Yamuna Zake: ela é mestre em ensinar como tirar as dores do corpo com as mãos

Exercícios e atividades físicas existem para contribuir para nossa saúde e bem-estar, certo? Para a americana Yamuna Zake, contribui também para aliviar a dor do salto alto. Yamuna é professora mestre em Sustentabilidade do Corpo – e a carreira que começou como uma dedicação singular ao trabalho corporal focalizado evoluiu para uma marca global com uma rede de mais de 450 profissionais certificados e a participação de mais de 2 mil profissionais em seus workshops mundo afora.

yamuna-crop_1400x800YAMUNA EM AÇÃO: MESTRE CONSCIÊNCIA CORPORAL

Yamuna dá aulas de consciência corporal, yoga e uma modalidade que vem atraindo mais e mais mulheres: Foot Fitness, voltada para a aliviar as dores femininas que não conseguem viver sem estar empoleiradas em sapatos de salto. Yamuna decidiu criar esse tipo de aula porque, segundo ela, a maioria das mulheres que observa nas ruas não sabe andar de salto. Por isso, se propõe a ensinar as alunas a alinhar o corpo e fortalecer o pé para que fiquem livres para usar o sapato que quiserem – com boa postura e sem dores.

yoga383113727635xEXERCÍCIO DA AULA DE FOOT FITNESS

A primeira coisa que a professora analisa é se as alunas sabem utilizar todas as partes do pé. Ela também ensina como fortalecer os dedos e os metatarsos.

yoga835179901635xENSINANDO A USAR TODAS AS PARTES DO PÉ

A aula inclui colocar o salto alto para que a professora explique como trocar o peso do dedo mínimo até o dedão. Uma dica de Yamuna é bem interessante: sempre procurar trocar o tamanho do salto para que os pés e os músculos das pernas não se acomodem em uma mesma posição.

yoga565027770635xyoga803020071635xYAMUNA DEMONSTRANDO SÉRIE DE FOOT FITNESS
Todos esses exercícios são possíveis de fazer em casa, recomenda

yamuna-dvdFOOT FITNESS EM DVD: DISPONÍVEL NO SITE DA AMAZON

yamuna-bookREALINHAMENTO E RELAXAMENTO EM LIVRO

Além de DVD e livros dedicados ao cuidado dos pés, Yamuna também tem vasta bibliografia e DVDs dedicados a grávidas, aos cuidados com os músculos do rosto, mãos e várias partes do corpo, além de oferecer também aparelhos de marca própria para a prática.

yamunaYAMUNA ZAKE E SEUS APARELHOS: ELA TAMBÉM É GRIFE

Neste vídeo de dois minutos, ela apresenta uma breve explicação de como livrar-se de dores lombares, nas pernas, no pescoço com exercícios fáceis de serem realizados em cima da cama. Espia!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

2 Comentários

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?