Sou patriota, sim. O problema é o futebol

Não foram poucos os e-mails que recebi em função do post anterior, “Viva o vôlei, abaixo o futebol!”. Achei que muitos xingamentos viriam, mas qual o quê? O apoio que recebi foi incondicional, o que me leva seriamente a colocar em xeque a simpatia de muita gente, homens, mulheres e crianças, por esta seleção que aí está.

***

Tenho uma mania que não é necessariamente boa de achar que só eu sinto determinadas coisas – neste caso, desprezo por esta selecão de futebol e pela marra do Neymar e seus seguidores. Juro que já faz alguns dias, antes ainda do jogo contra a Venezuela, que vinha tentando encontrar dentro de mim, lá no fundo que fosse, algum motivo para torcer pelo que grande parte da imprensa anda lamentavelmente chamando de “Time do Neymar”. Não encontrei nenhum. E isso me incomodou. Havia deixado de ser patriota? Até onde saiba, não. Então, como eu estava sendo capaz de menosprezar o esporte nacional às vésperas de uma Copa do Mundo no meu país? Tinha isso martelando e martelando na cabeça.

***

Daí, hoje de manhã, vendo a seleção de vôlei jogar, me caiu a ficha: a questão é que eu me sinto representada pela “Seleção Brasileira de Vôlei” e não pelo “Time do Neymar”. Eu não sou marrenta, não sou egoísta, não penso antes em mim em detrimento a uma equipe, entre tantas coisinhas mais. De onde vou tirar entusiasmo para torcer pela patota do Neymar, uma turminha de estrelas que não desvia o olho do próprio umbigo e que não vejo sofrerem com a derrota nem vibrarem energicamente com a vitória, conscientes que estão representando uma nação? Desculpa, mas tenho mais o que fazer. E, pelo visto, bem longe do campo, eles também.

***

PS: Mal acabo de escrever esse post e vejo no Jornal Nacional a cena do Neymar assistindo (de boca aberta, frise-se) à performance dos jogadores da seleção de vôlei contra Cuba. Um sopro de esperança de que aprenda como se faz.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.
  1. Vamos botar a boca na GLOBO, é ela que ta chamando a NOSSA seleção canarinho de “do NEYMAR”, ele não merece, nós não merecemos, e assim não vamos a lugar nenhum no futebol…..

  2. Vamos botar a boca na GLOBO, é ela que ta chamando a NOSSA seleção canarinho de “do NEYMAR”, ele não merece, nós não merecemos, e assim não vamos a lugar nenhum no futebol…..

  3. Sensacional seu post. O patriotismo já tme um tempo que deixou a seleção de futebol e nunca mais voltou. O que dói relamente é ver que pessoas como Neymar são transformados em semi-deuses apesar de suas atitudes e caracter volúveis.

  4. Sensacional seu post. O patriotismo já tme um tempo que deixou a seleção de futebol e nunca mais voltou. O que dói relamente é ver que pessoas como Neymar são transformados em semi-deuses apesar de suas atitudes e caracter volúveis.

  5. Sensacional seu post. O patriotismo já tme um tempo que deixou a seleção de futebol e nunca mais voltou. O que dói realmente é ver que pessoas como Neymar são transformados em semi-deuses apesar de suas atitudes e caracter volúveis.

  6. Sensacional seu post. O patriotismo já tme um tempo que deixou a seleção de futebol e nunca mais voltou. O que dói realmente é ver que pessoas como Neymar são transformados em semi-deuses apesar de suas atitudes e caracter volúveis.

  7. Nunca vi na história deste país um texto tão bem direcionado e expressando tudo o que sinto pela imprensa que insiste em dizer que o “Santos de Neymar” e a “Seleção de Neymar” fez isto ou aquilo. É bem isto mesmo, sem tirar e nem por um vírgula. Parabéns. Poderias tirar com certeza o lugar dos “entendidos de futebol” que vivem nas redações. E olha guria que eu amo futebol, mas ultimamente aguentar um cara que ganha R$ 1 milhão por mês com o futebol não fazer nada e anida ser endeusado é demais. Parabéns novamente.

  8. Nunca vi na história deste país um texto tão bem direcionado e expressando tudo o que sinto pela imprensa que insiste em dizer que o “Santos de Neymar” e a “Seleção de Neymar” fez isto ou aquilo. É bem isto mesmo, sem tirar e nem por um vírgula. Parabéns. Poderias tirar com certeza o lugar dos “entendidos de futebol” que vivem nas redações. E olha guria que eu amo futebol, mas ultimamente aguentar um cara que ganha R$ 1 milhão por mês com o futebol não fazer nada e anida ser endeusado é demais. Parabéns novamente.

  9. Eu adoro futebol,e não dou a minima importância para outros esportes.Más faz muito tempo que deixei de torcer(se é que um dia torci) pra seleção do Ricardo falcatrua Teixeira.Seleção caça niquel,ou melhor milhões de doláres.E isso não é ser antipatriota,ser patriota não é só torcer pra algum tipo de modalidade esportiva só porque está lá algum atleta vestido com essa camisa amarela horrível,é muito mais que isso.Copa do mundo em um país que não tem saúde,educação,segurança,salário digno para os verdadeiros atletas que são os trabalhadores que movimentam este pais,enquanto essa corja de políticos corruptos nos roubam.Pense bem nisso Sra. Mariana.Bom dia.

  10. Eu adoro futebol,e não dou a minima importância para outros esportes.Más faz muito tempo que deixei de torcer(se é que um dia torci) pra seleção do Ricardo falcatrua Teixeira.Seleção caça niquel,ou melhor milhões de doláres.E isso não é ser antipatriota,ser patriota não é só torcer pra algum tipo de modalidade esportiva só porque está lá algum atleta vestido com essa camisa amarela horrível,é muito mais que isso.Copa do mundo em um país que não tem saúde,educação,segurança,salário digno para os verdadeiros atletas que são os trabalhadores que movimentam este pais,enquanto essa corja de políticos corruptos nos roubam.Pense bem nisso Sra. Mariana.Bom dia.

  11. Bom dia Mariana,
    Entendi o teu comentário, mas como sou um amante dos esportes, acho que o teu título não foi adequado, até porque o futebol é jogado nas ruas, assim como o vôlei também é, portanto o título “Viva o vôlei, abaixo o futebol!”, poderia e deveria ser substituído por: “Viva o vôlei profissional, abaixo o futebol profissional!”, ainda assim existem jogadores de futebol ganhando um salário mínimo, então o melhor título seria: “Viva as seleções do vôlei e a seleção feminina de futebol, abaixo a seleção brasileira de futebol masculino!”.

    Acho que assim não terias nenhuma crítica, pelo contrário, seria até elogiada.

    Abraço!

    Eduardo dos Reis

  12. Bom dia Mariana,
    Entendi o teu comentário, mas como sou um amante dos esportes, acho que o teu título não foi adequado, até porque o futebol é jogado nas ruas, assim como o vôlei também é, portanto o título “Viva o vôlei, abaixo o futebol!”, poderia e deveria ser substituído por: “Viva o vôlei profissional, abaixo o futebol profissional!”, ainda assim existem jogadores de futebol ganhando um salário mínimo, então o melhor título seria: “Viva as seleções do vôlei e a seleção feminina de futebol, abaixo a seleção brasileira de futebol masculino!”.

    Acho que assim não terias nenhuma crítica, pelo contrário, seria até elogiada.

    Abraço!

    Eduardo dos Reis

  13. Excelente seu comentário, Mariana. Eu já era um apaixonado pelo futebol, mas vejo que realmente o futebol perdeu o seu encanto, a sua magia de anos atrás. Virou um bando de mercenários que só pensam em sua própria imagem e promoção. O vôlei ainda tem garra, vibração e espírito de equipe. Vou mudar de esporte. Ido Herzer – Montenegro – RS.

  14. Excelente seu comentário, Mariana. Eu já era um apaixonado pelo futebol, mas vejo que realmente o futebol perdeu o seu encanto, a sua magia de anos atrás. Virou um bando de mercenários que só pensam em sua própria imagem e promoção. O vôlei ainda tem garra, vibração e espírito de equipe. Vou mudar de esporte. Ido Herzer – Montenegro – RS.

  15. É que temos mania de nos ver representados só nas seleções que estao vencendo, ha ah ah ah aha ha ha
    Que novidade!
    Quando a selecao ganha , nos ganhamos, quando perdem, eles perderam, hahahahha
    Não vejo ninguem se sentindo representado pelo Hadebol, pela canoagem, pelo badminton, hahahahah…
    Quem é patriota tem que se sentir representado sempre. Até em futebol ruim.
    Nao sou patriota . O patriotismo vem sempre acompanhadod a intelerencia

  16. É que temos mania de nos ver representados só nas seleções que estao vencendo, ha ah ah ah aha ha ha
    Que novidade!
    Quando a selecao ganha , nos ganhamos, quando perdem, eles perderam, hahahahha
    Não vejo ninguem se sentindo representado pelo Hadebol, pela canoagem, pelo badminton, hahahahah…
    Quem é patriota tem que se sentir representado sempre. Até em futebol ruim.
    Nao sou patriota . O patriotismo vem sempre acompanhadod a intelerencia

  17. Adorei quando li seu texto na Zero Hora!É exatamente como eu sinto. Fico feliz em ver que muitas pessoas pensam assim. Eu gosto muito de futebol,mas me preocupa a mensagem e o exemplo que está sendo passado para nossas crianças. Como elas podem entender que num esporte ,assim como em sociedade,na escola,no dia a dia,todos tem que desempenhar sua função com valor.Realmente nos desmotiva totalmente a torcer.Parabéns!

  18. Adorei quando li seu texto na Zero Hora!É exatamente como eu sinto. Fico feliz em ver que muitas pessoas pensam assim. Eu gosto muito de futebol,mas me preocupa a mensagem e o exemplo que está sendo passado para nossas crianças. Como elas podem entender que num esporte ,assim como em sociedade,na escola,no dia a dia,todos tem que desempenhar sua função com valor.Realmente nos desmotiva totalmente a torcer.Parabéns!

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.