossa família multiplicava-se com mais bageenses que chegavam no Carnaval. Tudo começava ao cair do sol com um primeiro chope para brindar a união e terminava com corpos ao mar pra curar o ressacão. Lembrança do nosso primeiro bailinho em que eu me retorci para entrar em uma fantasia de odalisca tamanho 14 comprada em uma loja infantil de Ipanema. É que ainda estava borracha da noite anterior. Borrachos entendem. 🍺
Casa da @renatabrasilvidal e do @marcelogoskes; Rio de Janeiro, Carnaval 2006. #tbt
  • Ter o privilégio de passar horas e horas conhecendo muitas das minhas perseguidoras faz a gente mais feliz. Ser recebida com carinho pelo @centrocarinaborges, que abriu suas portas para este momento tão especial de beleza e amizade faz a gente mais feliz. Poder oferecer a excelência dos produtos da @farmathuia para as amigas da Mari faz a gente mais feliz. Servir os melhores quitutes fit da @feeljoy.com.br e a delícia do capuccino proteico do @mundoverdeiguatemipoa faz a gente mais feliz. Rodopiar com um vestido de seda floral da @boutiquemariahelena capaz de traduzir com maestria meu estado de espírito faz a gente mais feliz. Felicidade é encontrar alegria na alegria dos outros; felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente. Obrigada a todas que hoje fizeram meu dia muito, muito mais feliz! ✨🙏🏻❤️
  • Quem nunca aplicou uma dessas?! 👆🏻
  • Me diga se pode existir desgraceira maior do que chegar ao vestiário de natação molhada em cima de um par de chinelos molhados, com o cabelo todo desgrenhado, com o rosto todo marcado dos óculos e ainda ter que pegar a sacola, botar a sacola em cima de um banco, abrir a sacola, retirar os saquinhos plásticos para guardar o maiô encharcado junto com a touca e o óculos, pegar a nécessaire, sair equilibrando toalha, xampu, sabonete e condicionador até o box, sempre pisando naquele chinelo nojento molhado, tomar banho na companhia de fios de cabelos de terceiros, recolher sabonete, condicionador e xampu, secar um por um com a toalha, se enrolar na tolha, voltar pingando até o armário em cima daquele chinelo nojento molhado, abrir o armário, abrir a sacola, guardar o xampu, o condicionador e o sabonete dentro da nécessaire, retirar o pente, desembaraçar o cabelo cuidando para não deixar fios caírem no chão, passar hidratante na volta dos olhos, sérum facial, creme com proteção solar, hidratante corporal, vestir a roupa toda amassada dentro da sacola, sentar no banco com o pé ainda molhado em cima daquele chinelo nojento com fio de cabelo de terceiros grudados na sola, secar dedinho por dedinho, colocar o sapato, secar o chinelo, ensacar o chinelo e terminar a maratona botando os bofes para fora do calorão que sai daquela quantidade de chuveiros quentes e secadores ligados. 
Me diga: pode existir desgraceira maior?!
  • Tenha coragem para as grandes adversidades da vida e paciência para as pequenas, e quando tiver cumprido laboriosamente sua tarefa diária vá dormir em paz. Deus está acordado. (Victor Hugo).