Por que precisamos aprimorar a intuição e agir com menos simpatia e mais empatia

Já fiz muito mapa astral, consulta esotérica disso, espiritual daquilo. A cada 15 dias (na melhor das hipóteses, quando a agenda permite), saio desvairada até a Zona Sul de Porto Alegre para deitar na maca da Nana, minha terapeuta holística adorada, alinhar meus chackras e equilibrar meu espírito.

Gosto de buscar sempre ferramentas que me ajudem a entender “quem eu sou e onde é que me encaixo”, como bem escreveu Shirley MacLaine em um de seus livros. Quando adolescente, li vários livros de Shirley MacLaine. Amava! Acho que, naquela época, a expressão “autoajuda” ainda não era muito popular – e os livros de Shirley MacLaine foram uma espécie de autoajuda nesta fase da vida tão conturbada em que a gente busca se encaixar em algum lugar.

Sim, já li vários livros de autoajuda, sobretudo na adolescência, e não tenho o menor problema de falar isso, até porque não me julgo parte da tal elite intelectual que tem vergonha alheia até de pronunciar o nome de Paulo Coelho e diz só ler Freud e Voltaire.

em-busca-do-eu-shirley-maclaine-13915-MLB99808617_1068-OAMEI ESTE!

img_211192584_1362399362_abigAMEI ESTE!

livro-minhas-vidas-shirley-maclaine-biografia-14739-MLB3970768695_032013-OAMEI ESTE!

dancando-na-luz-shirley-maclaine-ed-record-328-paginas-14129-MLB199583685_9830-OAMEI ESTE!

no-caia-da-montanha-shirley-maclaine-14285-MLB149160691_5027-OAMEI ESTE!

livro-dance-enquanto-e-tempo-shirley-maclaine-lojaabcd-12787-MLB20065161064_032014-OAMEI ESTE!
Todos encontrei agora à venda no Mercado Livre, a quem interessar possa, e alguns encontrei em sebos no Centro de Porto Alegre

Livros, consultas, mapas astrais e afins contribuíram muito para que eu desenvolvesse uma visão testemunhal sobre mim mesma, uma maneira de me enxergar sob a ótica de uma terceira pessoa. Em uma dessas consultas, ouvi que era muito provável eu ter sido um monge em vidas passadas, daqueles reclusos, que apreciam o silêncio e os momentos de quietude da alma. Ouvi também que meu espírito é velho, bem velho. O que eu penso disso tudo? Tenho certeza que é verdade.

Quando a gente cria o hábito de meditar, ficar em silêncio e ouvir nossa voz interior, conseguimos entrar em contato com nossa verdadeira essência e descobrimos muito sobre nós. Difícil explicar em palavras, já que é puro sentimento mesmo. E intuição: podem estar certos. O ato de mergulhar a fundo dentro de nós em momentos de paz e silêncio também permite entrarmos em contato com nossa intuição – e ela é fundamental em momentos cruciais da nossa existência, sobretudo em momentos de difícil ação.

Gosto muito de uma frase de Joseph Joubert, ensaísta francês do século 19, que diz assim: “A razão pode advertir-nos do que é preciso evitar, mas só a intuição nos diz o que há que fazer”.

Também tenho como lema o ensinamento do gênio Steve Jobs, do nosso século (para confirmar que a importância da intuição ultrapassa a fronteiras da História). Diz assim:

“Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar sua voz interior. E mais importante: tenha coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que você quer se tornar. Tudo o mais é secundário”.

O quão difícil é hoje em dia ficarmos sozinhas conosco, vai dizer?! Há sempre um estímulo externo querendo nos tirar desse estado de tranquilidade e sabedoria que só esse olhar interior garantido pelo silêncio é capaz de proporcionar.

