Sentimento, sonho, utopia? Afinal, o que é felicidade? Uma língua, será?

O que é, afinal de contas, felicidade? Um sentimento? Um estado de espírito? Um lugar? Uma realidade? Um sonho? Uma utopia? Sucesso? Sorte? Satisfação? Sentir-se realizado? Difícil definir esta palavra que significa tanto para nós. A felicidade pode ser algo extremamente individual, pode variar de sentido entre diferentes culturas, pode ter diferentes filosofias a seu respeito. Mas uma coisa a felicidade faz com todo ser humano: procurá-la. O que é, onde está e como alcançar a felicidade são questões que passam pela cabeça de todo mundo.

Um homem, missionário americano chamado Daniel Everett, diz ter encontrado não a felicidade em si, mas a língua da felicidade. Na década de 70, ele foi enviado para a Amazônia, na divisa de Rondônia, para levar a palavra de Jesus aos índios Pirahãs. Seu trabalho era disseminar conhecimento e, quanto mais se aproximava da tribo, mais queria, na verdade, aprender com os Pirahãs. Ele foi identificando as relações entre os índios, a relação com a natureza e com o mundo e descobriu algo muito valioso: uma língua incomum.

daniel-everett-008DANIEL EM UM MERGULHO NA AMAZÔNIA COM UM DOS ÍNDIOS DA TRIBO

A língua que os Pirahãs falavam não tem números, não tem cores. Nenhum índio sabia quantos filhos tem; mas sabia o nome de todos eles. Não sabiam quantas árvores existem perto das suas casas, mas conheciam cada uma por suas características. Se comunicavam cantando. Não tinham a menor noção do que é Deus ou algo superior, mas estavam em plena paz e tranquilidade. E o mais curioso: não conjugavam nem passado nem futuro. Os índios tinham uma dimensão completamente diferente de espaço e tempo, e, foi essa forma de se entender no mundo que produziu a língua dos Pirahãs: a língua da felicidade.

MARI KALIL: Está comprovado: plantas trazem felicidade

Uma língua é um sistema de signos estabelecido socialmente, uma forma de organizar o mundo. A língua que falamos revela nossos pensamentos, nossas emoções. A gramática dos Pirahãs mostrava que a tribo vivia no presente. E vivia feliz.

daniel dba4077e82fb249440O MISSIONÁRIO DURANTE A PESQUISA

O missionário virou lingüista e pesquisou por três décadas a língua da felicidade. Levou seu trabalho para o mundo acadêmico e foi extremamente criticado. Daniel Everett criou uma verdadeira guerra no território da ciência, pois sua tese questionava princípios universais de todas as línguas do planeta, desenvolvidos por um dos homens mais citado no mundo científico: Noam Chomsky. O assunto se tornou tão interessante que virou documentário. Em The Amazon Code – The Grammar os Happiness é possível acompanhar os detalhes dessa história.

MARI KALIL: Biquíni traz felicidade?

As pesquisas de Daniel Everett não foram levadas adiante. Ele também foi impedido de voltar à tribo. E o governo brasileiro iniciou um processo de alfabetização com os Pirahãs, de acordo com o documentário. De fato, não sabemos se é possível que exista essa língua, com as características descritas pelo ex missionário. Mas, sobretudo, essa história nos faz pensar: como estamos nos relacionando com o mundo, com as pessoas? Com que profundidade? Com que qualidade? Estamos presentes ou ausentes de nossas vidas?

A língua é, na verdade, uma metáfora de inúmeras possibilidades que temos de conjugar a vida. Nossas escolhas gramaticais mostram o quão perto ou quão longe estamos de ser fluentes em felicidade. Se podemos escolher as palavras, também podemos escolher ser feliz.

Se você se interessar pelo documentário, é só dar o play. Vale muito!

Compartilhar
Priscilla Guimarães

Priscilla Guimarães

É analista cultural. Gosta de estudar os porquês da vida, o sentido das coisas. Se dedica a entender as formas de expressão e os significados da cultura. Hoje é sócia diretora na City - consultoria de pesquisa em comportamento humano que tem o propósito de trazer novas perspectivas sobre a sociedade para dentro das empresas. Também coordena a Clínica do Subterrâneo, workshops filosóficos organizados pela City, com o objetivo de trazer conhecimento das ciências humanas para as práticas empresariais. Ainda é sócia diretora na Comunidade Criativa, plataforma de co criação de produtos e serviços que une consumidores e marcas. É graduada em jornalismo e mestra em comunicação social. Já trabalhou com produção de TV, redação jornalística e publicitária, planejamento de comunicação e marketing. Foi professora de graduação e pós graduação. Morou em Paris. Faz psicanálise há 13 anos. Faz ballet e treinamento funcional. Pra relaxar, viaja, faz amigos e mergulho amador.

2 Comentários

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Viva as nove primaveras da Marina! Viva! 👏🏼🥂♥️
  • É nosso, gurias @karinachav @reginalimaoficial ♥️Melhor programa de televisão do ano do Prêmio Press! Jamais vou esquecer o convite de vocês duas pra fazer parte dessa equipe! Que orgulho! Ao alto e avante! 💪🏻♥️👊🏻 @ceciliakramer eternamente grata pela confiança! #tamojunto #bandemmovimento
  • A persistência faz do impossível uma possibilidade. No caso, voltar a fechar com folga o jeans guardado há 15 anos à espera deste momento!  #yeswecan 💪🏻👊🏻🤣♥️
  • Né?! 🤣
  • BFF ♥️
  • Meu amor por Porto Alegre é tão grande que não cabe no peito e não coube na foto com a obra do super @jotapepax 🤣🤣🤣. #ilovepoa #vemseapaixonar