Fasano Las Piedras, um jantar em cenário de sonho

Dizem que árabes são generosos e gostam de presentear. Meu avô Kalil Abdalah Kalil era assim (coitado se precisasse fazer alguma viagem internacional com este nome hoje em dia…). Eu herdei esse traço dele. Me considero uma pessoa generosa e gosto muito de presentear. Lembro de um texto que a Cláudia Laitano escreveu na interinidade da Martha Medeiros, na revista DONNA, com o qual me identifiquei muito.

Intitulado É só uma Lembrancinha, lá pelas tantas dizia o seguinte: “Para transformar uma mera troca de mercadorias em uma verdadeira troca de presentes, é preciso um pequeno exercício de subversão. Dizer não às compras apressadas, burocráticas, obrigatórias, cansativas. Mas se for impossível escapar delas, que cada presente chegue ao destinatário acompanhado de um gesto ou palavra surpreendente, pessoal, intransferível. Talvez nossas tias não estivessem apenas nos enrolando quando diziam, envergonhadas, com um pacotinho vermelho da Sloper na mão: “É só uma lembrancinha, viu?”. Porque, no fim das contas, o presente perfeito, o que vale a pena dar e ganhar, é aquele que se transforma em lembrança assim que a gente o abre.

apontando_para_baixo_01O lindo texto na íntegra da Cláudia pode ser lido AQUI

Gosto de observar quem eu amo a fim de, na hora de presentear, conseguir chegar ao coração com a minha lembrança, independentemente do valor que ela tenha. Faço esta premissa porque no dia 29 de janeiro, Chico, meu respectivo marido, completa 49 anos e eu estava alguns dias pensando o que dar de presente para ele. Esta semana, estávamos na cozinha preparando o nosso peixe de forno e vi que ele dava uns resmungos próximo à pia. Estava fazendo algo que eu também odeio: enchendo forminhas de gelo.

mulher-com-vergonhaPODE TER ALGO MAIS CHATO?

Parei para olhar – e ele, sem ver que eu o observava, soltou um resmungo dizendo:
– Acho uma máquina de fazer gelo um baita presente!
“Taí”, pensei. “Vou comprar uma máquina de fazer gelo para ele”. Fiquei com essa ideia na cabeça, mas vamos e venhamos que não estava muito convencida de dar de presente uma insípida máquina de fazer gelo para o meu marido. Voltei a ficar bolada, pensando, matutando… Foi quando me ocorreu a ideia de dar de presente uma experiência, um conhecimento, cultura, gastronomia, passeio. “É isso!”, pensei. “Vou dar de presente para nós dois um lindo fim de tarde e um jantar no FASANO LAS PIEDRAS“.

Olha!

destaque-631x302UMA DAS VISTAS QUE SE TEM DO HOTEL LÁ DO ALTO DO RESTAURANTE

O Fasano las Piedras está localizado nas imediações das praias de La Barra, La Península e José Ignácio e margeia o Arroyo Maldonado por mais de 3 km. São 480 hectares de uma paisagem incrível – e trata-se do primeiro empreendimento que reúne atributos de praia e campo de Punta del Este. O projeto arquitetônico é assinado pelo incensado Isay Weinfeld e foi lindamente executado pelo Estudio OBRA PRIMA, aqui de Punta, e pertencente a três sócias gaúchas (já agendei uma grande reportagem de capa para Donna com elas). Sua implantação, em total integração à paisagem, permite vistas espetaculares da topografia da região, através de amplos terraços privativos. O hotel oferece vinte bangalôs deluxe e 12 bangalôs –suítes do Hotel Fasano Las Piedras.

Olha!

01A vista dos privativos bangalôs

03Bangalôs vistos por dentro

O Las Piedras tem dois charmosos e sofisticados restaurantes: Las Piedras e Fasano – que contam com a tradição gastronômica do Grupo Fasano e com a supervisão de Rogério Fasano, que tem a responsabilidade de manter a personalidade da marca. Conta também com um Lounge Bar perfeito para assistir ao pôr-do-sol de Punta del Este,  além, de um bar na piscina que serve lanches e bebidas o dia todo.

