Mari apresenta e explica “Army n’Love, a coleção inteligente de outono da Twenty Four Seven

As roupas são inevitáveis. Elas são nada menos do que a mobília de sua mente que se torna visível“.

Assim já escrevia o artista plástico e escritor inglês James Laver (1899-1975). A cada mudança de estação, as roupas inevitáveis ganham novas texturas, cores, comprimentos, tecidos, estampas. Ganham novas coleções. No caso da Twenty Four Seven, coleções inteligentes. O que é uma coleção inteligente? É aquela coleção criada com o propósito de que suas peças passeiem entre elas o tempo todo, possibilitando vários mix de produtos e múltiplos looks. No caso da Twenty Four Seven, looks com viés clássico na qualidade da matéria prima e nos acabamentos. Tem-se, então, o guarda-roupa de uma mulher sofisticada, dinâmica, simples e chique.

Faço esta premissa para apresentar o espírito da coleção de outono 2018 intitulada Army n’Love, que venho acompanhando de perto há alguns meses e que chega neste 20 de fevereiro à loja do Shopping Iguatemi em Porto Alegre. Linda e funcional como ela só.

Dá o play no vídeo protagonizado pela top Renata Kuerten!

A coleção Army n’Love pegou carona na releitura do estilo militar, de uma maneira leve e cheia de frescor. Há toda uma atmosfera feminina e detalhes que compõem este estilo, como rendas, bordados e aplicações de metais. O que achei super inteligente e interessante nesta tendência militar interpretada pela Twenty Four Seven foi a ideia de usar estampas com elementos da natureza alusivas ao estilo militar. O nada óbvio que faz toda a diferença.

Off white, nude, tijolo, berinjela, cabernet, preto, diferentes tons de verde, cinza e marinho vestem as “soldiers of fashion” em parceria com o camuflado clássico que não poderia ficar de fora.

Dá uma espiada!

posts_lookbook_outono1837Modelagem up to date na calça clochard de seda lavada, casaqueto de tweed com interferência de metais e camisa de seda lavada branca

posts_lookbook_outono1836posts_lookbook_outono1835posts_lookbook_outono1834Look quentinho e confortável com capa de tricô usada com camisa de seda e legging de malha e couro ecológico

posts_lookbook_outono1833posts_lookbook_outono1846Leveza e fluidez na seda com elementos românticos tanto na renda quanto na estampa. O cinto de couro com fivela de metal quebra o romantismo

posts_lookbook_outono1832posts_lookbook_outono1831Jaqueta biker bordada à mão e calça utilitária slim fit dão o tom ainda mais militar quando usadas com scarpin de camurça

posts_lookbook_outono1829A estampa floral na paleta de cores faz as vezes do camuflado e sinaliza de forma nada óbvia a tendência militar

posts_lookbook_outono1816posts_lookbook_outono1815posts_lookbook_outono1828posts_lookbook_outono1827Saia de sarja e renda e blusa de malha com super bordado nos ombros usam e abusam do militarismo, mas têm acento super feminino

posts_lookbook_outono1826posts_lookbook_outono1824posts_lookbook_outono1823A leveza da regata de seda e a saia de chamois se encontram na tendência militar

posts_lookbook_outono1822

As modelagens são diversas. Há desde o corte de alfaiataria clássica (aliás, a alfaiataria é tendência fortíssima na estação), passando por peças utilitárias, desconstruídas e oversizeds em tons atemporais. Xadrez é outra presença marcante na temporada, e a possibilidade de construir conjuntos e desconstrui-los com outras peças do guarda-roupa é que tornam a coleção tão inteligente.

Olha só!

posts_lookbook_outono1821posts_lookbook_outono1820posts_lookbook_outono18Mangas mais compridas da camisa e super decote dão o ar de modernidade. O tom berinjela da camisa de seda lavada faz parceria com o casaqueto de tweed xadrez e passeia em qualquer horário e compromisso com a calça de alfaiataria

posts_lookbook_outono183A saia de tweed xadrez pode ser usada em total look com o casaqueto ou assim, com alfaiataria e jeans

posts_lookbook_outono1819Dois clássicos revisitados: wrap de malha e mantela de tricô. O cinza e o cabernet se encontram com os cintos cruzados de pelo de onça e camurça com metal

posts_lookbook_outono186Jogo de listras diferenciada e a combinação eterna de preto e branco com alfaiataria risca de giz em um visual em que volume e peso se contrapõem lindamente

posts_lookbook_outono1858Calça pantalona de alfaiataria de cintura alta e pregas frontais usada com body de lingerie. Tendência do feminino elevado ao máximo da sofisticação

Outro hit são as calças clochard com cintura mais alta. Casacos e pelerines em cortes clássicos e mais pesados, babados sutis propostos de uma maneira diferente em calças, saias e vestidos deixam tudo muito feminino.

Continue reparando como os looks oferecem a possibilidade de compor “peça sobre peça” de forma inteligente – uma maneira encontrada pela Twenty Four Seven de atender esta mulher 24×7, non stop, que vai do trabalho para a festa, misturando tecidos pesados, como lã, pele e sarjas, aos mais leves e fluídos em um contraponto muito sofisticado e elegante.

posts_lookbook_outono182Look total monocromático é tendência que permanece e se estenderá pelas próximas estações. repare na mistura de pesos e matérias primas na mesma produção: o tricô felpudo e a transparência da renda

posts_lookbook_outono188 posts_lookbook_outono187Túnica de lurex sobrepõe a saia de ruffles de seda lavada e o cinto de metal na cintura deixa o look ainda mais bacana

posts_lookbook_outono185posts_lookbook_outono184posts_lookbook_outono1812Vestido de moletom usado com camisa de alfaiataria. Simples, comfy e chique!

posts_lookbook_outono1867posts_lookbook_outono1866Calça ruffles com renda na lateral usada com regata de seda e cinto obi marcando a cintura altaposts_lookbook_outono1861 posts_lookbook_outono1859posts_lookbook_outono1852

Se quiser conhecer melhor a história da Twenty Four Seven, a loja de Porto Alegre e também coleções que fizeram outros invernos e verões, deixo aqui links de posts que escrevi.

+ Twenty Four Seven abre as portas em POA para vestir a mulher da vida real
+ Por que o verão da Twenty Four Seven veste nosso corpo mas também a nossa alma

TWENTY FOUR SEVEN em POA
Shopping Iguatemi
Rua João Wallig, 1800, segundo piso, em frente à C&A
Tel. (51) 3334-7591
WhatsApp: (51) 99814-8458
Facebook: https://www.facebook.com/tfseven/
Instagram @twentyfourseven.poa

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

1 Comentário

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • VENEZUELA LIVRE! #VenezuelaBrasilTeAcompana #VenezuelaGritaLibertad #venezuelalibre #venezuelagritalibertad #23ecallehastaquesevaya #23enero2019
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda