Joelho de porco e outras histórias

Fui dormir tarde e acordei mais tarde do que devia. Fui jantar com um tio, um tio querido, aquele meu “pai paulista” para quem leu Vida Peregrina, tio Alec. Vira e mexe, tio Alec está em Porto Alegre para alguma reunião, vira e mexe, toda vez que vem, liga para a casa da mãe e avisa: “Estou chegando, fala para prepararem meu bife de fígado!”

Mulher blusa vermelha nao quero verE A MÃE FALA

Mulher blusa vermelha nao quero verE PREPARA

mulher vomitandoE NOS CONVIDA PARA JANTAR

Graças a Deus, de uns tempos pra cá (alguns meses, mas que parecem anos pela benfeitoria que tem feito ao meu paladar), tio Alec esqueceu (ou espero que tenha enjoado) do maldito do bife de fígado. Então, o cardápio começou a variar. Ontem, não teve cardápio doméstico nenhum, uma vez que fomos jantar com ele no Chopp Stübell, aqui mesmo, na rua da minha casa e da casa dos meus pais, a querida Quintino Bocaiuva.

chopp-stubel-6AQUI ADENTRAMOS

Chegamos meio atrasados, Chico e eu. Tio Alec sempre alegre e amante de vinho já tinha tomado quase uma garrafa de Casa Silva com o pai e pedia mais um chope para a mãe.
– Ela está me incomodando, e eu meto chope nela – dizia.
– Cuidado que só piora – divertia-se o pai.

Já tinham devorado uma porção de salsicha Bock.
Olha!

amp_20090313_174633COM MOSTRADA

A mostarda do Chopp Stübel é uma das mais ardidas de que se tem notícia na história recente de Porto Alegre. Mas vale a pena experimentar. Eu nunca tinha visto o restaurante tão lotado. Está ali há anos, na mesma esquina com a Fabrício Pillar, e é uma grata vizinhança a quem mora pela volta. Os garçons, mais antigos, todos engravatados de borboleta, me lembram o Bar Lagoa – durante dois anos em que morei no Rio, o bar era praticamente a cozinha do meu apartamento pela proximidade (e onde o pai adorava jantar joelho de porco quando ia me visitar).

– Já escolhemos nossos pratos – avisou o pai.
– O que pediram? – eu quis saber.
– Teu pai, imagina!? Teu pai pediu aquela coisa dele de sempre – disse a mãe.
– Não acredito, pai.

Mulher rezando loiraPOIS ERA VERDADE

Sem conseguir romper com a tradição de sua pedida cada vez que senta feliz em um restaurante alemão, meu pai pediu Eisbein in Bier. Traduzindo: joelho de porco, chucrute, batata vapor e raiz forte. Da série uma imagem vale mais do que mil palavras, o joelho de porco do pai.

foto-694ME ABSTENHO DE COMENTÁRIOS SOBRE O FATO DE ELE TER DEVORADO SOZINHO

Tio Alec e mãe dividiram um filé ao pivre com batata suíça. Chico e eu escolhemos o filé ao molho de mostarda e pedimos para trocar a batata no vapor pela batata suíça.
Olha!

20090306_175739Este é o filé, mas esta não é a batata que pedimos. Não tirei foto do nosso prato, esqueci. Peguei esta imagem do site do restaurante. Não vejo a menor graça em batata no vapor. Se é pra comer algo insosso, prefiro chuchu que engorda menos

Passada a comilança, duas garrafas de vinho e alguns chopes, eis que minha tia Chris Marcio Atalla Abbott adentra o recinto. O Chopp Stübell está para minha tia Chris como o bar Lagoa estava para mim nos meus tempos de Rio de Janeiro. Chris mora na frente do restaurante e quando chega muito podre em casa, com preguiça de qualquer coisa, se socorre na cozinha alemã do Chopp Stübel na companhia de Vilson, seu respectivo marido. Pois ambos adentraram o restaurante para comer uma das pedidas mais clássicas do lugar.

chopstubel9O sanduiche aberto com pão preto com lombo de porco, ovo, cebola, pepino e por aí vai. Peguei emprestada esta foto dos meus amigos Destemperados. Eles falam mais do Chopp Stübell aqui

Conversamos rapidinho com a Chris, o tempo suficiente para ela me contar que venceu o terceiro lugar no concurso “Cara de um, focinho de outro”. Sim a Chris foi convidada por uma pet shop para posar ao lado da Magrela, sua galgo. Não bastasse, tirou terceiro lugar na semelhança com seu animal. Desculpa, Chris, mas eu preciso mostrar a foto.

Senhoras e senhores, com vocês a cara de uma e o focinho da outra!

foto-696CHRIS & MAGRELA!

gargalhada assoprandoPPPPPPFFFFFFFFF

gargalhada CalvinHAAAAAAAAAAAAAHAHAHAHAHAHA!!!

Gargalhada Hahaha

Reparem de novo, por favor, no orgulho da Chris e na concentração da Magrela!

foto-696XIS!

gargalhadasHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!!

bento clássicaEU GOSTARIA DE PARTICIPAR DESSE CONCURSO

Tá falando sério, Bento?

bento clássicaSIM

Tu acha que a gente teria alguma chance?

 bento clássicaÉ SÓ TU COMPRAR UM COLAR DE MANO PRA TI

E eu estava terminando este post quando fui informada deste vídeo.
Olha!

