Doga, a ioga de cães e donos

Já disse e repeti mil vezes que minha vida não seria a mesma em qualidade caso a ioga não existisse. Não apenas pelos benefícios que ela proporciona ao corpo, mas, sobretudo, ao poder que tem de mexer com a mente – pelo menos com a minha. Tenho certeza que meu jeito meio low profile de levar a vida deve-se muito à ioga. Ela, definitivamente, me faz mais feliz.

Conheci a ioga quando fui morar na Espanha, em 2003. No momento em que decidi que largaria tudo para uma temporada na Europa, o tudo incluiu também a chatisse da academia. Eu haveria de encontrar algo que me desse prazer, não era possível mais viver só com obrigações. Encontrei a ioga. Fui apresentada à ela por um professor hindu chamado Upendra, até hoje meu maior mestre e um dos meus melhores amigos.

Devo ao Upendra o benefício de ter conhecido a ioga em toda sua essência. Por isso não me conformo em fazer uma aula qualquer. Sou exigente com professores e, nos últimos tempos, descobri que sozinha, em casa, atinjo um estado de plenitude muito maior. Vira e mexe, o Upendra me manda umas aulas em vídeo, e eu sigo. Ou, então, faço a prática com duas professoras americanas, Tara Stiles e Seane Corn, cujos DVDs chegaram direitinho na porta de casa via Amazon.

Estou dizendo que isso funciona pra mim, longe de querer ditar regras. Sobretudo tratando-se de ioga, uma filosofia de vida e uma prática física em que cada um sabe seus limites e até onde pode chegar. Não funcionaria pra mim, por exemplo, uma modalidade de aula que um estúdio em Hong Kong acaba de criar: a Doga, prática de ioga que une cães e donos e que garante “benefícios mútuos”. Sei não.

Tenho certeza que o Bento prefere correr no parque (inclusive, me daria uma dentada se eu resolvesse fazer o mesmo que a dona do salsicha). Já eu não abro mão da minha ioga sem ninguém por perto.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.