Olha!

011Muito prazer, sou o Lounge Bar

FASANO LAS PIEDRAS HOTEL (swimming pool and bar)_672Muito prazer, sou a piscina construída no meio das pedras e lá ao fundo é o meu bar

fasano-restaurant-631-1000x664Muito prazer, sou o restaurante e estou localizado no alto do terreno, cravado no meio das pedras

041E eu sou uma das partes internas do restaurante. Como podem ver, minhas paredes são pedras, pois estou construído em meio a elas!

Fiz a reserva para as 20h30min e lá fomos nós conhecer o hotel e viver um lindo jantar de aniversário adiantado. Optamos por bebericar um drinque antes de entrar para o restaurante e optamos pela varanda que tem a vista mais linda do hotel.

Olha!

FASANO 10941832_773857776036387_8822665946906576218_nSó pra não quebrar a tradição das selfies nessas férias, momento selfie (sem pau de selfie!!)

FASANO 10404341_773857836036381_8724173371947216694_nNossos drinques pré-jantar: dois Spritz acompanhados de azeitonas com pimenta preta e mix de sementes

FASANO 10273707_773857882703043_5607029125681069820_nMais uma das minhas adoradas BOLSAS PP e meu amado óculos Andrea Marques

FASANO 10922601_773857922703039_4166078779240627905_nPor fim, meu amor de botinha do Glauber Bassanesi, de Gramado, batizada de Parisiense e que me levou pelos caminhos desse roteiro de charme!

Bebericado o Spritz com muita calma, devoradas as azeitoninhas apimentadas e os frutos secos e sementes, resolvemos passar para o jantar. O restaurante ainda estava vazio, mas logo logo começaria a ficar quase lotado. Como chegamos cedo, tivemos o privilégio de escolher uma mesinha na varanda coberta, com a paisagem aos nossos pés.

fasano-restaurant_628Sentamos bem aqui nessa mesinha da esquerda!

Logo, o garçom apresentou-se e perguntou o que queríamos beber. Como estava uma noite bastante fresca, escolhemos um vinho tinto. Ele trouxe a carta, elegemos a bebida e ela veio junto com o croc croc croc couvert de pães sublimes.

FASANO 10926398_773857802703051_4753992714731671191_nA cestinha de pães quentinhos, croc croc croc e sublimes…

FASANOO vinho escolhido, da bodega Pulenta

Eu estava com vontade de comer algo com carne vermelha. O cardápio traz risotos, massas, peixes e carnes. Minha ideia fixa era carne vermelha. Fiquei tentada por um filé. Mas isso foi até minha leitura alcançar o carré de cordeiro com uma massinha ao molho de funghi que só de lembrar penso que preciso voltar para comer de novo. Uma delícia! Chico também teve desejo de comer cordeiro, mas, para evitarmos de pedir o mesmo prato, ele resolveu optar pela paleta com purê de papas.

Olha o meu carré inesquecível!

FASANO1NHAM NHAM NHAM!
Pena que ficou um pouco escuro…

Olha a paleta com o purê de papas do Chico!

FASANO2NHAM NHAM!!
Pena que ficou ainda mais escuro…

Chico me deu uma garfada da sua paleta e eu dei uma garfada do meu carré. Chegamos à conclusão que o meu prato era bastante superior. Terminamos calmamente de jantar, pulamos a sobremesa (raramente consigo comer sobremesa logo após a refeição) e optamos por terminar de beber o vinho na varanda. Como estava mais frio, pedi ao maître umas mantinhas.  Então, sentamos na varanda, sob o céu estrelado, e ficamos ali, comemorando a felicidade de um aniversário adiantado. Então, lembramos do Bento e de como ele estaria feliz ali perto de nós. Chamei o garçom.
– O senhor sabe me dizer se vocês aceitam animais de pequeno porte aqui na parte externa? – perguntei.
– Vou me informar, mas acredito que sim – ele respondeu.
Voltou em poucos minutos.
– Aceitamos, sim – ele disse.
– Então, se viermos bebericar alguma coisa e ficarmos aqui fora podemos trazer nosso cachorro? – quis me certificar.
– Sem problema algum.

