Um livro que ensina a fazer 82 penteados de cabelo? Eu quero!

Quando eu tinha lá meus 16, 18 anos, naquela insatisfação com o próprio corpo, com aquelas neuras típicas de adolescentes, costumava dizer que a única coisa que prestava fisicamente em mim era o meu cabelo. De fato, era um cabelão. Lindo. Me achava gorda, me achava feia, me achava tudo de ruim. Mas o meu cabelo… Esse salvava a minha existência!

Brincava com a minha mãe que, se um dia cortassem meu cabelo, não restaria nada de mim. Acabaria de vez com a Mariana. Meu cabelo era brilhante, compriiiiiido, inteiro. Elogiado por tudo e por todos. Uma espécie de salvoconducto para eu continuar vivendo.

manaELA ADORA UM DRAMA

Então, os anos foram passando, eu fui me entendendo melhor, me gostando mais, me encontrei na minha profissão, minhas preocupações tornaram-se mais reais e menos imaginárias até que, um belo dia, vivendo em São Paulo, eu decidi que queria ter cabelo joãozinho. Quando na minha vida eu pensaria em cortar o cabelo joãozinho? Pois fui lá e cortei. Beeeeem curtinho.

woman-question2MOSTRA ALGUMA FOTO, MARIANA!

Olha, eu estou há hoooooras para abrir uma gaveta emperrada na casa da mãe e tirar de lá várias fotos de várias fases da minha vida – e juro que farei isso este fim de semana. Por enquanto, me imaginem de cabelo joãozinho.

bento1123QUANDO EU DIGO QUE ESSE BLOG É UM DESSERVIÇO, ELA BRIGA COMIGO

Uma vez com cabelo joãozinho, eu adorei o estilo. Conto um pouco sobre isso em meu segundo livro, Vida Peregrina. Jurei que jamais teria cabelo comprido novamente. Era muito prático ser uma joãozinho. Lavava rapidinho, arrumava rapidinho, uma facilidade para quem vivia no corre-corre de uma vida em redação em São Paulo. Mas como tudo na vida, um belo dia, acho que uns bons dois anos depois, cansei. Cansei da minha cara e resolvi deixar de novo o cabelo crescer. Foi um parto, parecia que jamais voltaria a ser comprido. Quanto mais demorava, mais ansiosa em ficava. Mas ele cresceu e cresceu e cresceu – e hoje voltou a ter quaaaase o mesmo comprimento que tinha lá nos meus 16, 18 anos.

bento1123ELA QUER SE SENTIR JOVEM

Claro, neste meio tempo eu cortei mais curtinho, deixei mais comprido, cortei franja, tirei franja… Mas cheguei, enfim, à conclusão que o meu estilo mesmo, aquele que faz com que eu me sinta à vontade na minha própria pele, é este que carrego hoje: um cabelo comprido, inteiro e com algumas mechas que dão uma certa luminosidade ao rosto.

+ MARI KALIL: A cor do meu cabelo matará de inveja as estrelas de Hollywood

Sempre que resolvo cortar algumas camadas ou tento algum corte mais moderninho, me arrependo. Não sou eu. Eu sou esta maria madalena, não adianta. Não sei até quando manterei o cabelo assim, antigamente diziam que uma mulher mais velha não combinava com cabelo comprido e tal… Mas as coisas mudaram tanto… Vou mantendo assim até quando me sentir bem para usar assim. Cada um sabe de si, não é verdade?

MARIANA CABELOMINHA AUTOESTIMA ANDA ELEVADÍSSIMA COM MINHAS MELENAS

bento1123ELA SE ACHA

feliz1HE HE HE

Cabelo comprido, ao contrário do curtinho, permite uma série de variações. Não é porque o cabelo é comprido que devemos sempre andar com ele comprido, não! Dá pra fazer rabo de cavalo, trança, coque… Mas é preciso aprender a fazer tudo isso. Tenho uma inveja branca da Julia Petit…. Um dia, ainda vou aprender a fazer aquela trança escama de peixe que ela realiza em dois toques na cabeça. Enquanto esse dia não chega, pretendo me divertir com um livro que acaba de ser lançado no Brasil pela editora Sextante. Trata-se de Paixão por Cabelos, da australiana Christina Butcher.

Olha!

cabelo livroPRECISO DE UM AGORA!

O livro ensina nada menos do que 82 diferentes penteados possíveis de serem feitos em casa. Não é genial? Oitenta e dois! Trança de raiz, coque bagunçado, fios meio presos e meio soltos, rabo de cavalo… Dá de tudo. E todos os penteados são ilustrados, o que ajuda bastante a entender se estamos fazendo a coisa certa.

Eis três imagens do livro!

 

 

 

 

Há também informações sobre tipo de acessórios que precisamos para realizar cada um, se faz falta uma mãozinha amiga na hora de finalizar ou ajudar no processo e também sugestões de ocasiões para usar cada um dos penteados.

+ MARI KALIL: Uma franja pra chamar de minha!

Christina diz no livro que o “coque rosquinha” é o mais fácil de fazer e que o mais complicado leva também um nome bastante complicado: French Fishtail Chignon. É a tal trança espinha de peixe que a Julia Petit faz em dois toques.

Olha!

French-Fishtail-Braid-for-Long-HairMUITO PRAZER, SOU A TRANÇA ESPINHA DE PEIXE
Sabe quando vou conseguir fazer uma igual? No dia de São Nunca!

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, Christina aconselhou toda mulher a ter em casa dois tipos de acessórios básicos: elástico e grampos de boa qualidade. “Dá pra fazer quase tudo com esses dois itens”, avisa. Ela diz que as australianas adoram um coque alto e bagunçado, principalmente depois de sair da praia (eu também, Christina! Gosto do coque, não da praia!). E aposta na tiara de trança como o penteado que ainda ganhará muita popularidade no Brasil.

Olha ela aí!

cabelo1GOSTEI BASTANTE E NÃO DEVE SER DIFÍCIL! VOU EXPERIMENTAR!

bento1113ANTES DO PASSEIO?

Que diferença faz se vai ser antes ou depois do passeio, Bento?

manaELE QUER SABER SE ESPERA SENTADO

bento1113PAPAQUI É UMA ÓTIMA ALUNA

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?
  • Abdominal, substantivo masculino. Preguiça, substantivo feminino. #chico #gorda
  • Observe os seus pensamentos, eles se transformam em palavras. Observe suas palavras, elas se transformam em ações. Observe suas ações, elas viram seus hábitos. Observe seus hábitos, pois eles se transformam em seu caráter. Observe seu caráter, pois ele se torna o seu destino. 🙌🏻♥️🙏🏻 Lao Tzu, filósofo e escritor da Antiga China, fundador do taoismo filosófico e religioso.
  • “Nunca estou mais acompanhado do que quando estou sozinho.” Carlos Drummond de Andrade. 🙌🏻
  • Durante anos e anos e anos que somam mais de uma década, essa foi nossa história: de aeroportos em aeroportos, nos mudamos 12 vezes de casa. Cruzamos estados, fronteiras, oceanos. Como escreveu Machado de Assis, “felizes os cães, que pelo faro descobrem os amigos”. Feliz de mim, que pelo faro também te descobri, Bentolino. E lá se vão 18 anos de jornada. 🙌🏻🐶♥️ Rio de Janeiro, 2012. #tbt #bento #xerife #companheirodejornada