Foi preciso tirar o pijama para cair de boca no hambúrguer

Não me queixo de estar encerrada no bunker nesses dias de completo dilúvio em Porto Alegre. Por mais estafada mentalmente que me encontre, olhar para fora, ver a chuva caindo, o frio que sopra, olhar aqui para dentro, ver a estufa quentinha e meu corpo acomodado em um pijama é o que se pode chamar de luxo. O animal não pensa muito assim. Basta a chuva dar uma trégua para o animal aparecer com aqueles olhos esbugalhados ansiando pelo passeio.

bento1ELA SAI DE PIJAMA

Óbvio. Só também não saio de Crocs para não molhar minhas pantufinhas queridas. Domingo, após três semanas vivendo de pijama encerrada no bunker, tive que colocar uma roupa para o aniversário da minha cunhada. Não lembro de ter sofrido tanto em um passado recente. Tive que lembrar como era pensar em que roupa usar – e acho isso muito chato. Não por acaso, adorei uma nova tendência escrita pela querida e adorada Roberta Weber sobre a moda uniforme, que vem a ser usar sempre a mesma roupa todos os dias. Claro que não a mesma, mas ter várias peças iguais no armário. Roberta dá o exemplo da diretora de arte da revista Harper’s Bazaar, Matilda Kahl.

1429043291633MUITO PRAZER, SOU MATILDA

Matilda usa o mesmo look para trabalhar há TRÊS anos. Comprou QUINZE versões da mesma blusa e SEIS versões da mesma calça e as usa DIARIAMENTE. O detalhe especial, para marcar sua personalidade, é o laço de couro amarrado na gola da camisa branca.

Olha!

21MATILDA E O ARMÁRIO DE CAMISAS COM LAÇO DE COURO

MATILDAMATILDA, CAMISA COM LAÇO E JAQUETA DE COURO…

landscape_nrm_1431953963-untitled-2MATILDA, CAMISA COM LAÇO E BLAZER DE LÃ

amo almondegasGÊNIA!!!

Sofri no domingo para colocar uma calça de couro, um cashmere verde água e um casaco. Imagina se fosse um casamento! Tinha cortado os pulsos e me jogado de cabeça no poço de água parada cheio de mosquito da dengue do prédio aqui ao lado. Fora que já tinha sofrido no sábado à noite para tirar o pijama e sair para jantar com George e Paulinha. Sofri para botar a mesma calça de couro e só mudar o cashmere. Já andam me dizendo que minha situação é bastante preocupante. Eu não acho. Estou a fim de lançar uma grife de home office e ser minha própria garota-propaganda.

bento1ELA ENCASQUETOU COM ESSA IDEIA

Sábado à noite, George e Paulinha, Chico e eu fomos comer hambúrguer no Bife. Fazia horas que queria ir ao Bife já que, sempre que tento ir ao Bife, dou de cara com uma hora de espera na porta. Como não sou adepta de filas e longas esperas em restaurantes (não espero nem em fila de banheiro), nunca fiquei para experimentar os pratos da casa. Pois dessa vez combinamos de chegar cedo, 8 horas em ponto. Tinha mesa para escolher. Sentamos no andar de baixo e fui logo pedindo uma das minhas entradas preferidas onde quer que eu vá e encontre: batatas bravas. No cardápio do Bife, intitulada batatas rústicas.

Olha!

bife2NHAM NHAM!!!
Com alho e alecrim! Croc por fora, macia por dentro. Uma delícia!

 Chico nunca esteve tão feliz de ter esquecido os óculos de grau. Como não enxergava lhufas do cardápio, delegou para mim a tarefa de escolher qual hambúrguer comer entre as dezenas de opções distribuídas em quatro páginas. Por sorte, eu sabia mais ou menos o que queria, um hambúrguer sem muitas invencionices, com sabor convencional. Optei pelo.. pelo…. pelo….

mulher-desconfiada-haESQUECI O NOME

bento1QUANDO EU DIGO QUE ESSE BLOG É UM DESSERVIÇO, ELA BRIGA COMIGO

mulher-desconfiada-haCOMEÇA COM B…

mulher-blusa-vermelha-nao-quero-ver2ESQUECI O NOME

Boleiro, Bagual, Baguete, Be… Esqueci o nome. Bom, mas tirei foto. Não ficou lá essas coisas, pois a luz do ambiente não é de farmácia (graças a Deus). Mas dá para ver alguma coisa.

Olha!

bife1MUITO PRAZER, SOU O HAMBÚRGUER SEM NOME DA MARIANA!
Dá para escolher entre batatas rústicas, batatas fritas ou cebola frita de acompanhamento. Eu escolhi batatas rústicas, óbvio. Posso comer batas rústicas até explodir. Esse molho que veio junto do meu hambúrguer sem nome é à base de chimichurri.

bifeUM CLOSE NELE!
Pedi que a cebola, em vez de crua, como estava descrita no cardápio, viesse… Como se diz mesmo? Dourada? Grelhada? Viesse essa coisa não crua

depressed-woman-1ACHO QUE NÃO ESTOU MUITO BEM DA CABEÇA

bento1QUE NOVIDADE

Eis, minhas impressões do Bife e do hambúrguer (embora eu não ande muito bem da cabeça, vou comentar).

