Getúlio no cinema; Bento nas ruas

Sábado passado, fui assistir ao filme Getúlio. Tinha ouvido e lido os maiores elogios a respeito do filme em si e também a respeito da atuação de Tony Ramos e Drica Moraes. Se gostei do filme? Sim, adorei e recomendo.

ckoe3r7gpei8egrcdbj07dt83Tentei colar o trailer aqui, mas algo aconteceu em meu blog neste fim de semana, talvez tenha bebido demais no almoço de Dia das Mães, e ele não me permitiu. Então, aqui está Tony Ramos caracterizado de Getúlio Vargas

Li bastante sobre esse período da história do Brasil quando estava no colégio. Se lembro de alguma coisa? Muito pouco. Acho que a gente deveria começar a estudar mais tarde, se formar mais tarde, trabalhar mais tarde, casar mais tarde, ter filhos mais tarde e morrer mais tarde também. A vida faz com que sejamos obrigadas a fazer escolhas de forma muito precoce, de aprender conteúdos densos quando ainda não temos maturidade.

Getulio-filmeGetúlio-Tony durante um comício em Minas Gerais

Minha sorte é que, desde pequena, sabia muito bem o que queria da vida: ser jornalista. Então, a escolha pelo jornalismo aos 16 anos de idade (ninguém deveria ser obrigado a escolher o que quer fazer para o resto da vida aos 16 anos de idade) aconteceu sem traumas antes, durante ou depois. Eu não gostava de estudar, nunca gostei de estudar. No Bom Conselho, fui uma aluna nota 10. Tão nota 10 que meus pais acharam que, ou eu era superdotada ou deveria ser mais exigida.

depressãoME TROCARAM DE COLÉGIO E EU ME FERREI

No Colégio Farroupilha, eu tive que descobrir na marra o que era estudar. E odiei. Aprendi a decorar. E, quem decora, um dia esquece. E eu esqueci praticamente tudo que aprendi, incluindo a História do Brasil.

Os-Ultimos-Dias-de-Getulio-Vargas-07Jul2013_04Incluindo a história de Getúlio

O filme despertou em mim o desejo de voltar a ler sobre esse personagem tão controverso. Eu confesso que saí do cinema com pena dele. Mas também sei que a pena que senti foi daquela pressão retratada no filme de seus últimos dias de vida. Ando com vontade de compreender mais quem foi este homem para saber que sentimentos ele me desperta hoje, quando tenho um mais noção de vida do que tinha aos 18 anos, quando li sobre Getúlio. Por isso, na próxima ida a uma livraria mais próxima, tenho alguns títulos em mente.

114554001G1Existem esses dois volumes de Lira Neto. Confesso que tenho um pouco de preguiça de livros divididos em volumes. Talvez seja coisa do meu espírito imediatista

Escolho livros pelas primeiras páginas. Paro em frente às prateleiras e leio a primeira, a segunda… Se não me prendeu, largo e vou para outro. Não tenho o menor pudero de deixar um livro pela metade, ou de sair no meio de um filme que não estou gostando. Tenho mais o que fazer da vida do que dizer que vi isso ou li aquilo até o fim.

bento clássicaPASSEAR COMIGO, POR EXEMPLO

Falando em passear, preciso dizer que morri de cólicas de diversão no sábado à tarde, antes de ir ao cinema. Chico, Bento e eu fomos visitar os dispensadores com a foto do animal que estavam espalhados pelo nosso itinerário de sempre.

Olha!

bento vivoEncontramos o primeiro na frente da loja da Vivo, ali na esquina da Goethe com a 24 de Outubro! Reparem, por favor, na postura solene do animal!

bento moinhosEncontramos o segundo na frente do Moinhos Shopping. Precisava fazer uma pose diferente e resolvi me dividir com o animal atrás da placa. Neste momento, ele estava muuuito irritado comigo, eu estava com este sorriso amarelo esperando para levar uma dentada das grandes

bento clássicaFOI POR POUCO

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.
  1. MK, tem um livro muito bom que li para meu trabalho de conclusão na faculdade, do Roberto Campos. Ele foi um dos economistas mais brilhantes que o Brasil já teve. Também são dois volumes, e trata-se de uma biografia. Mas ele conta cada coisa dos bastidores que acaba por ser muito interessante. Por exemplo, ele esteve em reuniões econômicas mundiais e também foi diplomata. Fora as espinafradas que ele dá em certos políticos… É bem legal!
    Bento está um fofo nas fotos! Lindooo
    Bj

  2. Mari, te aconselho a ler o livro “Minha Razão de Viver” de Samuel Wainer (jornalista -fundador do jornal “Última Hora” e falecido esposo da tua amiga Danuza!). Uma autobiografia recheada de fatos históricos do segundo governo do Getúlio! Li na adolescência e me apaixonei!
    Beijos,
    Rê.

  3. Mari, eu e o Fernando vamos ir esta semana ver este filme.
    Tive essa sensação de não saber muito sobre a Elis Regina quando vi o Musical dela em São Paulo. Fiquei louca de vontade de ler algum livro sobre ela, de saber como foi a vida da maior cantora do Brasil.
    Sobre os dispensadores do Bento, eu vi o que fica em frente ao S Moinhos. Passamos de carro e eu disse pro Fer: Olha o Bento. E ele: quem? Eu: o cachorro da Mari. Ele: Deixa pra lá, as vezes acho que tu pensa que eu sou um adivinha.
    ahahahahahaha

    Beijos

    Boa semana pra vocês!

  4. Já li as duas partes da biografia do GV, do Lira Neto: a primeira parte é uma verdadeira aula de história sobre o RS, uma maravilha; a segunda parte é boa, mais voltada para a política nacional, contudo há muito sobre a vida dele, um grande administrador público, de uma inteligência invejável. Vale muito a pena, os livros são baseados em uma pesquisa minuciosa sobre a história e a vida de GV, do RS e da política nacional.

  5. Mari!
    Acho que andas lendo pensamento? Assisti o filme no domingo e me senti bem perdida, motivada a ler algo mais sobre a história do Brasil.
    Concordo plenamente que na época da escola não tínhamos maturidade suficiente para entender e valorizar a história do pais. Tentarei ler as tuas indicações!!!!
    Eu e uma amiga tiramos uma foto com o Bento, postei no facebook, kkkk. Tão lindo!!!!
    Beijos para você, Bento e Olívia!!!

  6. Mari, tbm concordo que somos obrigados a tomar decisões profissionais e de estudo muito cedo. O que produz desajustes, carreiras enfadonhas descobertas depois dos 30,40 anos… Sobre GV, leio muita biografia e isso de querer saber mais sobre os cenários da época, as relações entre personagens reais, realmente aflora. Quando li sobre o Chateaubriand, Nélson Rodrigues, Ronaldo Bôscoli, fui atrás de outras informações. Acaba enriquecendo o que lemos e buscar os hiperlinks infindáveis da vida real. Bento, você é estrela do sul.

  7. Mariana e Bentinho,vi as duas fotos na sexta-feira e fiquei muito feliz e orgulhosa,toda boba como se o Bento fosse meu….tá lindooooooooo,parece um modelo!!!Abçs

  8. Olá!!!
    (não sei se o meu comentário anterior deu certo, deu erro na página)
    Te marquei, Mari! Se quiser, posso enviar.
    Assim como a Caroline, ficamos orgulhosas em ver o Bento nas ruas!!!
    Ele está muito metido com esse sucesso todo??
    Beijos para vc, Bento e Olívia (ainda acho que ela é de pelúcia!)

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Estaremos te esperando, Chiquinho! Repost @chico_sperotto ♥️🐶🌞
  • • KARL LAGERFELD
10.09.1933 - 19.02.2019 🖤
•”Pense rosa. Mas não use".
•”Calça de moletom é sinal de fracasso. Você perdeu o controle sobre sua própria vida e comprou um moletom".
•”Eu acho tatuagem uma coisa horrorosa. É como viver o tempo todo em um vestido Pucci".
•”Meu maior luxo é não precisar me justificar para nenhuma pessoa.”
•”Gosto que tudo seja lavável. Eu mesmo, inclusive.”
•”Personalidade começa onde a comparação termina.”
•”As melhores coisas que fiz na minha vida, as vi nos meus sonhos. É por isso que tenho um caderno de rascunhos na minha cama.”
•”O politicamente correto, a preservação. Eu acho tudo isso extremamente chato.”
•”Coco Chanel jamais teria feito o que eu fiz. Ela teria odiado.”
•”Sou uma pessoa da moda e a moda não é somente sobre roupas. É sobre todos os tipos de mudança.”
•”Eu amo estar de passagem. Nasci em um porto, em Hamburgo. Então minha mãe disse: ‘É a porta do mundo, mas não é mais do que a porta. Portanto, já pra fora!’”.
#ripkarllagerfeld
  • - Dinda, entra no mar comigo?
- A dinda não gosta de mar gelado.
- Eu queria mergulhar com a dinda.
- Então a dinda vai te dar a maior prova de amor do mundo. E tu vai lembrar pra sempre, promete?
- Prometo, dinda.
E assim foi, e a lembrança eterna será de nós dois. #joaobenicio #amordadinda
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾 Detalhes no destaque do Stories
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