03-por-ai-mulher-gritando5QUE NOTÍCIA INCRÍVEL!

bento1ELA PODIA TER PERGUNTADO ANTES DE ME DEIXAR TRANCAFIADO EM CASA

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

Sem comentários ainda.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Estaremos te esperando, Chiquinho! Repost @chico_sperotto ♥️🐶🌞
  • • KARL LAGERFELD
10.09.1933 - 19.02.2019 🖤
•”Pense rosa. Mas não use".
•”Calça de moletom é sinal de fracasso. Você perdeu o controle sobre sua própria vida e comprou um moletom".
•”Eu acho tatuagem uma coisa horrorosa. É como viver o tempo todo em um vestido Pucci".
•”Meu maior luxo é não precisar me justificar para nenhuma pessoa.”
•”Gosto que tudo seja lavável. Eu mesmo, inclusive.”
•”Personalidade começa onde a comparação termina.”
•”As melhores coisas que fiz na minha vida, as vi nos meus sonhos. É por isso que tenho um caderno de rascunhos na minha cama.”
•”O politicamente correto, a preservação. Eu acho tudo isso extremamente chato.”
•”Coco Chanel jamais teria feito o que eu fiz. Ela teria odiado.”
•”Sou uma pessoa da moda e a moda não é somente sobre roupas. É sobre todos os tipos de mudança.”
•”Eu amo estar de passagem. Nasci em um porto, em Hamburgo. Então minha mãe disse: ‘É a porta do mundo, mas não é mais do que a porta. Portanto, já pra fora!’”.
#ripkarllagerfeld
  • - Dinda, entra no mar comigo?
- A dinda não gosta de mar gelado.
- Eu queria mergulhar com a dinda.
- Então a dinda vai te dar a maior prova de amor do mundo. E tu vai lembrar pra sempre, promete?
- Prometo, dinda.
E assim foi, e a lembrança eterna será de nós dois. #joaobenicio #amordadinda
  • Ensalada de Durazno: pêssego queimado, folhas verdes, queijo de cabra, pistache, cebola roxa e um molho vinagrete indescritível. Autor: @francismallmann @restaurantegarzon 👌🏻♥️🇺🇾 Detalhes no destaque do Stories
  • Leva um tempo até a gente perceber que por trás da figura de mãe existe também uma mulher como nós. Com gostos, desejos, anseios, vontades, expectativas, decepções. Não dizem que são nas viagens que a gente conhece profundamente a essência dos amores e amigos? Pois viagens também contribuem para aproximar mães e filhas no papel de duas mulheres adultas e companheiras. Em nossas viagens, mãe e eu convivemos com nossas imperfeições e fizemos mútuas descobertas – das profundas às mais comezinhas. Ela bebe pouca água; eu vivo com uma garrafa na mão. Ela critica a minha garrafa; eu critico a falta de água no organismo dela. Ela já planeja a Páscoa do ano que vem; eu ainda nem cheguei no próximo Natal. Ela não compreende a minha falta de planos; eu não entendo a ansiedade dela. Ela pensa em voz alta; eu reflito em silêncio. Ela diz pra eu falar alguma coisa; eu suplico que ela cale a boca por cinco minutos. Ela prefere o sol do meio-dia; eu prefiro o ar-condicionado. Ela diz que estou branca feito um bicho da goiaba; eu respondo que ela está laranja feito um nacho de Doritos. Agora estamos de novo aqui, juntas, em viagem, sentadas na grama da praça de José Ignacio. Que bom, né, mãe? Que bom que a vida nos concedeu este prazo para descobrir ainda a tempo o privilégio de passearmos juntas por aí e explorar como adultas esta delicada amizade — e o que existe de melhor em cada uma de nós. ♥️ #amordemãe #amordefilha #viajecomsuamãe
  • Né?! 👌🏻