Tive que rir do meu fracasso

Ontem, eu estive no Call Center do Grupo RBS para falar sobre o Donna e responder a perguntas e ouvir sugestões dos colaboradores. Foram duas horas de uma conversa bem animada. Papo vai, papo vem, um rapaz levantou a mão.

– Mariana, gostaria de te fazer uma pergunta pessoal, pode?

(Glup) Mariana engoliu em seco.

– Ai, meu Deus, o que será que vem? – pensei.
– Pode – respondi.
– Eu queria saber se tu desistiu de vez de pular corda.

Haaaaaaaaaaahahahahahahhahahahahahaha!!! Eu tive vontade de soltar uma gargalhada deste tamanho. Confesso que soltei só meia gargalhada.

– Mas, por favor! De onde tu sabe que eu tentei pular corda?
– Ué. Leio sempre teu blog – ele respondeu.

Haaaaaaaaaaaaaahahahahahahahahah! A Mariana resolveu contar seus desastres no blog e acha que ninguém lê? Pois taí ó. Agora vai ter que explicar que, sim, desistiu de vez de pular corda.

– Sim, não suportei pular corda – respondi, rindo. – Aliás, quase morri.

Por falar em pular corda e exercícios aeróbicos, a quem interessar possa eu permaneço firme e forte na esteira. Odiando, claro. Quase sofrendo um deslocamento de retina tentando ler legenda de filme chato na TV pra ver se o tempo passa mais rápido. Mas sigo firme. O que me consola é que o bem-estar pós-corrida dura muito mais do que aqueles malditos 50 minutos sofríveis.
Para ler a saga da corda e ao dilema a quele ele se referia, clique aqui

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.
  1. Olá Mariana.
    Li hj, pelo primeira vez, teu blog em função do post sobre o Clapton.
    Lendo agora o post sobre pular corda, no final deste, falas da esteira. Só queria dizer que tem uma maneira muito rápida de passar o tempo na tua caminhada/corrida. Vá para rua e liberte-se da TV e esteira chatas. Faça o mesmo exercício em um parque e não te arrependerás.
    Abraço

  2. Olá Mariana.
    Li hj, pelo primeira vez, teu blog em função do post sobre o Clapton.
    Lendo agora o post sobre pular corda, no final deste, falas da esteira. Só queria dizer que tem uma maneira muito rápida de passar o tempo na tua caminhada/corrida. Vá para rua e liberte-se da TV e esteira chatas. Faça o mesmo exercício em um parque e não te arrependerás.
    Abraço

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻
  • Início de namoro no balanço. Fazenda Tapera, Santo Augusto, RS. Junho 2007. #tbt #valentinesday2019 ♥️
  • Uma tarde em família descobrindo @pueblogarzon e as maravilhas da cozinha do @restaurantegarzon do super chef @francismallmann 👌🏻🇺🇾🐶 #uruguay #poraí #francismallmann
  • “Não existe uma raça superior. Tem tanto valor um porteiro quanto um médico, porque cada um desempenha o seu trabalho com dignidade e cada um é importante para toda a sociedade. Nós não vamos acabar com os problemas sociais enquanto não mudarmos nossas cabeças e exigirmos dos que estão acima de nós o respeito que o povo tem que ter e merece ter. Tem que nos dar respeito, e não caridade pública, mas respeito”. Dona Mercedes, mãe de Ricardo Boechat. A fruta não cai longe do pé. 🖤 #rip #ricardoboechat