1) Adorei o ambiente de baixo. Chegamos a sentar no andar de cima, mas não achei tão aconchegante e pedimos para trocar assim que vagou uma mesa na parte de baixo, mais intimista e com cara de hamburgueria. Me senti meio empoleirada lá em cima e não achei as mesas e cadeiras confortáveis.
2) Amei as batatas rústicas. Comeria, como disse, até explodir.
3) Gostei muuuito da carne do hambúrguer. Estava mal passada, vermelhona mesmo, bem como eu gosto. Se você, cara leitora, não gosta de gado mugindo no seu prato, quando for ao Bife, deixe-os saber.
4) Voltaria para experimentar a opção de hambúrguer sem pão porque achei o pão a parte fraca de tudo. Muito pálido e servido gelado. Aqui não entro no mérito se pão de hambúrguer tem que ser gelado ou não ser gelado. A questão principal é que era muito branco mesmo, sabe? Não me apeteceu.

woman-yelling-istock-de20E O LIVRO, MARIANA?

woman-questionTERMINOU?

MULHER PANICNÃO

Quer dizer, sim e não. Sim porque terminei todas as 28 crônicas (neste primeiro momento, serão 28, com possibilidade de aumentar, o que espero não precisar). Não porque falta revisar todas e reescrever partes de algumas. Tenho ainda uma semana de bunker pela frente. Uma semana de pijama, uma semana de sopa no almoço para não ter sono e não correr o risco de terminar a tarde no sofá, uma semana de cara de louca, escabelada, de Crocs e à mercê de todos os caprichos do animal durante as 24 horas por dia.

bento1ESSA É A MELHOR PARTE DELA TRABALHAR EM CASA

 

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?! 🤣
E toca o barco, como dizia meu amigo @boechatreal ♥️
  • Repost @vitalvetpoa “Desejamos que todos os nossos amigos e clientes tenham uma segunda-feira igual à do Bento: agarradinho na sua almofada enquanto curte sua sessão de acupuntura naquela sonequinha gostosa com a língua de fora”. Meu agradecimento eterno. Quem ama cuida. 🐶♥️
  • Que o vento leve o necessário e nos traga o suficiente. ♥️🐶🙌🏻 #bento #xerife #companheirodejornada
  • Figos de Elsa! 👌🏻
• Seleciona lindos figos
• Corta a tampa rente ao talo
• Retira um pouco da polpa, coloca em um pratinho fundo, acrescenta queijo gorgonzola, amassa e mistura bem os dois
• Retorna com esse recheio para dentro do figo
• Pouco antes de servir, leva ao forno para gratinar rapidinho
• Na hora de levar à mesa, escolhe um prato bonito, faz algumas ranhuras com mel, polvilha flor de sal e voilà! Bon appétit! #entradinhadofindi #dicadamari #coisasdeelsa
  • Patricia foi minha boxer dos cinco meses de vida aos 12 anos de idade. Ganhei a Patricia de presente e fiquei muito incomodada. Cachorros têm sentimento, coração, pulmão. Cachorros não são vasos, lustres, sabonetes. Cachorros não são presentes que devemos ganhar sem o nosso consentimento. E a Patricia entrou na minha vida sem o meu consentimento. Eu não estava disponível para cuidar da Patricia naquele momento, eu estava com passagem comprada para São Paulo, contratada para um novo emprego, para um outro estilo de vida que exigia demais da minha capacidade profissional. Então, curti a Patricia por alguns meses, mas precisei ir embora. Durante anos, ela viveu na casa dos meus pais, e eu pedia notícias diárias por telefone. Voltava a Porto Alegre sempre que podia para que ela soubesse que meu comportamento não significava abandono, apenas nos encontramos em circunstâncias desfavoráveis. Pra mim; pra ti; pra nós duas, Patricia. Quando regressei definitivamente a Porto Alegre, Patricia havia acabado de completar 12 anos de idade. Ela sabia desde sempre, por mais de uma década, que pertencia a mim, e eu a ela. Aproveitamos nosso último ano com passeios em ritmo lento, com suas bochechas esbranquiçadas, com a fidelidade rara que só os animais conhecem. Ela partiu pouco tempo depois. Comemos um cheeseburger juntas no nosso último dia sentadas na grama do parque - e o bafo do queijo com mollho de catchup com maionese naquele pão ela sopra de quando em vez no meu nariz, durante a madrugada. Patricia desapareceu dos meus olhos, mas segue onipresente em cada minuto da minha vida. E eu tenho certeza que quando for a minha hora de cruzar a porta que leva para o outro lado da vida, ela estará lá, abanando o rabo e com o focinho rosinha para me buscar. #tbt. Porto Alegre, março de 1999
  • Minha irmã que criou. Minha irmã que me deu. Chato ter uma irmã assim, vai dizer?! 😜#convexoshoes #lojaconvexo #convexopoa #slipon #trendalert #animalprint