Trench coat, pantalona e saia lápis: o trio clássico que vale o investimento!

Sabe aquelas peças que, entra ano e sai ano, mantêm-se coringas absolutos do guarda-roupa? Que valem um investimento maior porque serão eternas? Pois o trench coat, a pantalona e a saia lápis não só fazem parte desta turma como figuram no topo da lista dos clássicos que nunca saem de moda.

Cheios de estilo e versatilidade, essas peças contam com uma vantagem extra: costumam funcionar bem em todos os tipos de corpos. Quer mais? Transitam com desenvoltura entre as quatro estações, combinadas no frio com tricôs quentinhos e, no calor, com blusas levinhas. A seguir, vários motivos que fazem valer a pena o desembolso.

classicosmodapantalona2PANTALONA: A CALÇA DA ELEGÂNCIA

Quem vê aquele tanto de tecido na calça mais larguinha quase não acredita no efeito alongador que uma boa pantalona pode proporcionar. Clássico dos anos 1970, o modelo ganhou ainda mais destaque com o revival da década hippie que dominou as passarelas nas últimas temporadas. Com uma boa camisa, vai bem até para aquela reunião importante de quem tem um dress code de trabalho mais formal.

classicosmodapantalona3VICTORIA BECKHAM É ADEPTA DELA
O decote em V da camisa alonga ainda mais a silhueta

Ao optar pela pantalona, o principal é prestar atenção ao tamanho: o ideal é que ela não fique justa no quadril. Para as baixinhas, a dica é usar com um bom salto. Se você é gordinha, as que vestem melhor são as que caem reto do quadril até as pernas. Mas nada é regra! Nos pés, vai bem desde sapatilhas até espadrilles e anabelas – principalmente se o desejo for ganhar alguns centímetros visualmente. A sugestão é sempre combinar com bolsas menores ou clutch: uma bolsa grande pode pesar demais o visual e “brigar” com o volume da calça.

classicosmodasaialapis2SAIA LÁPIS: DE UNIFORME DE TRABALHO A PEÇA DE LAZER

Ela sempre foi um item básico do guarda-roupa de trabalho. Nos últimos anos, com os complementos certos, tornou-se parceira ideal para o dia a dia fora do expediente. Foi criada pelo estilista Christian Dior justamente quando as mulheres começaram a se inserir com mais força no mercado, durante o período pós Segunda Guerra Mundial, na década de 1940. Desde então, segue fortemente associada ao visual daquela executiva importante e, claro, bem-vestida.

classicosmodasaialapis1SCARPIN + CLUTCH
Dupla dinâmica que valoriza o visual

Quando for escolher a sua, opte sempre por um modelo que te deixe confortável e não seja justo demais.  Experimente, se abaixe, dê alguns passos no provador para se certificar de que a saia veste bem. O modelo clássico de saia lápis é aquele que fica na altura dos joelhos ou um pouquinho abaixo dele.

classicosmodasaialapis5COURO + JEANS
Duo para toda hora

Para combinar, a lista não tem fim: camisas, tricôs, camisetas, jaquetas curtinhas, jaquetas de couro, moletons, blusas estilo cropped e o que mais a imaginação mandar. Se quiser ficar mais alta, a dica é usar saia + complemento da parte de cima em tons próximos e, se possível, um salto bacana. Quer mais conforto? Prefira tecidos que tem um pouquinho de elastano na composição.

classicosmodatrenchcoatTRENCH COAT: A CAPA DE TODAS AS ESTAÇÕES

Ele é o complemento perfeito para manter sequinhas (ou pelo menos tentar!) as suas roupas em dias de chuva, mas também é um baita parceiro para aqueles dias em que está friozinho de manhã e esquenta com o decorrer das horas, sabe assim? Foi criado pelo estilista Thomas Burberry para proteger os soldados nas trincheiras durante a Primeira Guerra Mundial.

classicosmodatrenchcoat4COMPLEMENTO DE PRIMAVERA
A atriz Liv Tyler com calça cigarrete, sapatilha e seu trench

Os mais clássicos são confeccionados em algodão ou gabardine – e geralmente vêm com um forro em xadrez bem característico. Funciona otimamente com jeans, camiseta e o bom velho All Star; com vestidos e um salto bacana; com meia-calça e botinhas ou galochas para os dias de frio e chuva… Quer mais? Tem até quem use o trench-coat como um vestido, fechadinho até em cima e com o cinto afivelado ou amarrado.

classicosmodatrenchcoat3PERGUNTA QUE FICA
Tem como ser mais versátil?

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

6 Comentários
  1. Olá, Bom dia

    Sobre a calça Pontalina, vc indica a não usa-la com bolsas grandes por causa do volume.
    Mas, a grande adepta das pantalonas ,Victoria, esta na foto com uma Maxibolsa.
    Abraços

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Penteados e escovados para a primeira de muitas noites de autógrafos de Vida Peregrina, que me levaria à lista dos livros mais vendidos do país e confirmaria Bentolino como um dos personagens mais importantes da minha existência como escritora. Seis anos hoje. Saudade, Xerife. ❤️🐶📘 #tbt #2013 #vidaperegrina #livromarikalil
  • Éramos uma família de bageenses morando no Rio e nossa família multiplicava-se com mais bageenses que chegavam no Carnaval. Tudo começava ao cair do sol com um primeiro chope para brindar a união e terminava com corpos ao mar pra curar o ressacão. Lembrança do nosso primeiro bailinho em que eu me retorci para entrar em uma fantasia de odalisca tamanho 14 comprada em uma loja infantil de Ipanema. É que ainda estava borracha da noite anterior. Borrachos entendem. 🍺
Casa da @renatabrasilvidal e do @marcelogoskes; Rio de Janeiro, Carnaval 2006. #tbt
  • Ter o privilégio de passar horas e horas conhecendo muitas das minhas perseguidoras faz a gente mais feliz. Ser recebida com carinho pelo @centrocarinaborges, que abriu suas portas para este momento tão especial de beleza e amizade faz a gente mais feliz. Poder oferecer a excelência dos produtos da @farmathuia para as amigas da Mari faz a gente mais feliz. Servir os melhores quitutes fit da @feeljoy.com.br e a delícia do capuccino proteico do @mundoverdeiguatemipoa faz a gente mais feliz. Rodopiar com um vestido de seda floral da @boutiquemariahelena capaz de traduzir com maestria meu estado de espírito faz a gente mais feliz. Felicidade é encontrar alegria na alegria dos outros; felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente. Obrigada a todas que hoje fizeram meu dia muito, muito mais feliz! ✨🙏🏻❤️
  • Quem nunca aplicou uma dessas?! 👆🏻
  • Me diga se pode existir desgraceira maior do que chegar ao vestiário de natação molhada em cima de um par de chinelos molhados, com o cabelo todo desgrenhado, com o rosto todo marcado dos óculos e ainda ter que pegar a sacola, botar a sacola em cima de um banco, abrir a sacola, retirar os saquinhos plásticos para guardar o maiô encharcado junto com a touca e o óculos, pegar a nécessaire, sair equilibrando toalha, xampu, sabonete e condicionador até o box, sempre pisando naquele chinelo nojento molhado, tomar banho na companhia de fios de cabelos de terceiros, recolher sabonete, condicionador e xampu, secar um por um com a toalha, se enrolar na tolha, voltar pingando até o armário em cima daquele chinelo nojento molhado, abrir o armário, abrir a sacola, guardar o xampu, o condicionador e o sabonete dentro da nécessaire, retirar o pente, desembaraçar o cabelo cuidando para não deixar fios caírem no chão, passar hidratante na volta dos olhos, sérum facial, creme com proteção solar, hidratante corporal, vestir a roupa toda amassada dentro da sacola, sentar no banco com o pé ainda molhado em cima daquele chinelo nojento com fio de cabelo de terceiros grudados na sola, secar dedinho por dedinho, colocar o sapato, secar o chinelo, ensacar o chinelo e terminar a maratona botando os bofes para fora do calorão que sai daquela quantidade de chuveiros quentes e secadores ligados. 
Me diga: pode existir desgraceira maior?!
  • Tenha coragem para as grandes adversidades da vida e paciência para as pequenas, e quando tiver cumprido laboriosamente sua tarefa diária vá dormir em paz. Deus está acordado. (Victor Hugo).