O almoço The Flash de domingo

Um lindo domingo de sol, Mariana esparramada na varanda de casa com todos os jornais na volta. O marido se aproxima, estranha a cena e pergunta:
– Vamos agilizar?
– Oi?
– Agilizar o almoço.
– Que almoço?
– O almoço que combinamos de fazer aqui em casa para oito pessoas.

Silêncio no recinto.

Mariana em estado de choque pensa

–  “Não, isso não está acontecendo”.
–  “Não, isso não está acontecendo HOJE”.
– “Se eu me jogar da varanda, talvez quebre só a bacia”
– “Acho que tive uma alucinação. Vou pedir para ele repetir.”

PODE REPETIR?

– O almoço que combinamos de fazer para oito pessoas neste domingo, não lembra?

NÃO, EU NÃO LEMBRAVA!!!!!!

A solução foi colocar as duas cabeças a pensar de forma rápida e objetiva. A solução (Deus é pai) estava dentro de casa.

MUITO PRAZER, SOU A CHURRASQUEIRA ELETRICA FISCHER

MUITO PRAZER, SOMOS SORRENTINOS CONGELADOS

Devo à preguiça do meu pai de comprar carvão e fazer fogo a descoberta da churrasqueira elétrica.
Devo à paixão do meu irmão por massas e molhos a descoberta dos sorrentinos italianos.
Explico:

1) A churrasqueira elétrica faz um entrecot, uma picanha ou um filé divinos, com sabor de parrilla. Basta cortar a carne em fatias e ligar na tomada (de 220v já que puxa bastante eletricidade).
2) Os sorrentinos congelados são a mão na roda da humanidade. Onde tem? Em muuuitos lugares de Porto Alegre: Pastifício Italiano, Pastifício Antoniazzi, Pastifício Carcamano, Gabi – A Arte da Massa, só para citar os que conheço.

JUNTO COM OS SORRENTINOS, ESCOLHE-SE O MOLHO.
EU PREFIRO POMODORO

CARNE + MOLHO BRANCO DE FUNGHI SECCHI TAMBEM FICA UMA DELICIA

A logística torna-se relativamente simples. Enquanto os sorrentinos são colocados em um prato refratário, regados com molho, finalizados com parmesão ralado por cima e levados ao forno por cerca de 20 minutos, as fatias de carne douram lindamente na churrasqueira elétrica.

Ô, Mariana, foi tu que fez?

Pra não parecer que não fiz nada, resolvi colocar em prática minha super receita de salada de tomate.

Oi, bonitão!

Cortei o tomate gaúcho em rodelas beeeeem fininhas, quase como um carpaccio mesmo. Coloquei as rodelas em uma linda bandeja, polvilhei sal, reguei com azeite, salpiquei alcaparras e ralei queijo Grana Padano por cima.

– Ô, Mariana, foi tu que fez?

NÃO ESTÃO ME RECONHECENDO?




Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.
  1. Mariana! Por favor mata minha curiosidade ontem tu estavas passeando com Bento na Padre Chagas depois do almoço. Eu e minhas filhas somos tuas fãs, foi anos trocando e-mail perguntando se já leram os teus posta, e ontem eu imaginei que poderia ser tu uma charmosa moça passeando com seu cachorro no melhor estilo parisiense. Uma das minhas filhas estava em uma cidade do Brasil com o maior número de celebridades por metro quadrado e eu mandei uma mensagem dizendo advinha quem eu vi, a Mariana Kalil, e ela me respondeu, e ela estava com Bento. Só que não tenho certeza se eras tu, porque se fosse eu gostaria de ter podido te dizer pessoalmente o quanto gosto dos teus textos e não é de hoje. Bjs

  2. Mariana! Por favor mata minha curiosidade ontem tu estavas passeando com Bento na Padre Chagas depois do almoço. Eu e minhas filhas somos tuas fãs, foi anos trocando e-mail perguntando se já leram os teus posta, e ontem eu imaginei que poderia ser tu uma charmosa moça passeando com seu cachorro no melhor estilo parisiense. Uma das minhas filhas estava em uma cidade do Brasil com o maior número de celebridades por metro quadrado e eu mandei uma mensagem dizendo advinha quem eu vi, a Mariana Kalil, e ela me respondeu, e ela estava com Bento. Só que não tenho certeza se eras tu, porque se fosse eu gostaria de ter podido te dizer pessoalmente o quanto gosto dos teus textos e não é de hoje. Bjs

  3. MEU MOMENTO SECRETÁRIA

    Naquela manhã ela chegou mais cedo ao trabalho. Organizou seu espaço, mesa, gavetas. Ligou o computador. Providenciou um café. Aproveitou um pouco o silêncio. Comeu calmamente uma bolachinha light e sorveu o café, pensando longe. Ligou o som. Iniciou uma música, calma e lenta. Como aquela de um filme. O filme o qual a gente não lembra o nome, mas logo chegará um amigo para avivar a memória. Pode ser “She will be loved”… Mais tarde ela lembrará que ele se chama “Diário de uma Paixão”. Não importa. Ela aproveita o momento, antes de começar a sorrir, atender o telefone, a recepção, os colegas, o público, o chefe. Enfim, antes de começar a secretariar.
    E a música rola sem ninguém para interrompê-la, nem o toque do telefone ou celular. E lá na última nota, no último tom ela volta para aquela manhã de segunda-feira. Ajeita o uniforme, o cabelo. Um pouco de brilho nos lábios. É hora de trabalhar.
    Marisa Oliveira

  4. MEU MOMENTO SECRETÁRIA

    Naquela manhã ela chegou mais cedo ao trabalho. Organizou seu espaço, mesa, gavetas. Ligou o computador. Providenciou um café. Aproveitou um pouco o silêncio. Comeu calmamente uma bolachinha light e sorveu o café, pensando longe. Ligou o som. Iniciou uma música, calma e lenta. Como aquela de um filme. O filme o qual a gente não lembra o nome, mas logo chegará um amigo para avivar a memória. Pode ser “She will be loved”… Mais tarde ela lembrará que ele se chama “Diário de uma Paixão”. Não importa. Ela aproveita o momento, antes de começar a sorrir, atender o telefone, a recepção, os colegas, o público, o chefe. Enfim, antes de começar a secretariar.
    E a música rola sem ninguém para interrompê-la, nem o toque do telefone ou celular. E lá na última nota, no último tom ela volta para aquela manhã de segunda-feira. Ajeita o uniforme, o cabelo. Um pouco de brilho nos lábios. É hora de trabalhar.
    Marisa Oliveira

  5. Haha! Estava, sim, Flavia. Eu e o Bento. Que honra receber um email desses! Muito, muito obrigada pela leitura e por todo esse carinho. Da próxima vez, agora que tu já nos conhece (a mim e ao Bento), por favor, te apresenta. Nós vamos adorar! Bjo. MK

  6. Haha! Estava, sim, Flavia. Eu e o Bento. Que honra receber um email desses! Muito, muito obrigada pela leitura e por todo esse carinho. Da próxima vez, agora que tu já nos conhece (a mim e ao Bento), por favor, te apresenta. Nós vamos adorar! Bjo. MK

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.