Por que vivemos da arte (e da mania!!!) de deixar tudo para depois?

Sentei no meio da semana para escrever a coluna – e nada. Nada. Preguiça do cão de raciocinar. Então, resolvi não forçar. Resolvi fazer outra coisa não menos útil como, por exemplo, buscar meu exame de RX de tórax que estava pronto havia 15 dias. Por que as pessoas (no caso, eu) demoram tanto para buscar o resultado de seus exames? Por quê? E o que acontece? Fico com aquele papel de retirada grudado na geladeira me olhando todos os dias de manhã.

Passo dias, semanas, às vezes até um mês incomodada que estou em débito, que preciso buscar o exame, que o médico está esperando… E não tomo uma providência. Por que passar por essa provação, me diz? Se é tão fácil pegar os dois pés, ou o carro, ou o ônibus, ou a lotação, ou a bicicleta e ir ali buscar o exame e entregar para o médico?

Pior ainda são os exames de sangue. Esses não têm explicação. Querem um exemplo? Faz exatamente SEIS MESES que uma requisição para exames de sangue está me olhando, grudada no meu mural aqui no escritório. Cada vez que levanto para buscar água, fazer um café, cada vez que levanto para fazer qualquer coisa, dou de cara com a requisição. Estou há nada menos do que SEIS MESES olhando para essa requisição e me chicoteando por não tomar a providência de acordar e ir até a Unimed mais próxima tirar sangue. Então, vocês me perguntam: mas qual o impedimento, Mariana? Não sei!

bento balao

Eu sei o que é: o problema do jejum. Para fazer exame de sangue, a gente tem que estar em jejum, certo? Certo! Daí eu acordo de manhã e quero tomar meu café, não quero sair correndo de barriga vazia para tirar sangue. Daí eu fico dizendo a mim mesma “amanhã eu vou, amanhã eu vou, amanhã eu vou”. Acontece que eu nunca vou – e o que era um simples papel verde com uns exames prescritos acaba virando um bicho de sete cabeças. Eu chego a ter pesadelos com o tal dos exames.

Então, naquele dia da semana, ao não conseguir escrever e resolver fazer algo tão útil quanto, ao sair de casa para buscar o resultado do meu Raio X de Tórax, resolvi levar junto a requisição dos exames de sangue. Foi a mão divina de Deus! Cheguei na Unimed ali do Shopping Total, entreguei o papel, peguei o resultado do Raio X de Tórax e tive o bom senso de mostrar a requisição dos exames de sangue e perguntar quantas horas de jejum eu precisaria para realizá-los. “Óbvio que 12 horas”, pensei.

– Quatro horas – a atendente respondeu.
– Hein?
– Quatro horas de jejum e a senhora pode realizar os exames.

louca balao1

louca balao2

louca balao

Eu passei SEIS MESES me enrolando para fazer o maldito exame de sangue achando que precisava de um jejum de doze horas, posterguei durante meio ano a realização do maldito exame porque não podia viver sem meu café preto matinal, então, um belo dia, eu resolvo que não estou inspirada para escrever, tomo tranquilamente o meu café, vou buscar o resultado de um Raio X de tórax e recebo a informação de que já poderia ter feito esse maldito exame há muito tempo – e com café da manhã devidamente tomado!

Naquele momento da informação, eu estava com duas horas de jejum. Então, peguei o resultado do Raio X de tórax, levei ao consultório do médico, fui ao Iguatemi comprar um presente de aniversário, encontrei próximo ao banheiro do shopping aquelas poltronas de massagem que sonho ter na minha casa um dia, depositei três notas de R$ 5 na poltrona, fiquei babando durante 15 minutos, enquanto aquelas bolas duras do encosto da poltrona passeavam pela tensão das minhas costas, ombros e pescoço, levantei da poltrona vendo estrelas, voltei para o estacionamento do shopping, peguei o carro de volta sem comprar o presente, só lembrei que havia ido ao shopping exclusivamente para comprar o presente que havia esquecido quando já estava chegando na Unimed, tirei sangue e o resultado fica pronto amanhã.

Em menos de quatro horas eu resolvi um problema postergado durante SEIS MESES! E descobri que sou uma procrastinadora. Procrastinadores são aquelas pessoas que deixam tudo para depois, sabe assim? Aqui em casa, um dos meus apelido, dado pelo meu querido e amável marido, é “Doppo”- depois, em italiano.

