Bem mais tarde a gente entende que era tudo amor de mãe

Até os nove anos, fui uma aluna exemplar do Colégio Bom Conselho. Só tirava nota 10. Fiquei sabendo, anos mais tarde, que o amontoado de 10 não deixava meus pais tranquilos. Eu não podia ser feliz sem estudar e só passar por média. Fui trocada de escola.

crazy-eyesFIQUEI COMPLEXADA

Ficou claro, já no primeiro semestre, no Colégio Farroupilha, que eu não era nenhum gênio superdotado. Foi o início do meu calvário e o começo do cultivo de uma gastrite nervosa. Em véspera de provas de matemática e física, eu não levantava da cama. Passava a noite me contorcendo de dor e, na manhã seguinte, jazia amarelada sobre os lençóis implorando pra mãe me deixar ficar em casa.

woman-pray-gifPELO AMOR DE DEUS

Eu não sabia estudar, eu não tinha aprendido a estudar, não fazia ideia por onde começar a estudar. Nesta época, iniciou-se a romaria de professores particulares na porta de casa. No último ano de colégio, enquanto o mundo refrescava-se no mar do litoral nos meses de janeiro e fevereiro, eu passava os dias sentada na frente do ventilador da biblioteca da casa do meu avô na companhia de um professor de física que ficava girando uma colher de sobremesa no meu nariz tentando me fazer entender a diferença entre côncavo e convexo.

olivia10-350x4994ELA TIROU ZERO NO BOLETIM

bento1121ESCRITO POR EXTENSO

hysteria13PRECISEI DE 9,5 NA RECUPERAÇÃO

mulher-questionando1-202x300-336x499CONSEGUIU, MARIANA?!!

httpwpclicrbscombrporaifiles201212danca-hipogifCONSEGUI!!

Teve uma época, lá pelos 12, 13 anos, que dei uma bela engordadinha. Não cheguei a ser obesa, mas fiquei cheinha. Bochecha corada, sabe assim? Minha mãe teve um ataque. Suspendeu tudo que não viesse da horta e proibiu veementemente que eu tivesse direito ao lanche da tarde.

Enquanto meus irmãos pulavam na piscina depois de encher a boca com Nescau e bolachinhas, eu me encerrava no quarto com uma caixa de chocolate Lolo escondida embaixo da roupa e desfiava toda sorte de impropérios à minha mãe e ao mundo injusto nas páginas do diário que comecei a escrever naquela época e escrevo até hoje.

lolosCOMIA A CAIXA INTEIRA

Quando sentia o caminho livre, andava pé por pé até o banheiro com as cinco embalagens de Lolo devidamente amassadas e arremessava pela janela basculante a fim de que nunca fossem encontradas. Foi quando descobri que a basculante não dava no quintal do vizinho, mas na garagem de casa – mais precisamente em cima do para-brisa do carro de mamãe

crying2-425x499NUNCA MAIS VI A CARA DA VACA DO LOLO

Era uma adolescente quieta e introspectiva – o que me levou a ser taxada de “peru embuchado”. Até hoje tento imaginar a cara de um peru embuchado. Sempre odiei piscina, mas quando minha prima vinha passar as férias de julho lá em casa, e jogava-se desenvolta na piscina a uma temperatura de 10ºC do inverno gaúcho, eu era arrancada da frente da tevê e obrigada a mergulhar junto com ela. Caso contrário, deixava de ser um peru embuchado para me tornar “um poço de antipatia”.

pocoSEM FUNDO

Sempre tive a pele clarinha, o que rendeu o apelido, ainda na infância, de “pacotinho de algodão”. Bem mais simpático do que “bicho da goiaba”. Cada vez que me negava a ir à praia, e abria mão do bronzeado dourado, ouvia que estava parecida com ele.

bicho-da-goiaba1QUE TAL?

Até hoje, sob a ótica de mamãe, podia estar mais bem vestida, meu cabelo nunca está hidratado como deveria, minha pele está sempre seca. Mas o bom da maturidade é que a gente consegue olhar pra trás e dar risada de tudo.

