Meu reino por essa maravilha com ovos!

Meu pai tem uma máxima que eu repito até hoje. É herança dos tempos de colégio e faculdade, quando eu comentava com ele as muitas agruras de algumas amigas que diziam não comer quase nada para conseguir emagrecer e não conseguiam.

– Como pode, né, pai? – eu questionava, tentando saber mais do lado médico do meu pai.
Ao que ele respondia:
– Desculpa, Meguizinha. Mas elas devem comer um quindinzinho de lanche.

quindimNHAM NHAM

O que meu pai queria dizer com isso era muito simples: quem come pouco mão engorda. Desde então, eu peguei emprestada essa expressão. Acho que ela simplifica demais as coisas. Quando alguém comenta comigo que faz regime e não emagrece, eu respondo: “Desculpa aí. Confessa que tu come um quindinzinho de lanche”.

quindim-de-festaNHAM NHAM

Lembrei dessa história porque fiquei sabendo do lançamento de um livro que fez escorrer aquela saliva pelo canto interno na bochecha, sabe assim? Chama-se O Livro do Quindim e Outros Doces com Ovos, de Cátia Farias.

Olha!

livro do quindimDE BABAR NO CANTINHO

Cátia ensina como preparar o doce de origem portuguesa feito de gemas e açúcar que deu fama ao Bendito Quindim, primeira casa do mundo especializada em quindins gourmet.

bendito-quindimALGUMAS DAS 16 VERSÕES DA BENDITO QUINDIM

Escreve ela no livro: “Em Portugal, eles usam amêndoas, mas era difícil encontrá-las por aqui. Hoje, já é possível encontrar quindim com coco ralado em Portugal. Adivinhe o nome do sabor: quindim brasileiro!” No livro, a autora apresenta outros doces que levam ovos, como queijadinha, sonho, sorvete inglês e toucinho do céu.

: Ah, a perdição dos brownies da Bibi…
: Vinte e dois anos depois, comi um cookie de verdade
: Um brigadeiro e tudo se resolve

Lembro até hoje de um quindão que comi de sobremesa no Bar Ocidente. Pra se ter uma ideia de quanto tempo isso faz, estava na faculdade ainda, início dos anos 1990. Fomos almoçar em turma,  a comida estava deliciosa e de sobremesa havia esse quindão.

httpwpclicrbscombrporaifiles201307acordargifANHÃÃÃÃ

Não sou chegada a sobremesa, é muito raro que coma. Mas aquele dia me deu vontade e posso dizer que até hoje sinto o sabor daquele quindão. Nunca mais em toda a vida comi um quindão como aquele. E aquele quindão me fez um favor que minha silhueta realmente não precisava.

mulher chorandoAPAIXONAR-ME POR QUINDÕES

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.