Se eu sou hipocondríaca, é porque de perto ninguém é normal

Tive no fim de semana uma das piores dores de cabeça que já experimentei na vida. Não tenho muita paciência para dor, portanto, ao primeiro sinal da chegada de qualquer coisa parecida, me entupo de remédios. Minha irmã me condena. Diz que eu preciso aprender a aguentar, a respirar fundo e a tentar ver se a dor vai passar para só depois abrir a nécessaire de medicamentos. Porque não é com ela. No sábado de tarde, parecia que meu cérebro era maior do que a cabeça, sabe assim? Então, ele fazia uma pressão insuportável e parecia que a cabeça ia explodir, liberando na atmosfera toda uma fedentina de neurônios cansados de guerra.

“Preciso de uma Novalgina, preciso de uma Novalgina, preciso de uma Novalgina”, era só o que eu repetia em voz alta. Minha irmã disse que eu me acalmasse. Estava ao meu lado no carro, enquanto eu suplicava para a nossa mãe que pelo amor de Deus ela encontrasse uma Novalgina dentro da bolsa, uma vez que eu havia tido a capacidade de deixar minha nécessaire de primeiros socorros em casa.

– A mãe achou que tinha, mas não tem Novalgina na bolsa, minha filha… – respondeu a mãe terminando de revirar a bolsa.
– Como não tem Novalgina, mãe? – eu quis saber.
– Não tenho, minha filha…
– E Tandrilax? – perguntei.
– Também não.
– Mioflex? Toragesic? Alivium? – perguntei.
– A mãe só tem Tylenol.

hysteria101O QUE EU VOU FAZER COM UM TYLENOL????

Tylenol não me faz nem cócegas. Quando as gestantes dizem que só podem tomar um Tylenol e olhe lá, eu sofro muito mais do que elas só de pensar em um pesadelo desses na minha vida. Sou hipocondríaca, sim. Mas de perto ninguém é normal, não é isso que dizem por aí? Gostaria de ter paciência para respirar fundo e esperar a dor passar, mas eu respiro fundo e corro cem metros rasos até a farmácia mais próxima – e se a bula manda tomar 30 gotas eu tomo 50 só para garantir.

+MARI KALIL: Cinco dicas (todas furadas) para espantar a preguiça e malhar no inverno

Minha dor que começou no início da tarde de sábado só começou a terminar na noite de domingo. Mesmo assim, uma pontiiiiinha latejante lá no fundo do olho esquerdo insistia em lembrar que eu ainda pertencia ao mundo dos vivos. Então, tomei uma sopa de capeletti bem quentinha, despejei dentro dela um pote inteiro de parmesão para derreter, mandei a consciência na dieta para o diabo que a carregasse, entrei debaixo de um chuveiro fervendo, deitei na cama pelando por causa do lençol térmico ligado na temperatura máxima e, a bem de garantir que realmente aquele era o capítulo final de um pesadelo de mais de 24 horas de dor, tomei um Stilnox como tiro de misericórdia rumo ao apagão.

woman-questionDEU CERTO, MARIANA?

Teria dado mais certo se o apagão tivesse se mantido durante toda a segunda-feira e eu tivesse despertado só na terça. Inclusive, se a indústria farmacêutica quiser prestar uma homenagem a esta ilustre consumidora que faz sua economia girar a ritmo vertiginoso, criaria um remédio para apagões na segunda-feira e batizaria de Mariana. A pessoa tomaria um comprimido de Mariana no domingo lá pelas 22h e só despertaria na terça-feira às 8h da manhã. Nunca mais teria que vivenciar uma segunda-feira na vida.

Surprised-WomanNÃO É UMA IDEIA GENIAL?

bento1124É MUITA FLUOXETINA NUMA CABEÇA SÓ

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

1 Comentário

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?
  • Abdominal, substantivo masculino. Preguiça, substantivo feminino. #chico #gorda
  • Observe os seus pensamentos, eles se transformam em palavras. Observe suas palavras, elas se transformam em ações. Observe suas ações, elas viram seus hábitos. Observe seus hábitos, pois eles se transformam em seu caráter. Observe seu caráter, pois ele se torna o seu destino. 🙌🏻♥️🙏🏻 Lao Tzu, filósofo e escritor da Antiga China, fundador do taoismo filosófico e religioso.
  • “Nunca estou mais acompanhado do que quando estou sozinho.” Carlos Drummond de Andrade. 🙌🏻
  • Durante anos e anos e anos que somam mais de uma década, essa foi nossa história: de aeroportos em aeroportos, nos mudamos 12 vezes de casa. Cruzamos estados, fronteiras, oceanos. Como escreveu Machado de Assis, “felizes os cães, que pelo faro descobrem os amigos”. Feliz de mim, que pelo faro também te descobri, Bentolino. E lá se vão 18 anos de jornada. 🙌🏻🐶♥️ Rio de Janeiro, 2012. #tbt #bento #xerife #companheirodejornada