A gente agradece a preocupação e enxerga o quanto de amor, carinho e cuidado sempre existiu ali. Minha mãe preocupava-se que eu desenvolvesse minha inteligência, que fosse simpática, que tivesse boa saúde e um corpo em forma.

MARIANA CABELONÃO É QUE CONSEGUIU?

bento1121ELA SE ACHA

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

2 Comentários
  1. Bem assim! Hoje sou mãe de um casal, ja bem barbados, um de 40 e outra de 37! Lembro bem de todas as chatices de minha mãe e vejo q sou chata igual! Mas é sempre para o bem e xon todo amor! Como sempre tua coluna está formidável! Obrigada e ótimo finde! Bjjjjs

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Penteados e escovados para a primeira de muitas noites de autógrafos de Vida Peregrina, que me levaria à lista dos livros mais vendidos do país e confirmaria Bentolino como um dos personagens mais importantes da minha existência como escritora. Seis anos hoje. Saudade, Xerife. ❤️🐶📘 #tbt #2013 #vidaperegrina #livromarikalil
  • Éramos uma família de bageenses morando no Rio e nossa família multiplicava-se com mais bageenses que chegavam no Carnaval. Tudo começava ao cair do sol com um primeiro chope para brindar a união e terminava com corpos ao mar pra curar o ressacão. Lembrança do nosso primeiro bailinho em que eu me retorci para entrar em uma fantasia de odalisca tamanho 14 comprada em uma loja infantil de Ipanema. É que ainda estava borracha da noite anterior. Borrachos entendem. 🍺
Casa da @renatabrasilvidal e do @marcelogoskes; Rio de Janeiro, Carnaval 2006. #tbt
  • Ter o privilégio de passar horas e horas conhecendo muitas das minhas perseguidoras faz a gente mais feliz. Ser recebida com carinho pelo @centrocarinaborges, que abriu suas portas para este momento tão especial de beleza e amizade faz a gente mais feliz. Poder oferecer a excelência dos produtos da @farmathuia para as amigas da Mari faz a gente mais feliz. Servir os melhores quitutes fit da @feeljoy.com.br e a delícia do capuccino proteico do @mundoverdeiguatemipoa faz a gente mais feliz. Rodopiar com um vestido de seda floral da @boutiquemariahelena capaz de traduzir com maestria meu estado de espírito faz a gente mais feliz. Felicidade é encontrar alegria na alegria dos outros; felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente. Obrigada a todas que hoje fizeram meu dia muito, muito mais feliz! ✨🙏🏻❤️
  • Quem nunca aplicou uma dessas?! 👆🏻
  • Me diga se pode existir desgraceira maior do que chegar ao vestiário de natação molhada em cima de um par de chinelos molhados, com o cabelo todo desgrenhado, com o rosto todo marcado dos óculos e ainda ter que pegar a sacola, botar a sacola em cima de um banco, abrir a sacola, retirar os saquinhos plásticos para guardar o maiô encharcado junto com a touca e o óculos, pegar a nécessaire, sair equilibrando toalha, xampu, sabonete e condicionador até o box, sempre pisando naquele chinelo nojento molhado, tomar banho na companhia de fios de cabelos de terceiros, recolher sabonete, condicionador e xampu, secar um por um com a toalha, se enrolar na tolha, voltar pingando até o armário em cima daquele chinelo nojento molhado, abrir o armário, abrir a sacola, guardar o xampu, o condicionador e o sabonete dentro da nécessaire, retirar o pente, desembaraçar o cabelo cuidando para não deixar fios caírem no chão, passar hidratante na volta dos olhos, sérum facial, creme com proteção solar, hidratante corporal, vestir a roupa toda amassada dentro da sacola, sentar no banco com o pé ainda molhado em cima daquele chinelo nojento com fio de cabelo de terceiros grudados na sola, secar dedinho por dedinho, colocar o sapato, secar o chinelo, ensacar o chinelo e terminar a maratona botando os bofes para fora do calorão que sai daquela quantidade de chuveiros quentes e secadores ligados. 
Me diga: pode existir desgraceira maior?!
  • Tenha coragem para as grandes adversidades da vida e paciência para as pequenas, e quando tiver cumprido laboriosamente sua tarefa diária vá dormir em paz. Deus está acordado. (Victor Hugo).