Julia Roberts descalça no red carpet: pelo fim da ditadura do salto alto!

De tudo o que se viu e se vê do Festival de Cannes até agora, palmas mesmo arrancou Julia Roberts de pés descalços no tapete vermelho. Usando um longo preto da grife Armani Privé e joias Chopard, a atriz de 48 anos chamou atenção ao tirar os sapatos para subir as escadas que dão acesso ao Palais des Festivals. Motivo: protesto pelo fato de que, no ano passado, algumas mulheres foram barradas da première do filme Carol por não estarem usando sapatos de salto.

Na época, a produtora Valeria Richter, que tem um pé parcialmente amputado, comentou sobre o episódio à emissora inglesa BBC. Disse que havia sido abordada algumas vezes no evento por estar calçando sapatos baixos.

julia-roberts-pode-tudo-a-atriz-quebrou-950x0-3JULIA ROBERTS: A linda mulher chamando atenção para uma causa que merece atenção

A polêmica sobre o uso de salto alto não está localizada no tapete vermelho do festival de cinema mais charmoso do mundo. Em Londres, o assunto tem gerado grande debate depois que uma recepcionista foi suspensa do trabalho por recusar-se a usar saltos altos, levantando debates sobre sexismo.

Nicola Thorp, de 27 anos, foi contratada em regime temporário na empresa PwC, e seus empregadores disseram que ela teria de usar sapatos com salto de “5 a 10 centímetros” de altura. Ela recusou-se, sob alegação de que os funcionários masculinos não tinham obrigações equivalentes. Foi mandada de volta para casa sem pagamento.

sapatilha-look-festa-ines-de-la--fressangeINES DE LA FRESSANGE: A mais elegante das francesas de sapatilha do tapete vermelho

Falou Nicola à emissora BBC:

– Disse a eles que consideraria (a exigência) justa se me explicassem por que usar sapatos sem salto prejudicaria a realização do meu trabalho, mas eles não me explicaram. Eles queriam que eu fizesse um turno de nove horas de pé levando clientes para salas de reuniões. Respondi que simplesmente não conseguiria fazer isso de salto alto.

Quando a britânica perguntou se a empresa esperava que algum homem fizesse o mesmo trabalho de saltos, disse que ouviu risadas.

Thorp afirmou também que entende o “direito (da empresa) de ter um código de vestimenta formal”, mas opinou que eles “devem refletir a sociedade, e hoje as mulheres podem ser elegantes e formais e usar sapatos sem salto. Além do fator debilitante, é uma questão de sexismo. Acho que as empresas não deveriam obrigar suas funcionárias a isso”.

Na galeria, a prova de que é possível desfilar bem-vestida e elegante sem alto!

Nesta semana, Nicola Thorp iniciou um abaixo-assinado pedindo mudanças na lei britânica, que dá aos empregadores o direito de demitir funcionários que não acatem códigos de vestuário “razoáveis”. Ela já conta com 20 mil assinaturas. Se o abaixo-assinado receber cem mil assinaturas, há uma chance de os parlamentares discutirem a questão.

– Saltos altos devem ser uma escolha, não uma exigência – defende.

No Canadá, outra polêmica em torno do salto provocou debate. Começou com uma foto dos pés ensanguentados de uma mulher, que viralizou rapidamente nas redes sociais. Ela é também inglesa e chama-se Nicola Gavins. O objetivo de postar a foto foi para retratar a situação encarada por uma amiga, que trabalha como garçonete em um restaurante em Edmonton, no Canadá.

pesPÉS ENSANGUENTADOS DE NICOLA GAVINS: resultado de horas de trabalho como garçonete

No post, ela deu detalhes sobre o ocorrido: “A política deles ainda é obrigar que as funcionárias usem saltos, a menos que haja restrição médica. Os pés da minha amiga sangraram a ponto de ela perder uma unha, mesmo assim foi repreendida pelo gerente por mudar o calçado. Eles são sexistas, possuem um pensamento arcaico e totalmente nojento”. A imagem foi compartilhada mais de 12 mil vezes.

A mais famosa de todas as fashionistas, a a atriz Sarah Jessica Parker, cuja Carrie Bradshaw, de “Sex and the City”, deu fama a Manolos e Louboutins, admitiu há cinco anos: “Eu destruí os meus pés com salto, não sinto mais nada neles”.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Penteados e escovados para a primeira de muitas noites de autógrafos de Vida Peregrina, que me levaria à lista dos livros mais vendidos do país e confirmaria Bentolino como um dos personagens mais importantes da minha existência como escritora. Seis anos hoje. Saudade, Xerife. ❤️🐶📘 #tbt #2013 #vidaperegrina #livromarikalil
  • Éramos uma família de bageenses morando no Rio e nossa família multiplicava-se com mais bageenses que chegavam no Carnaval. Tudo começava ao cair do sol com um primeiro chope para brindar a união e terminava com corpos ao mar pra curar o ressacão. Lembrança do nosso primeiro bailinho em que eu me retorci para entrar em uma fantasia de odalisca tamanho 14 comprada em uma loja infantil de Ipanema. É que ainda estava borracha da noite anterior. Borrachos entendem. 🍺
Casa da @renatabrasilvidal e do @marcelogoskes; Rio de Janeiro, Carnaval 2006. #tbt
  • Ter o privilégio de passar horas e horas conhecendo muitas das minhas perseguidoras faz a gente mais feliz. Ser recebida com carinho pelo @centrocarinaborges, que abriu suas portas para este momento tão especial de beleza e amizade faz a gente mais feliz. Poder oferecer a excelência dos produtos da @farmathuia para as amigas da Mari faz a gente mais feliz. Servir os melhores quitutes fit da @feeljoy.com.br e a delícia do capuccino proteico do @mundoverdeiguatemipoa faz a gente mais feliz. Rodopiar com um vestido de seda floral da @boutiquemariahelena capaz de traduzir com maestria meu estado de espírito faz a gente mais feliz. Felicidade é encontrar alegria na alegria dos outros; felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente. Obrigada a todas que hoje fizeram meu dia muito, muito mais feliz! ✨🙏🏻❤️
  • Quem nunca aplicou uma dessas?! 👆🏻
  • Me diga se pode existir desgraceira maior do que chegar ao vestiário de natação molhada em cima de um par de chinelos molhados, com o cabelo todo desgrenhado, com o rosto todo marcado dos óculos e ainda ter que pegar a sacola, botar a sacola em cima de um banco, abrir a sacola, retirar os saquinhos plásticos para guardar o maiô encharcado junto com a touca e o óculos, pegar a nécessaire, sair equilibrando toalha, xampu, sabonete e condicionador até o box, sempre pisando naquele chinelo nojento molhado, tomar banho na companhia de fios de cabelos de terceiros, recolher sabonete, condicionador e xampu, secar um por um com a toalha, se enrolar na tolha, voltar pingando até o armário em cima daquele chinelo nojento molhado, abrir o armário, abrir a sacola, guardar o xampu, o condicionador e o sabonete dentro da nécessaire, retirar o pente, desembaraçar o cabelo cuidando para não deixar fios caírem no chão, passar hidratante na volta dos olhos, sérum facial, creme com proteção solar, hidratante corporal, vestir a roupa toda amassada dentro da sacola, sentar no banco com o pé ainda molhado em cima daquele chinelo nojento com fio de cabelo de terceiros grudados na sola, secar dedinho por dedinho, colocar o sapato, secar o chinelo, ensacar o chinelo e terminar a maratona botando os bofes para fora do calorão que sai daquela quantidade de chuveiros quentes e secadores ligados. 
Me diga: pode existir desgraceira maior?!
  • Tenha coragem para as grandes adversidades da vida e paciência para as pequenas, e quando tiver cumprido laboriosamente sua tarefa diária vá dormir em paz. Deus está acordado. (Victor Hugo).