Quando colete deixa de ser péssima lembrança e vira objeto de desejo

Tem certas (poucas, eu diria) coisas que a gente leva na lembrança. Tenho vagas recordações da infância. Como escrevi em meu terceiro livro, Tudo tem uma Primeira Vez, esta deficiência de não lembrar muito do que aconteceu quando era pequena não é deficiência só minha. Neurônios jovens que nascem constantemente nos cérebros infantis bagunçam memórias, fazendo com que elas se percam. Ou seja: para crescer, temos que esquecer. E eu esqueci um bocado de coisas. Mas nunca, nunca, nunca, nunca a paixão da minha mãe por um coletinho.

mulher-doidissima5-594x4991BOTA UM COLETINHO, MINHA FILHA

Minha mãe sempre foi a fanática do colete. Pá pá pá…. Colete! Colete por cima da camisa, colete com camiseta, coletinho quentinho para proteger o peito, colete arrumadinho para a festinha, colete de paetê para a festona. Colete, colete, colete. Talvez por isso eu tenha, durante muitos anos, pegado um repé de colete. Mas não dizem por aí que vamos repetindo algumas manias e hábitos maternos? Pois hoje, prestes a completar 43 anos, preciso morder minha língua. Ando viciadinha em colete.

baby-kiss3ESTÁ ORGULHOSA, MAMI?

Como toda viciadinha nova em alguma coisa, tenho menos coletes do que gostaria no guarda-roupa. Cada vez que vou me vestir, penso que ficaria muito melhor se tivesse um colete assim ou assado. Tenho um colete de lã colorido liiiiiindo da Cecilia Prado (como eu AMO Cecilia Prado….), tenho um pretinho de paetê que sempre quebra um galho, tenho um de couro com franjas, um jeans e um quinto de camurça. Esses são os meus coletes – e não levanto agora para tirar fotos deles porque tenho apenas 40 minutos para terminar o que vim a dizer antes de sair correndo para levar a dupla dinâmica para o banho (o cheiro de zorrilho dentro deste bunker está alcançando níveis indecentes).

bento1125SEGUNDA-FEIRA DE PISADA DAS GRANDES

mana-818309470711_736403564_n-499x499O FEDOR DO BENTO ESTÁ INSUPORTÁVEL

Depois tenho que contar como foi a sessão de autógrafos na Feira do Livro, sábado de tarde. Papaqui, Bento e Olivia tiveram um comportamento exemplar, quase não acreditei. Merecem elogios públicos, mas vai ter que ficar para depois. Agora preciso terminar o assunto colete. Bem, não é nada de extraordinário o meu assunto colete. Eu queria mesmo era dizer a você, querida e amada leitora, que, se você é feito eu, que até então implicava (ou continua implicando) com o pobre do colete, deve rever seus conceitos. Um coletinho resolve muuuuita coisa.

Foi pensando em convencê-la a respeito do assunto, que dei uma busca pelo mundo maravilhoso do Google e selecionei alguns looks que achei bem interessantes para a gente bater um papo a respeito. Vamos lá!? Vamos, Mari!

Olha!

photo5COLETE DE PELE
Ok, eu sei que estamos na primavera e que deveria começar com um modelo mais fresquinho, mas achei essa foto e lembrei da mãe sempre dizendo: “Minha filha, o colete arruma muito mais a gente”. Essas três imagens corroboram com a tese, vai dizer? Imagina esses três looks sem o colete? Precisa explicar algo mais?

looks-colete-jeansCOLETE JEANS
Acho um amor e super low profile. Mas não gosto de usar colete jeans com peça jeans, sabe assim? Gosto de quebrar algum romantismo de alguma peça com o colete, como nesses exemplos. Na primeira foto, o colete quebra o look menininha do vestido branco – e eu gosto dele assim, mais comprido, pelo menos chegando na linha dos quadris. Não gosto tanto da segunda foto porque acho que dá uma ideia de quadril mais largo. Amo a terceira simplesmente porque amo saia longa e acho que tem tudo a ver com colete jeans nessa meia estação.

