Gengibre, seu lindo! Tudo sobre a raiz com múltiplos benefícios terapêuticos

O gengibre pode fazer milagres pela nossa saúde – e acredite, pela nossa beleza também. Rico em ferro, cálcio, vitamina B6 e uma substância chamada gingerol (que possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatória e é responsável pelo sabor picante do gengibre). Trata-se de um delicioso condimento e eficaz remédio. Originário da Ásia, é uma raiz tuberosa usada tanto na culinária como na medicina oriental.

Confira seis benefícios incríveis do gengibre

Desintoxicante
O gengibre estimula as enzimas do fígado a trabalhar e eliminar toxinas.

Termogênico e ajuda a emagrecer
A raiz é capaz de aumentar em mais de 10% o gasto calórico do organismo durante a digestão. Tem a capacidade de aumentar a temperatura corporal, acelerando o metabolismo e aumentando a queima de gordura. Mas lembre-se que não existe milagre e o melhor é combinar o consumo de gengibre com prática regular de atividades físicas.

Alivia dores
Por possuir gingerol, é capaz de aliviar dores musculares, infecções respiratórias, dores de garganta, bronquite e tosse. Ou seja, aquele conselho de vó de consumir gengibre quando estiver resfriada funciona mesmo.

+MARI KALIL: A amiga diz que ganhou peso. E agora? Você responde o quê?

Auxilia na digestão de alimentos gordurosos
Funciona como um “protetor” de estômago e ajuda a tratar gases, má digestão e gastrite.

Combate a celulite
Sim, mulheres, o poder do gengibre se estende a combater os temidos e indesejados furinhos. Por conta de sua ação antiinflamatória, ele ajuda a manter a pele firme e lisinha.

Previne doenças
Por ser um anti-inflamatório natural, turbina a imunidade (prevenindo gripe, por exemplo) e pode evitar doenças cardiovasculares e diabetes.

gingerGENGIBRE CRU: CONSUMO DE DUAS COLHERES DE CHÁ POR DIA É INDICADO

Como consumir?
Uma dica preciosa da nutricionista Eliane Romantini é consumir o gengibre cru.

– Esse é o melhor jeito de aproveitar os benefícios e propriedades da raiz – garante. – O ideal é consumir diariamente o equivalente a duas colheres de chá de gengibre ralado.

Experimente colocar na salada, sucos naturais, frutas e até mesmo misturar com água. Fica uma delícia e ainda faz um bem danado.

Compartilhar
1 Comentário

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?