Jane Fonda: “Você precisa ter senso de humor e não se levar a sério para envelhecer bem”

Sempre admirei Jane Fonda e passei a admirar ainda mais quando ficamos eu e ela, a sós, no elevador de um hotel em São Paulo. Sabe elevadores com espelhos por todos os lados? Inclusive no teto? Pois é. Sabe a sua cara às 8h da manhã dentro de um elevador de hotel cheio de luzes e espelhos, inclusive no teto? Pois é. Me refiro à minha cara de bicho de pêssego, no caso. Não à de Jane Fonda.

Antes de ser bela aos 80 anos, ela é uma pessoa simples e simpática, que entra no elevador com um sorriso, olha nos olhos e dá “bom dia, como vai?”. Nos dirigíamos para o mesmo local, uma conferência em que ela falaria sobre a arte de envelhecer bem. Depois nos encontraríamos em uma entrevista coletiva, cujos principais trechos anotei tim tim por tim tim para postar aqui. Lições para a posteridade!

jane-fondaJANE FONDA, 80 ANOS: “Você precisa ter senso de humor e não se levar muito a sério para conseguir envelhecer bem”

“Quando você é jovem, não imagina que vai envelhecer. Uma das razões que me fizeram escrever meu livro (Jane Fonda – O Melhor Momento) foi para tentar mostrar que envelhecer não tem nada de assustador. Nos Estados Unidos, as pessoas têm pânico da velhice. E não há razão para ser assim. A terceira idade nos faz viver com mais qualidade e menos estresse, e o papel de quem chegou lá, como eu, é mostrar que grande e boa época da vida é esta.”

36176_“JANE FONDA – O MELHOR MOMENTO”
Leitura inspiradora em qualquer idade

“Minha maior dica de beleza é: mantenha-se curiosa pela vida. Se não há curiosidade, ou luz nos seus olhos, também não haverá beleza. Se você não sorri com os olhos, sua beleza de nada valerá. Mais importante do que ter beleza é ter atitude. E aprender a perdoar. Perdoar a você mesma, sempre. E perdoar os outros também”.

” Especialistas concordam comigo: o mais importante é manter-se fisicamente ativa. Da última vez que vim a São Paulo, em 1988, fiz jogging no Parque Ibirapuera. Hoje, não posso mais fazer isso, pois tenho uma prótese no joelho e outra no quadril. Mas não é isso que vai me tornar uma pessoa sedentária. Temos que buscar outras atividades, porque a atividade física ajuda o cérebro a não encolher.”

article-0-0F1EA4CF00000578-874_634x399A ATRIZ NA GRAVAÇÃO DE UM DVD DE EXERCÍCIOS
Atividade física constante para não encolher o cérebro

“O que você come também é muito importante. À medida que você envelhece, tudo o que você põe na boca tem que ser muito mais bem pensado e com um bom valor nutritivo. Você não tem mais a mesma capacidade de queimar calorias como antes. Por isso a importância de estar atento à alimentação. A qualidade daquilo que você coloca na boca torna-se muito mais importante ao envelhecer”.

Jane-Fonda-in-HarpersEDITORIAL PARA A REVISTA AMERICANA HARPERS BAZAAR

“Nunca tive pânico de envelhecer pelo simples fato de que nunca pensei que fosse chegar até aqui. Eu era muito infeliz quando jovem, todas as pessoas da minha família sofrem de depressão, minha mãe se matou com 42 anos de idade. Então, eu achava que minha vida não seria longa. Me dei conta de que havia chegado na terceira idade quando fiz 70 anos e pensei: ‘Uau, estou aqui e nunca estive tão feliz’”.

“A melhor hora de usar a reposição hormonal é na perimenopausa, quando se tem entre 45 e 55 anos. Pode ser algo muito útil, desde que tenha acompanhamento médico. Eu fiz reposição hormonal durante 20 anos, mas tive que parar no ano passado por conta de um câncer de mama. Hoje, eu uso testosterona. Testosterona é um hormônio masculino e faz toda a diferença na sua energia e na sua libido. Se uma mulher quer se manter ativa sexualmente, tem que buscar algum tipo de ajuda, como eu busquei. Compro a testosterona em forma de gel, esfrego na coxa… Uau!!!”

