Porque todos os porquês acabam em pizza!

Passei a tarde da segunda-feira no Teatro do Bourbon Country. Foi lá que aconteceu durante todo o dia o Congresso de Estratégia Criativa: Pensando Marcas em um Ambiente Mutante. Só o nome já fez com que eu me sentisse mais inteligente. Estava muito curiosa para assistir à palestra de Abigail Posner, a cabeçona de planejamento estratégico do Google e responsável por repensar os produtos da marca pelo ponto de vista do consumidor. Abigail é formada em Antropologia Social em Harvard – o que me gerou ainda mais curiosidade. Adoro ouvir a antropólogos, filósofos, sociólogos.

MG_10441MUITO PRAZER, SOU ABIGAIL POSNER

Abigail falou muito sobre o aprender a se perguntar o porquê das coisas. Por que isso acontece? Por que a humanidade age assim? Por que estou pensando assado? Por que, por que, por quê? A partir desses porquês acionamos mecanismos que nos fazem pensar em estratégias e soluções criativas. Logo lembrei de crianças que logo aprendem a conjugar frases e vivem perguntando o porquê de tudo, vai dizer? Os porques mais improváveis.

– Mãe, por que a bola é amarela?
– Porque o tio só tinha essa cor de tinta pra pintar a bola, querido.
– Mas por que ele só tinha essa cor de tinta?
– Porque a cartela de canetas dele não funcionava, apenas a caneta amarela, amor da mãe.
– Mas por que a cartela de canetas dele parou de funcionar?
– Porque ele não cuidou direito das canetinhas, mimoso.
– Mas por que ele não cuidou direito das canetinhas?

mulher-arrancando-os-cabelosANHÃÃÃÃÃ!!!!

Posso estar sendo bastante simplista na minha conclusão sobre a palestra da Abigail Posner, mas foi com essa imagem que saí de lá. E acredite: vou começar a exercitar mais a me perguntar o porquê das coisas. Quero dizer, mais ainda do que já me pergunto, o que não é pouco.

bento1ESTOU DOS TENSOS

O animal está com medo que eu comece a me perguntar sobre quais as vantagens de ter um lhasa, por que eu quero um lhasa que só reclama da vida, por que sustento um lhasa que vive me jogando na cara que veio ao mundo a passeio, por que me submeto aos caprichos dessa criatura etc. etc. de porquês. Não precisa se preocupar, querido. Já me fiz todas essas perguntas e continuo achando que tua companhia vale a pena.

bento1ESTOU DOS SALVOS

Salva fiquei eu ao chegar em casa cheia de porquês na cabeça e ter à mão o telefone da TelePizza Flor de Maçã. Amo a FLOR DE MAÇÃ. A Flor de Maçã me dá a sensação de estar nutrindo minha alma e meu espírito com pizza. Pode uma coisa dessas? Pode. Como o Chico vai passar a semana inteira fora, não preciso conciliar interesses de sabores de pizzas, visto que o animal só come a borda croc croc croc mesmo. Então, resolvi variar. Pedi um sabor sem queijo e outro vegetariano.

Olha!

pizza 4_1182197171_nMUITO PRAZER, SOU A VEGANESA
Estou situada na parte direita da foto e sou feita de molho pesto, alho, tofu, gengibre em pó, champignon, tomate em rodelas, cebola em rodelas, pimentão em cubos e orégano. Mariana provou e me achou levinha, uma ótima pedida para a noite com uma saladinha (não todas as noites, claro, final sou uma pizza). Mariana diz também que você não tente fazer seu marido me comer porque ele seguramente vai me achar insossa!

pizza 4_1182197171_nMUITO PRAZER, SOU A BERINJELA À ITALIANA
Estou sitada no lado esquerdo da foto e sou feita de molho de tomate, mussarela, parmesão, berinjela, cebola, pimentão, alho, azeitonas verdes e pretas, alcaparras e orégano. Sou bem mais saborosa que a minha companheira, segundo a Mariana. Mas mais trash também.

Devorei uma fatia de cada com salada verde. Sabia que salada verde com pizza ajuda na digestão? Como acompanhamento de pizzas veganas e sem queijo então, nem se fala. Mas por que estou contando toda essa história? Por que mesmo?

bento1PERGUNTA PRA ABIGAIL

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.