Por onde minha bici andou me levando…

Meu fim de semana foi legal e o teu? Não aconteceu nada de extraordinário, não ganhei na Megasena (até porque não jogo), mas o somatório das coisas resultou positivo. No sábado, me estrebuchei em cima da bicicleta. Acordamos decididos a dar uma grande volta – Chico, Bento e eu. A ideia era levar o animal ao Parcão, para que ele fizesse o exercício matinal, e depois colocá-lo na cestinha para sair desbravando Porto Alegre (em cima da calçada onde não há ciclovia, como admiti na coluna AH, EU SOU GAÚCHA!, publicada na revista DONNA deste final de semana.

Olha!

bibi 10932422_348089615376020_1759024695_nDOIS FELIZES E UM EMBURRADO!
Neste momento, saíamos de casa – e o animal foi informado de que teria que ir na cestinha até o parque, o que o deixou levemente de mau humor, como podem observar nesta imagem que vale mais do que mil palavras
.

Recebi uma mensagem de uma leitora advertindo que andar de bicicleta em cima da calçada é proibido. Pois é. Agradeci a informação, mas não vou mudar meu hábito. Enquanto o Brasil for um país sem educação (e me refiro à educação como cultura e cidadania), não posso aceitar que ciclistas sejam multados por andar de forma respeitosa em relação aos pedestres, sabendo que o privilégio é deles, em cima da calçada em trechos onde não há ciclovias. Frequentemente, há casos que corroboram com a minha determinação. O último foi a morte do arquiteto Joel Fernandes, que morreu ontem, aos 60 anos, após ser atropelado por um táxi, na Avenida Severo Dullius, em frente ao Aeroporto Salgado Filho, às 9h da manhã.

glee-jane-lynch-loser6DOMINGO ÀS 9H DA MANHÃ!

Chegamos, enfim, ao Parcão e o animal foi colocado em liberdade do cativeiro de sua cestinha. Ah, sim, outra informação que me perguntam bastante: onde comprei a cestinha do animal? Comprei junto com a bicicleta na loja BikeTech, que fica ali na 24 de Outubro, quase esquina com a Quintino Bocaiuva. Bento pesa 7,5 quilos e vai muito confortável na cestinha. Uma vez em liberdade do cativeiro, cheirou todas as gramas a que tinha direito, fez todas suas necessidades fisiológicas, encheu a paciência de algumas cachorrinhas, bebeu água de coco e foi colocado de volta em cativeiro para voltar para casa.

bento1PISADA DAS GRANDES

Já eu rumei de bicicleta, sozinha desta vez, até a estética ONODERA, ao lado do Puppi Baggio, onde havia marcado uma massagem chamada Onoredux Max. Em que consiste: em você, cara leitora, incorporar uma massa de pão e ser sovada por todos os lados, com movimento de amassamento, pinçamento e deslizamento, que promovem a melhora da circulação sanguínea – e a partir daí de todo o resto. Se funciona? Olha, eu saio de lá sentindo que perdi uns dois quilos só de barriga.

Passada meu momento de pão sovado, voltei novamente para cima da bicicleta e me dirigi à rua Lajeado. Sabem onde fica a Lajeado? Nos altos de Petrópolis. Sabem quantas lombas eu tive que subir deste a Onodera até a Lajeado? Perdi as contas. Subi a Mostardeiro, depois mais um pedacinho da Bordini, depois a Dona Laura até o supermercado Nacional da Lucas de Oliveira, depois fui pela Casemiro de Abreu até o Caracol, depois cheguei até a Praça da Encol, depois subir toda a avenida Palmeira e cheguei à Lajeado com todos os bofes para fora. Destino: Hugo. Encontro marcado com a Deia Nunes, manicure de mão cheia.

sustoMAS O QUE É ISSO, MARIANA?

Eis a reação da Deia quando viu meu estado adentrando o Hugo com o capacete na mão.

mulher-exausta2TIVE A IDEIA DE VIR DE BICICLETA, RESPONDI

susto-gato1ATÉ AQUI?

mulher-exausta2SIM

Chico me encontrou no Hugo uma hora mais tarde, também de bicicleta, e voltamos em cima de duas bicicletas até em casa. E de casa não consegui mais sair. O domingo começou com mais um passeio, desta vez sem bicicleta, com o animal pelas ruas da redondeza. Deixamos que ele fizesse o passeio de seus sonhos – e o animal, que tem uma veia de cabrito, só queria saber de subir e descer lombas. Obviamente, voltou para casa exausto e daí era ele quem não queria mais sair.

Meu adorado pai, que tem mania de almoçar cedo nos finais de semana, convidou-nos para almoçar. Eu, que sempre digo que não vou, pois odeio horários nos finais de semana, resolvi ser um pouco menos inflexível com minhas convicções e avisei que iria, mas queria negociar meia hora a mais. Com a meia hora a mais, Chico e eu chegamos ao restaurante Marquês Grill, na Avenida Carlos Gomes.

utilidade-publica11MOMENTO SERVIÇO DO BLOG

Se você, cara leitora, não importa-se com restaurantes com sistemas de rodízio, não tem problemas com barulhos de talheres e conversas no salão, experimente o Marquês Grill. Mas se você, cara leitora, é como eu, que detesta almoçar sendo interrompida a todo instante com ofertas de coraçãozinho, picanha, vazio, costela, filé, filé com queijo, picanha sem queijo, cordeiro, risoto de funghi, risoto sem funghi, risoto de camarão, risoto de rúcula com tomate seco, risoto de alho poró, o Marquês Grill não é o seu lugar.

MULHER PANICNÃO É O SEU LUGAR

Para o almoço de hoje, uma segunda-feira com cara de segunda-feira, em que já me sinto atrasada perante o mundo, vou experimentar algo que há muito quero experimentar (e comerei em silêncio, quase em meditação): COMIDA QUE CUIDA. Trata-se de uma telentrega que todos os dias oferece um cardápio diferente. Hoje, por exemplo, já espiei no Facebook deles e vi que a oferta é Frango com molho mostarda, purê de batata doce, salada de beterraba e mil de folhas com molho salsa e granola salgada. Tem opções vegetarianas também. A de hoje é hambúrguer de soja com molho de mostarda. Optarei pelo frango assim que milha ligação for atendida pelo telefone 3276-6115. Fiquei bastante impressionada pelas fotinhos que bisbilhotei no FB deles e pelas recomendações de várias pessoas que experimentaram e gostaram muito da comidinha.

Olha!

COMIDA 10378130_826810474024166_8689943984474054478_nOOOOOOOHHHH!
Franguinho com molho de mostarda magrinho à base de aveia, arroz integral com amêndoas, caponata de abobrinha, saladinha com nossa granola salgada…

MENU 10987426_830877896950757_3224075750591388531_nO CARDÁPIO DA SEMANA!

Mais tarde volto para contar minhas impressões e também para relatar o que eu usaria no tapete vermelho do Grammy, que aconteceu ontem à noite. São tantas emoções…

alto-la12AGUARDEM!

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.