De acordo com pesquisa da Psychology Today, revista especializada em psicologia e publicada a cada dois meses nos Estados Unidos desde 1967, as pessoas que preferem ficar sozinhas podem ser introvertidas, mas as conotações negativas associadas ao introvertido estão longe da verdade. Afirma a publicação:

As pessoas que conseguem apreciar e desfrutar de estar sozinhas realmente possuem uma força, confiança e compreensão de si mesmas. Muitas vezes, essa capacidade de curtir estarem sozinhas é, na verdade, porque elas têm um melhor senso de si mesmas do que as pessoas extrovertidas.

A acrescenta: “O problema em ser introvertido é que, atualmente, estamos vivendo em uma sociedade que promove a abertura de sua vida para os outros, não importa o quanto ela seja construída, através de meios como as redes sociais. Os introvertidos são frequentemente recebidos com estereótipos e incompreendidos pelos outros, dificultando a visão de sua natureza como algo positivo”.

Outra característica apontada por inúmeras pesquisas divulgadas em publicações especializadas afirma que a introspecção torna a pessoa “naturalmente empática”. Na minha opinião, a falta de empatia – capacidade de se colocar no lugar do outro – é atualmente uma das maiores doenças da humanidade.

Esses estudos sugerem que pessoas que preferem ficar sozinhas estão mais em contato com os pensamentos, sentimentos e emoções dos outros ao redor – e essa consciência das emoções dos outros, assim como as suas próprias, permite que elas não apenas sintam empatia, mas mostrem mais compaixão pela humanidade.

Pessoas empáticas são capazes de identificar, reconhecer e experimentar os sentimentos dos outros, o que pode aumentar sua sensibilidade em relação a outros seres humanos e permitir que elas se importem com as pessoas em um nível muito maior do que apenas superficial.

Por fim, me despeço deixando com vocês um vídeo muito didático de pouco mais de dois minutos sobre a diferença entre “simpatia” e “empatia”. Será que não estamos sendo muito simpáticos e pouco empáticos? Fica a reflexão para o fim de semana.

 

 

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

14 Comentários
  1. Mariana, li alguns dos livros da Shirley e amei, fora as “experiências transcendentais” dela, tem muita coisa sobre viagens, arte, às vezes a gente “viaja” lendo os livros. Realmente, tendo sido monges em outra vida ou não, é necessário um tempo só pra nós, porque está tudo muito corrido, e não temos mais paciência pra nada, vivemos numa urgência desgastante!! Nada melhor como o som do silêncio ou do natureza pra repor as energias… Ah, e adorei esse Xinuquinho, amanhã vou lá (trabalho no Centro), nada como um molho de tomate sem aditivos!!! Valeu a ideia. bj

  2. Mari..amo teus textos, todos…principalmente quando tu mistura tudo, tipo assim, Shirley Mclaine, silêncio e cachorro quente!!! Tem coisa melhor para alma??? Amo muito.

    By the way, o blog novo e site estão lindos e funcionam muito bem. Adorei!!!
    Bjs

  3. Acho tão tri os teus textos e as coisas que tu escreve!! fiz o cadastro no site só para poder comentar pra ti aqui!!!
    Me identifico MUITO com a forma como tu expõe as “coisas” 🙂

    Um grande beijo!!

    Paola

  4. Mari, me empresta o Bento pra eu levar no Xinukinho !?!
    Trabalho ali do ladinho, saio do escritório, levo ele e o meu Bento, um yorkshire lindão.
    Topa Bento !?!

  5. Oi Mary, tudo a ver com o tema que eu abordo em palestra e workshops. Falo sobre comunicação não violenta e comunicação empatica. Já te co videi para uma pestra, mas dia 22 terá um workshop todo dia na Casa da Confraria, em Porto Alegre. Reitero o convite, és minha convidada!

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • VENEZUELA LIVRE! #VenezuelaBrasilTeAcompana #VenezuelaGritaLibertad #venezuelalibre #venezuelagritalibertad #23ecallehastaquesevaya #23enero2019
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda