Mentiras que as pessoas contam (a si mesmas!) para consumir sem culpa

A cena repete-se nas melhores famílias: chega o fim do mês e muita gente não consegue explicar onde foi parar o salário. Enquanto as despesas maiores são conhecidas e recorrentes, as menores acontecem de forma tão espontânea e rápida que fica difícil controlar. E mesmo que o consumo seja ponderado racionalmente, ele acaba sendo validado por meio de algumas brechas psicológicas: as mentiras que as pessoas contam para si mesmas.

Uma pequena mentira pode ser o jeito encontrado pelo cérebro para esconder uma verdade inconveniente. Apesar de não ser tarefa fácil, detectar e tentar mudar este comportamento é um importante passo para alcançar uma vida próspera e economicamente sustentável. Fomos ouvir o especialista Jó Adriano da Cruz, educador financeiro e diretor da Unidade DSOP Porto Alegre, para conhecer as cinco mentiras que podem estar sabotando a saúde da vida financeira.

1. Eu mereço
Embora essa frase possa ser verdadeira, ela tende a minar a realização de algo que ela realmente deseja – como um sonho, que mesmo adormecido, nunca deixou de existir. É preciso ter em mente que atingir uma grande meta é viver algo mais desejado e merecido do que qualquer outra experiência do dia a dia, e que quanto mais dinheiro se aplica em compras esporádicas, menos é destinado à merecida realização dos sonhos.

cofrinhoMAIS COMPRAS ESPORÁDICAS, MENOS REALIZAÇÃO DE SONHOS

Segundo Jó Adriano da Cruz, as pessoas costumam ser as primeiras a sabotarem a sua verdadeira felicidade.

– Grandes sonhos não são realizados por conta do hábito de destinar boa parte dos recursos financeiros às pequenas despesas diárias não essenciais e, por vezes, desnecessárias – explica.

2. Eu preciso
Uma das principais mentiras que as pessoas contam a si mesmas é que precisam de determinado produto ou serviço. É necessário ponderar se há mesmo uma necessidade e se há condições de usufruir daquilo no momento da aquisição.

content_Chaveirotech.jpg1CONSUMO CONSCIENTE = VIDA FINANCEIRA SAUDÁVEL

De acordo com Jó Adriano, é importante que o consumo venha após o planejamento financeiro e a pesquisa de preços em, no mínimo, três locais diferentes.

– O consumo consciente é o principal responsável por nos proporcionar uma vida financeira saudável – aponta.

3. Estou infeliz
A felicidade advinda do consumo esporádico e sem planejamento tende a ser pequena e momentânea. Realizar sonhos, por sua vez, gera a felicidade genuína e duradoura que todos almejam. Quem reconhece que está infeliz precisa, ao invés de buscar a satisfação em compras esporádicas, equilibrar o momento presente com a projeção de um futuro de realizações.

– Estabelecer os sonhos é fundamental para se criar o hábito de fazer reservas financeiras. O ideal é que eles se dividam em curto, médio e longo prazo, ou seja, tenham o objetivo de ser realizados em até um ano, de um a 10 anos e acima de 10 anos, respectivamente – ressalta o especialista.

cofre-porquinho-economia-financas-poupanca-dinheiro-1294678283226_956x500DESORGANIZAÇÃO LEVA AO RACHA NA ECONOMIA PESSOAL

4. Não consigo resistir
Mais do que contestada, esta mentira aparentemente inofensiva deve levar à reflexão sobre o porquê de, ao invés de planejar e consumir com consciência, a pessoa prefere se deixar levar pelo momento. É possível que esteja faltando organização.

– Para vencer a desorganização, o primeiro passo é projetar e seguir um orçamento pessoal, seja ele mensal ou semanal – aponta Jó Adriano.

5. Eu tenho condição
Assim como a falta, a sobra de dinheiro é um sinal de que a administração não está sendo eficaz, pois a melhor forma de utilizar os recursos financeiros é seguindo um bom planejamento. Quem tem dinheiro sobrando no final do mês deve rever se há sonhos que podem ser realizados mais rapidamente com o acréscimo deste valor ou se há novos objetivos de vida a serem priorizados. Afinal, o dinheiro deve trabalhar em favor das pessoas, não o contrário.

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.