Encontrei na revista SuperInteressante, cinco dicas para os procrastinadores. Se você faz parte da minha turma, vejá só: há luz no fim do túnel. Podemos nos tornar seres humanos melhores e menos ansiosos por nada. Olha só!

1. APRENDA A DIZER NÃO
Assumir um compromisso ou uma tarefa pretensiosa e deixar de cumpri-la pode ser pior do que deixar suas limitações claras desde o início.

2. NÃO AGENDE, RESOLVA JÁ
A procrastinação se alimenta de tagarelismo mental. Quando você está enrolando, geralmente diz para si mesmo: “deveria estar trabalhando, sou um preguiçoso”. Melhor cortar esses pensamentos e iniciar a tarefa imediatamente.

3. CONCENTRE-SE
Toda vez que se desconcentrar, evite lutar contra si próprio. Se escapou da tarefa, reconheça o fato e dirija sua atenção novamente ao trabalho. No computador, desative a opção de entrar automaticamente em sites como o Facebook. Faça a tarefa e, quando tiver um tempo, fique uma meia hora batendo papo.

4. VEJA O LADO BOM
Mesmo tarefas chatas têm seu lado divertido – lavar a louça, por exemplo, é um tempo em que podemos até meditar. Concentre-se no que a tarefa tem de legal, que, assim, fica mais fácil encará-la.

5. NÃO TENHA MEDO DE ERRAR
Muitos procrastinam porque exigem tanto de si próprios numa tarefa que acabam com medo de enfrentá-la. O melhor é ter consciência de suas limitações e habilidades para o trabalho.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

4 Comentários
  1. Amore, também andei lendo sobre isso ultimamente, pois esse assunto para uma mestranda é beeeeeem recorrente, AFFE! Li que procrastinação tem a ver com a nossa necessidade de recompensas rápidas. Tipo, tu te amarra pra começar a academia pq sabe que os benefícios de melhorar a saúde, ficar mais bonita e tal, só virão com o tempo, e não pra ontem. Então a psicóloga ensinava a pensar nessas atividades de forma positiva, e se dar recompensas por tê-las feito. Como por exemplo tu fez com a cadeira de massagem. Tu para de enrolar em algo e ganha mais tempo para relaxar. Tô focando assim, e tem me ajudado. Quanto antes eu terminar meus artigos, mais tempo para ler meus livros amados eu vou ter. Tenta aí e me conta. Bjão

  2. Vamos fazer um grupo de apoio. rsrsrsrs. Falando sério, a procrastinação também vem do fato de não termos a motivação suficiente (ou adequada) para aquela tarefa. Ela é mais isso mesmo – tarefa – do que prazer. Talvez daí, também, a demora em realizar. Quem nunca acabou cumprindo algo justamente para se livrar, e não por satisfação em realizar, não é ?

  3. Me identifiquei demais!!! No caso do exame de sangue, cheguei a rir sozinha! Quando levo os resultados ao médico, ele chega a dar uma risadinha meio debochada “acha que ainda quero ver isso?”, tamanho o tempo que já se passou. Mas o jejum 12 h é um grande vilão! Não apenas quando levanta e PRECISA do coffee, mas na maioria das noites eu esquecia que deverria parar de “consumir” qualquer coisa e dava aquela passada geral na cozinha antes de deitar. Aí Sim! Se vc tomou um chá as 23h50, ferrou!
    Mas, pessoas que vivem o oposto tb não me agradam, viste? Convivo com gente que quer fazer tudo AGORA, acho isso um porre, tudo sempre adiantado. Essas, já devem agora, neste momento, estarem montando suas árvores natalinas. Porque ao contrário da procrastinação, viver ansiosamente e sempre no futuro, não é nada legal. Callllmaaaa, tem Halloween antes do Natal! Não precisa antecipar nada. Nem os exames de sangue. Difícil é equilibrar.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • VENEZUELA LIVRE! #VenezuelaBrasilTeAcompana #VenezuelaGritaLibertad #venezuelalibre #venezuelagritalibertad #23ecallehastaquesevaya #23enero2019
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda