Por que temos o hábito de esquecer o nome das pessoas com tanta facilidade?

Sou péssima fisionomista e esta característica já me rendeu muita fama de esnobe por aí. “Poxa, a Mariana passa pela gente na rua e não cumprimenta!”. Não foi uma nem duas vezes que ouvi esta frase de alguém chateado comigo. Me sinto malíssima, pois se tem coisa que jamais fiz ou farei é deixar de cumprimentar um conhecido, de preferência com um ensolarado sorriso, a menos que seja algum desafeto passível de virar a cara. Sim, eu me dou o direito de não cumprimentar (ou sequer enxergar em um mesmo ambiente) pessoas que já me fizeram mal. Por sorte, elas não preenchem os dedos de uma única mão.

Além de péssima fisionomista, também não me dou bem com nomes. Já fui aquele tipo de pessoa capaz de esquecer, no segundo seguinte, o nome da vivente para quem fui apresentada. Um horror! Jamais lidei bem com isso e, para evitar essa descortesia, desenvolvi algumas técnicas que ajudam bastante. Em primeiro lugar, passei a me concentrar muito mais no momento da apresentação.

Pode parecer bobagem, mas pesquisas apontam que, geralmente, quando somos apresentados a uma pessoa, nossa atenção não está definida a 100% em ouvir seu nome. Estamos à procura de outras coisas, como apertar a mão, oferecer os dois beijos de cortesia… Nosso cérebro está aguardando uma série de estímulos e preocupações internas, de modo que a memória auditiva fica em segundo plano.

Justamente por ter a memória auditiva em segundo plano, outra técnica que desenvolvi e ajuda muito é repetir o nome da pessoa em voz alta. “Oi, Daniela! Muito prazer”. Se a conversa se estender, busco falar o nome mais uma ou duas vezes entre um diálogo e outro. Na hora da despedida, repito de novo. “Tiau, Daniela. Foi um prazer te conhecer”.

bento1124ALÉM DE ESNOBE E ESQUECIDA, PASSA POR LOUCA

A memória humana é muito boa em coisas, como rostos e informações de fatos que se ligam bem a outros dados que a gente já conhece, diz Paul Reber, professor de psicologia da Universidade de Northwestern. “Por isso, é muito mais fácil lembrar da senhora loira que vende salgados do que se recordar do nome da mulher, mesmo que você já tenha ouvido falar uma ou duas vezes”, exemplifica

Richard Harris, professor de psicologia na Universidade do Estado de Kansas, explicou ao jornal científico Science Daily: “Muitas vezes, não se trata da capacidade do cérebro de lembrar nomes, mas do nível de interesse da pessoa em recordá-los. Todo mundo tem uma memória muito boa para alguma coisa. Será que o nome realmente lhe interessa?”.

giphy-1_26

O cérebro tem dois tipos de memória, a de longo e a de curto prazo. Na memória de curto prazo, para gravar algo, o cérebro faz conexões entre alguns neurônios. O problema é que, quando aparece uma nova informação, o cérebro cria novas conexões, e as anteriores são enfraquecidas. Ao lembrar de uma coisa, você esquece de outra. Não sou eu que estou afirmando. Trata-se da conclusão de um estudo feito na Universidade de Sheffield, na Inglaterra. Portanto, saiba que, quando aquele refrão de música chiclete colar na sua mente, você pode estar deixado de lado coisa bem mais importante.

gif

Há também a questão material envolvendo toda essa celeuma. Pesquisa realizada em universidades americanas no início dos anos 2000 mostrou que pessoas que ganhavam US$ 5 no dia seguinte se lembrassem de uma série de objetos e cenas tinham um índice de acerto muito acima das que não ganhavam nada. Ou seja, talvez você não lembre do nome daquela pessoa porque, consciente ou inconscientemente, pense que não vai ganhar nada com isso.

5q2xCOISA FEIA….

Para o festejado neurocientista Ivan Izquierdo, esquecer o nome das pessoas não é falta social grave e pode ser disfarçado ou até mesmo confessado. “Esquecer faz parte de uma memória saudável”, avisa ele. E como fazer para apresentar um conhecido a uma pessoa cujo nome esquecemos? Tenho uma tática que, confesso, nem sempre dá certo, mas já me tirou de algumas saias justas.

– Gostaria de te apresentar o Carlos Eduardo, mas queria lembrar teu nome completo, só que o sobrenome simplesmente me fugiu… – saio dizendo.

Se as leis de Murphy não estiverem sobrevoando minha cabeça neste dia, normalmente a pessoa responderá o nome completo. Se falar apenas o sobrenome, já saí ganhando mesmo assim, afinal de contas, o ato da apresentação foi realizado sem maiores percalços. Ah, e tem vezes em que já parto para a sinceridade única e irrestrita: “Desculpa, me deu um branco. Qual é teu nome mesmo?”.

Não vai tirar pedaço, vai dizer?

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

5 Comentários
  1. Muito bom o texto, porque lembro dos detalhes das coisas ,mas sou péssima fisionomista , passo por antepatica , meu filho passa dizendo , já deu o “alemão” de novo , esqueceu kkk bjs ❤

  2. Mari:
    Amei o texto!
    Até, pq sou “expert” neste feito…. pago cada mico…
    Logo, empatizo integralmente com teus sentimentos!
    Contudo, tenho dois atenuantes -q os uso sem contrangimento: não sou tão jovem, e ainda sou loira( neste caso, me valho do injusto, porém amplo, preconceito). Ao firmular a pergunta fatidica do “ desculpa, mas esqueci seu nome”, me basta a esta preceder com meus dois -incostestes-atenuantes! Funciona sempre!!! Bjus e bom findi! Paula

  3. Acontece comigo a mesma coisa…procuro associar o nome da pessoa que me é apresentada a outra com mesmo nome que conheço…ai me lembro da outra e lembro o nome…ou por exemplo…se o nome lembra algo…conheci uma pessoa que se chama Oceano…lembro do mar e lembro o nome…

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • “Hello, doctor Renato! Good morning and good news! Doctor Guy can receive us the coming monday at Sheba Medical Center. The cells grew very well, they are approved for protocol in Israel”. ✨✨✨
Não perca, nunca perca, jamais perca tua força, tua coragem, tua fé.
  • O amor e o carinho de todos vocês, perseguidoras e perseguidores, me impulsiona como uma malabarista que voa pelo céu encantado em seu trapézio mágico. O amor e o carinho da minha família e amigos é o que me mantém firme e forte até aqui, com desequilíbrios e tropeços, sim. Mas com muito aprendizado. Não foram dias fáceis, não tem sido nada fácil e tampouco será daqui por diante. Mas, com fé, força e coragem, chegará o dia em que vamos emergir juntos lá do fundo desta tempestade - e então bastarão algumas braçadas e já estaremos do outro lado da margem deste mar revolto. O lado da cura. Amanhã, já posso voltar a comer batatinha em casa. E vamos em frente. 💪🏻 #bepositive
  • A dinda vai cair e levantar quantas vezes forem necessárias para te ver crescer e florescer em um mundo lindo de rosas amarelas, meu pequeno Johnny. 💛
  • Mais uma etapa vencida; mais três corações explodindo de felicidade de voltar pra casa. Em frente. 👊🏻 #bepositive
  • Uma ideia criativa de servir pão (vou imitar) y otras delícias do Bell Café: couve-flor, kebab e húmus (sempre ele!). #telavivfood 😋
  • Se você não vem comigo, nada disso tem valor. De que vale o paraíso sem amor? Se você não vem comigo, tudo isso vai ficar. No horizonte esperando por nós dois.