Esta moça, Patricia Pirota, fala de Vida Peregrina.  E obviamente fique assistindo. E queria agradecer, Patricia. Muito obrigada por ter entendido tão bem o espírito do livro. Agora, fui para o meu mundo de polvilhos. Sim, só posso comer rosca de polvilho hoje por conta de um exame amanhã. Logo hoje, quarta-feira, dia de fechamento de Donna.

Mulher DoidissimaMAS VOU SOBREVIVER

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.
  1. Oi Mariana,
    Estou com seu pai e não abro!!! hahaha
    Foi o melhor prato de todos, amo Eisbein!! É muito bom…adoro comida alemã!!
    Ahhh e hoje tem mais Yulia LIPNITSKAYA!!!
    Beijinho pra vc e pro Bento!

  2. Oii, Mari.
    Eu sei que joelho de porco é algo “ARGH” e “ECA,” mas eu entendo o teu pai. Eu adoro comer joelho de porco feito junto com feijão. Procuro não pensar muito no que estou comendo e aproveito o sabor (sim, eu acho o sabor bom).
    Em Dois Irmãos tem o Restaurante Bierplatz. Lá servem um Eisbein bem famoso. Tem que encomendar com duas horas de antecedência (ver fone no site). É uma boa pedida dar uma passeada por lá qualquer dia e levar teus pais. E leva o Bento, pois tem um parque bem bonito na cidade.

    http://www.bierplatz.com.br

    Lindas e elegantes a Tia Chris e a Magrela. Hehehe

    Sobre o vídeo da Patrícia, gostei dos comentários.
    Também li teu livro dando risadas e chorando. Foi no hospital, jå te contei.

    Nossa, só comendo polvilhos…

    Beijo, boa sorte com os exames.

  3. Mariana:

    Concordo com o comentário da Patrícia sobre o teu livro, realmente ele é muito intenso, onde se chora e ri num piscar de olhos. Fiquei muito emocionada ao ler, me identificando em muitas situações. Como é bom ler sem vontade de parar! O teu livro desperta esse desejo! Parabéns também pelo blog, acho divertido pela forma verdadeira que tu te colocas!

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Penteados e escovados para a primeira de muitas noites de autógrafos de Vida Peregrina, que me levaria à lista dos livros mais vendidos do país e confirmaria Bentolino como um dos personagens mais importantes da minha existência como escritora. Seis anos hoje. Saudade, Xerife. ❤️🐶📘 #tbt #2013 #vidaperegrina #livromarikalil
  • Éramos uma família de bageenses morando no Rio e nossa família multiplicava-se com mais bageenses que chegavam no Carnaval. Tudo começava ao cair do sol com um primeiro chope para brindar a união e terminava com corpos ao mar pra curar o ressacão. Lembrança do nosso primeiro bailinho em que eu me retorci para entrar em uma fantasia de odalisca tamanho 14 comprada em uma loja infantil de Ipanema. É que ainda estava borracha da noite anterior. Borrachos entendem. 🍺
Casa da @renatabrasilvidal e do @marcelogoskes; Rio de Janeiro, Carnaval 2006. #tbt
  • Ter o privilégio de passar horas e horas conhecendo muitas das minhas perseguidoras faz a gente mais feliz. Ser recebida com carinho pelo @centrocarinaborges, que abriu suas portas para este momento tão especial de beleza e amizade faz a gente mais feliz. Poder oferecer a excelência dos produtos da @farmathuia para as amigas da Mari faz a gente mais feliz. Servir os melhores quitutes fit da @feeljoy.com.br e a delícia do capuccino proteico do @mundoverdeiguatemipoa faz a gente mais feliz. Rodopiar com um vestido de seda floral da @boutiquemariahelena capaz de traduzir com maestria meu estado de espírito faz a gente mais feliz. Felicidade é encontrar alegria na alegria dos outros; felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente. Obrigada a todas que hoje fizeram meu dia muito, muito mais feliz! ✨🙏🏻❤️
  • Quem nunca aplicou uma dessas?! 👆🏻
  • Me diga se pode existir desgraceira maior do que chegar ao vestiário de natação molhada em cima de um par de chinelos molhados, com o cabelo todo desgrenhado, com o rosto todo marcado dos óculos e ainda ter que pegar a sacola, botar a sacola em cima de um banco, abrir a sacola, retirar os saquinhos plásticos para guardar o maiô encharcado junto com a touca e o óculos, pegar a nécessaire, sair equilibrando toalha, xampu, sabonete e condicionador até o box, sempre pisando naquele chinelo nojento molhado, tomar banho na companhia de fios de cabelos de terceiros, recolher sabonete, condicionador e xampu, secar um por um com a toalha, se enrolar na tolha, voltar pingando até o armário em cima daquele chinelo nojento molhado, abrir o armário, abrir a sacola, guardar o xampu, o condicionador e o sabonete dentro da nécessaire, retirar o pente, desembaraçar o cabelo cuidando para não deixar fios caírem no chão, passar hidratante na volta dos olhos, sérum facial, creme com proteção solar, hidratante corporal, vestir a roupa toda amassada dentro da sacola, sentar no banco com o pé ainda molhado em cima daquele chinelo nojento com fio de cabelo de terceiros grudados na sola, secar dedinho por dedinho, colocar o sapato, secar o chinelo, ensacar o chinelo e terminar a maratona botando os bofes para fora do calorão que sai daquela quantidade de chuveiros quentes e secadores ligados. 
Me diga: pode existir desgraceira maior?!
  • Tenha coragem para as grandes adversidades da vida e paciência para as pequenas, e quando tiver cumprido laboriosamente sua tarefa diária vá dormir em paz. Deus está acordado. (Victor Hugo).