Do sal da minha batata frita cuido eu!

mk_014

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Sou escritora, jornalista, colunista da Band TV e Band News FM e autora dos livros "Peregrina de araque", "Vida peregrina" e "Tudo tem uma primeira vez". Sou gaúcha, nasci em Porto Alegre, vivo em Porto Alegre, mas com os olhos voltados para o mundo. Já morei em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Barcelona. Já fui repórter, editora, colunista. Trabalhei nos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil; nas revistas Época e IstoÉ e fui correspondente da BBC na Espanha, onde cursei pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona. O blog Mari Kalil Por Aí é direcionado a todas as mulheres que, como eu, querem descomplicar a vida e ficar por dentro de tudo aquilo que possa trazer bem-estar, felicidade e paz interior. É para se divertir, para entender de moda, de beleza, para conhecer lugares, deliciar-se com boa gastronomia, mas, acima de tudo, para valorizar as pequenas grandes coisas que estão disponíveis ao redor: as coisas simples e boas.

7 Comentários
  1. Oi Mari! Eu concordo com o teu ponto de vista, mas esses mesmos que comem sal e tomam refrigerante como se não houvesse amanhã, depois querem todos os medicamentos de graça e até comidas “magras” do poder público. Daí o Estado tem obrigação legal de fornecer (com razão). Muitas vezes a prevenção custa mais barato, principalmente em termos de política pública.
    Bjs

  2. Mariana não se trata do bem estar do cidadão, eles estão se lixando para isso. O problema, como sempre, é grana, relação custo-beneficio. O atendimento médico e os medicamentos para hipertensos e doentes cardíacos é muuuuuito mais caro que impostos com sal em alimentos. Foi a mesma coisa com o cigarro no mundo inteiro: o cigarro dá prejuízo financeiro ao estado? Morte ao cigarro! O álcool ainda dá lucro? Beba com moderação! Pura hipocrisia capitalista. Mesmo assim, é bom se cuidar mesmo. Abração!

  3. No meu caso, tirar o saleiro da mesa é só para dar mais trabalho ao garçon. Vou pedir. Bata frita, ovo frito sem sal ??? nem pensar. E o tal “sal rosa” não é modismo, com o mesmo efeito do nosso comum??? Tens razão… posso cuidar de minha vida, sem me meter na vida dos outros.

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

InstagramInstagram did not return a 200.