Posturas de yoga para aliviar as dores e a ressaca das comemorações de fim de ano

Meu bem-estar físico e mental não existe sem yoga e lá se vão 16 anos de prática. Quando estou na rotina de Porto Alegre durante o ano, pratico diariamente no quarto especial que tenho em casa. Aqui, de férias no Uruguai e em plenas festas de fim de ano, com a casa cheia, entra e sai constante, criança, cachorro, periquito e papagaio, torna-se uma missão quase impossível. Ainda assim, consegui estender meu tapetinho algumas vezes.

As posturas de yoga tratam órgãos específicos do corpo e em tempo de comemorações,  em que a gente sempre beberica alguma coisa a mais, achei interessante dividir com vocês três posturas que aliviam muito as dores provenientes daquela ressaquinha que sempre chega, seja pela bebida ou pelo cansaço. Não precisa ser praticante de yoga para fazê-las. Basta seguir as instruções.

Espia só!

ioga-1UTTANASANA
Pernas esticadas e flexão do corpo para frente. Caso não consiga tocar o chão, pode flexionar os joelhos até alcançar. Relaxe completamente o pescoço, deixe ele cair bem soltinho e vá sentindo como a respiração ajuda a ir relaxando o corpo mais e mais em direção ao chão, descongestionando a cabeça. Esta postura estimula as funções metabólicas do fígado e dos rins, alivia a dor de cabeça e a insônia e reduz a fadiga e a ansiedade

ioga2PRASARITA PADOTTANASANA
Divida o peso do corpo em ambos os pés. Se conseguir tocar a cabeça no chão, melhor. Caso contrário, deixe o pescoço bem frouxo, como na postura anterior. Se a cabeça tocar no chão, tenha cuidado para não depositar peso sobre ela. A cabeça é só um ponto de contato com o solo. É permitido colocar uma manta ou uma almofadinha, se ficar mais confortável. Essa postura contribui para revitalizar a mente, fortalece as pernas e a coluna e é de grande ajuda para suportar o fatídico dia seguinte.

ioga3MATSYASANA
Também conhecida como a postura do peixe, promove uma abertura do peito e da garganta. Como na postura anterior, a cabeça é só ponto de contato, não jogue peso sobre ela. Todo o peso fica apoiado nos cotovelos e antebraços atrás das costas. Alivia muito maxilares, tira a tensão do pescoço.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?
  • Abdominal, substantivo masculino. Preguiça, substantivo feminino. #chico #gorda
  • Observe os seus pensamentos, eles se transformam em palavras. Observe suas palavras, elas se transformam em ações. Observe suas ações, elas viram seus hábitos. Observe seus hábitos, pois eles se transformam em seu caráter. Observe seu caráter, pois ele se torna o seu destino. 🙌🏻♥️🙏🏻 Lao Tzu, filósofo e escritor da Antiga China, fundador do taoismo filosófico e religioso.
  • “Nunca estou mais acompanhado do que quando estou sozinho.” Carlos Drummond de Andrade. 🙌🏻
  • Durante anos e anos e anos que somam mais de uma década, essa foi nossa história: de aeroportos em aeroportos, nos mudamos 12 vezes de casa. Cruzamos estados, fronteiras, oceanos. Como escreveu Machado de Assis, “felizes os cães, que pelo faro descobrem os amigos”. Feliz de mim, que pelo faro também te descobri, Bentolino. E lá se vão 18 anos de jornada. 🙌🏻🐶♥️ Rio de Janeiro, 2012. #tbt #bento #xerife #companheirodejornada