Lições sobre inteligência emocional para aprender com Divertida Mente

Vicente, meu adorado afilhado, veio me contar que havia assistindo ao longa de animação Divertida Mente. “E tu gostou?”, perguntei. “Adorei!”, ele respondeu. Vicente foi ao cinema com Nara, a vó – daí que eu fui saber da Nara que tal era a história. E daí que fiquei com muuuita vontade de assistir ao filme infantil. Porque a Nara me contou que trata-se de um filme para adultos também. E que ela adorou. “Sabia que alguns psicólogos e psiquiatras estão orientando os pacientes para que assistam?”, ela comentou.

Ainda não consegui ir ao cinema, mas Divertida Mente é o próximo da minha lista. Fui pesquisar mais sobre o filme, já que quase nada havia lido a respeito. A animação é produzida pela Pixar Animation Studios e distribuída pela Walt Disney Pictures e conta a história de Riley, uma garota de 11 anos que possui cinco emoções: Alegria, Medo, Raiva, Nojinho e Tristeza vivendo dentro de sua cabeça e a ajudam a lidar com as situações do cotidiano.

:A jornada de um neurocirurgião à vida após a morte

Quando uma confusão suga Tristeza e Alegria juntas com importantes lembranças da garota para as profundezas de sua cabeça, Raiva, Nojinho e Medo assumem o controle das ações – e a protagonista começa a se perder em suas atitudes e na forma de perceber o mundo ao seu redor.

Divertida+Mente-4 MUITO PRAZER, SOU RILEY

 A inteligência emocional (IE), habilidade de integrar sentimentos e pensamentos com o objetivo de otimizar decisões, está presente no filme em diversos momentos. Daí que achei tão interessante ouvir o que a coach Ana Paula Aquilino tem a dizer sobre as seis lições a respeito de inteligência emocional que podemos aprender com o filme. Ana Paula conta que o filme ilustra de forma didática e lúdica a IE: “Se a integração dos sentimentos é abalada, a pessoa pode ter um desequilíbrio e agir de maneira equivocada em determinadas situações. Ou seja, quando duas emoções da menina se perdem, todas as outras se desestabilizam”, observa.

woman-yelling-istock-de20QUAIS SÃO AS SEIS LIÇÕES, MARIANA?

1) As emoções direcionam as decisões.
A protagonista possui dentro da cabeça um painel de comando, no qual suas emoções controlam sua maneira de enxergar a vida e suas ações. Na vida real, não é diferente: todas as decisões e ações de um indivíduo passam antes pelo ‘controle’ de suas emoções e sentimentos.

2) Ignorar nossas emoções é ignorar o que somos.
Riley tem as chamadas “ilhas de personalidade”, baseadas em lembranças emocionais. As ilhas apresentam memórias chave que moldaram, de alguma forma, a personalidade da protagonista. Na ausência da Alegria e da Tristeza, a menina começa a agir de forma descontrolada quando é guiada pelas outras emoções. Percebe-se que a personagem está, cada vez mais, perdendo conexões com seu passado, o que abala sua maneira de ser.

Pixar-Post-Inside-Out-Trailer-Songs

3) Todas as emoções são importantes
Quem comanda Riley, num primeiro momento, é a Alegria. Após fugir de casa, guiada pela raiva, a menina fica confusa em suas decisões. Entretanto, quando ela volta para casa, quem assume os controles de forma muito positiva é a Tristeza. Embora pouco agradável, percebemos nesse momento, que não existem emoções negativas: todas cuidam de nós. Cada uma tem seu papel importante e, aprender a lidar com todas, é essencial.

4) A Empatia vem da Tristeza.
Em certo momento, o amigo imaginário Bing Bong está muito triste, chorando. Por mais que a Alegria tente, não consegue animá-lo. Ele só melhora com a presença da Tristeza, que se coloca de maneira empática. A Empatia consiste em nos colocarmos no lugar do outro, tendo a experiência das emoções pela qual ele está passando. Só a Tristeza conseguiria fazer isso, afinal a Alegria não sabe se colocar na situação de alguém que está triste, querendo apenas animá-lo de maneira superficial e ineficaz.

divertida-mente-still

5) Não se apegue ou desapegue das memórias, apenas aprenda com elas.
Riley é muito apegada ao seu passado em Minnesota e, por isso, acaba perdendo o controle emocional. As memórias boas e ruins sempre existiram e sempre existirão, portanto é extremamente necessário que se tenha um aprendizado com elas. Não se trata de fingir que uma lembrança ruim não aconteceu ou que uma memória boa deve prevalecer sempre, mas sim de criar novas experiências boas com base no aprendizado adquirido.

6) A complexidade é inevitável.
Quando Riley nasce, o painel de controle de suas emoções tem apenas um botão. Conforme a menina cresce, esses controles também aumentam e ficam mais sofisticados em suas funções, ou seja, assim como na vida real, as pessoas caminham para a uma maior complexidade no entendimento de suas emoções, que ficam cada vez mais elaboradas.

Um play no trailer!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • A primeira vez com chapinha a gente nunca esquece! #coisasdethayla #figurinoband #bandmulher #poatwentyforseven #tudotemumaprimeiravez
  • “Embarcar em uma primeira vez é uma viagem de risco, sem dúvida. Mas não existe certeza maior de que a vida é feita de constantes estreias, ainda que às vezes um bocado atrapalhadas. E teria graça se não fosse assim?” 😉 #felizsemana #novasestreias #tudotemaprimeiravez #livromarikalil
  • A palavra Páscoa (pascae em latim; pésaj em hebraico) significa PASSO. No caso dos judeus, representa a passagem do Mar Vermelho, ou seja, o PASSO da escravidão para a liberdade. Os católicos comemoram a ressurreição de Cristo, isto é, o PASSO da morte para a vida eterna. 
Por isso, nesta Páscoa, desejo de coração que todos nós demos o PASSO. O PASSO que nos faça passar da indiferença à solidariedade; da queixa à busca de soluções; da desconfiança ao abraço sincero; do medo à coragem de voltar a apostar no amor, de recolher as amarguras e recomeçar. Da autosuficiência à compartilhar fracassos e êxitos; de fazer as pazes com nosso passado para que não arruine nosso presente -  e de saber, sobretudo, que nada serve ser luz se não nos propusermos a iluminar o caminho de alguém. Feliz Páscoa!
Feliz PASSO! ♥️🙌🏻✨🐰
  • Blindagem & Proteção ✨🙌🏻🙏🏻
  • Uma irmã é mais do que uma amiga; um vínculo inquebrantável muito além do familiar; uma conexão emocional, biológica e de intimidade tão exclusiva. Aliada nas grandes e pequenas batalhas, o pilar do cotidiano. Para alguns, a metade do nosso coração. Para mim, meu coração inteiro. Minha irmã, minha cúmplice, fiel escudeira. Minha alma gêmea, minha companheira de tantas jornadas. Te amo, maninha @luciakalil #tbt #amordeirmã ♥️ Punta del Este, fevereiro de 2019.
  • “Amo as pessoas que me fazem rir. Sinceramente, acho que é a coisa que mais gosto: rir. Cura uma infinidade de males. É provavelmente a maior virtude de uma pessoa.” Audrey Hepburn ♥️ #FigurinoBandMulher #jeans #poatwentyforseven