“Não tenho medo de envelhecer. Mas tenho medo de chegar ao fim da minha vida com lamentações. Não devemos deixar nada para depois, nada que faça com que a gente se despeça da vida com arrependimentos.”

jane-fonda-hboNO PAPEL DE UMA ALTA EXECUTIVA NO SERIADO “NEWSROOM” DA HBO

“Tenho um plano profissional ainda por realizar. Gostaria de fazer na televisão, que é um veículo muito mais democrático do que o cinema, um personagem parecido comigo. Gostaria de dar rosto a uma mulher mais velha que ainda vibra com a vida e que ainda é sexy. Seria uma forma de mostrar às pessoas que não há razão para ter medo da velhice. Gostaria de dar este rosto bom ao envelhecimento”

“Quanto eu invisto em beleza? Teve um ano em que investi o equivalente a um carro zero quilômetro. Já teve outro ano em que não investi nenhum centavo. Já fiz cirurgia plástica e não posso ser hipócrita em dizer que não. Mas foram coisas mínimas. Pedi ao meu médico que tirasse apenas as bolsas debaixo dos olhos e do pescoço, mas que não mexesse nas minhas rugas. Não pretendo jamais injetar aquelas coisas na boca ou no rosto. É muito, muito feio”.

Fica meu convite para acompanhar as novidades do site na página do Facebook (/marianakaliloficial) e meu perfil pessoal no Instagram (@mari_kalil)

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

8 Comentários
  1. Adorei a entrevista! Principalmente os conselhos de uma sábia e lindíssima mulher que sabe viver a vida de forma construtiva ao seu bem estar! Parabéns a você Mariana Kallil,bela reportagem! Tentarei seguir alguns conselhos no sentido de me relaxar mais diante aos inesperados problemas e me cuidar mais física,mental, alimentação e cuidar melhor da aparência!!

  2. Acho que ela está realizando esse sonho de fazer tv, com a série Grace e Frankie do Netflix. É uma serie sobre o cotidiano de 4 pessoas na terceira idade, muito boa e engraçada. Parabéns​ pelos ensinamentos que você anotou para dividir com as suas leitoras.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Estaremos te esperando, Chiquinho! Repost @chico_sperotto ♥️🐶🌞
  • • KARL LAGERFELD
10.09.1933 - 19.02.2019 🖤
•”Pense rosa. Mas não use".
•”Calça de moletom é sinal de fracasso. Você perdeu o controle sobre sua própria vida e comprou um moletom".
•”Eu acho tatuagem uma coisa horrorosa. É como viver o tempo todo em um vestido Pucci".
•”Meu maior luxo é não precisar me justificar para nenhuma pessoa.”
•”Gosto que tudo seja lavável. Eu mesmo, inclusive.”
•”Personalidade começa onde a comparação termina.”
•”As melhores coisas que fiz na minha vida, as vi nos meus sonhos. É por isso que tenho um caderno de rascunhos na minha cama.”
•”O politicamente correto, a preservação. Eu acho tudo isso extremamente chato.”
•”Coco Chanel jamais teria feito o que eu fiz. Ela teria odiado.”
•”Sou uma pessoa da moda e a moda não é somente sobre roupas. É sobre todos os tipos de mudança.”
•”Eu amo estar de passagem. Nasci em um porto, em Hamburgo. Então minha mãe disse: ‘É a porta do mundo, mas não é mais do que a porta. Portanto, já pra fora!’”.
#ripkarllagerfeld
  • - Dinda, entra no mar comigo?
- A dinda não gosta de mar gelado.
- Eu queria mergulhar com a dinda.
- Então a dinda vai te dar a maior prova de amor do mundo. E tu vai lembrar pra sempre, promete?
- Prometo, dinda.
E assim foi, e a lembrança eterna será de nós dois. #joaobenicio #amordadinda
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾 Detalhes no destaque do Stories
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