colete-de-alfaiataria-longoCOLETE DE ALFAIATARIA LONGO
Quando se trata de alfaiataria, prefiro sempre mais longo. Acredito que contribui para deixar a silhueta mais elegante e longilínea. Vai com tudo e incrementa qualquer momento, vai dizer? Repara na primeira foto: tênis e shortinho jeans. O responsável por arrumar tudo? Colete. Repara na quarta foto: de novo o jeans incrementado pelo colete e arrematado por uma carteira. Visual que passeia em qualquer lugar. Também gosto bastante e é muito clássico o jogo de preto e branco das outras peças com o colete. Uma aposta certíssima da terceira e última fotos.

Amal Alamuddin: o raio X da mulher de George Clooney

Uma dica importante antes de terminar (visto que meu tempo está se esgotando): quem está acima do peso tem no colete um excelente aliado. Mas deve escolher um modelo de tecido não volumoso, de preferência mais escuros e longos. As baixinhas devem optar por usar o colete sempre aberto, pois ajuda a verticalizar a silhueta.

Partiu, banho?

bento1125NÃO SEI PORQUE ELA NÃO ESQUECE QUE EU EXISTO

cara-de-nojo1COM ESSE CHEIRO?

mana-818309470711_736403564_n-499x499IMPOSSÍVEL

Compartilhar
Mari Kalil

Mari Kalil

Jornalista e escritora, Mariana Kalil é diretora de conteúdo do site MK e colunista do programa Band Mulher e da rádio Band News FM. É também autora dos livros "Peregrina de Araque (2011), "Vida Peregrina (2013) e "Tudo tem uma Primeira Vez" (2015), todos publicados pela editora Dublinense. Trabalhou das redações das revistas Época e IstoÉ Gente, dos jornais Zero Hora, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil e foi correspondente da BBC na Espanha, onde cursou pós-graduação em roteiro, edição e direção de cinema na Escuela Superior de Imagen y Diseño de Barcelona.

5 Comentários
  1. Hahahahahahahah!!! Minha mãe tb gosta de colete, mas eu calorenta como sou,definitivamente, só uso no inverno para proteger o peito.
    Queridos, como sou operária padrão, e sábado tinha um grande casamento em Poá, não pude ir na feira.
    Mas de presente para mim por trabalhar tanto, e por o imenso carinho que tenho por vcs, vou me dedicar a ir no teu próximo dia de autógrafos.
    Tb quero conhecer a filhota nova.
    Estou muito feliz pelo teu terceiro filho amiga.
    Que venham muitos mais.
    Super bjo
    Ro Grejó

  2. Oi, Mariana! Adoro teus textos! Dou muita risada! Mas, adoro ainda mais esses peludos lindos, fedorentos ou cheirosos!! E quanto ao colete: os curtos estão usáveis? Tenho de paetês, bordado, clássico… Guardei, com pena de dá-los… Bjs, tua fã, Olga

Comentar

Seu endereço de email não será publicado

Utilize as tags HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Facebook

Instagram
  • Né?!👌🏻#simplesassim #bekind
  • “Nunca mais me convida pra pegar praia em José Ignacio.” #gorda #reportergorducha
  • Dia de praia no @lachozademarparador. Viaja até José Ignacio, caminha na areia quente, procura guarda-sol, carrega geleira, sacola, mochila, faz reportagem para o Band Mulher e sorri pra foto! 🤣🐶
  • Bento envelheceu. Não foi do dia para a noite. Trata-se de um envelhecimento gradativo. Uma enfermidade aqui, uma coisinha crônica acolá – e há uns bons cinco anos vamos levando esses percalços da velhice com acompanhamento veterinário, exames de rotina, troca de medicações, mas sobretudo, com amor, cuidado, amizade, lealdade e fé. Neste último ano, mais precisamente nos últimos meses, Bento deixou de ser um cachorrinho vivaz, de olhos espertos e comportamento ágil para se transformar em um senhor de seus lá 95 anos (equivalente à idade humana) que requer uma série de cuidados e a minha presença e atenção 24 horas por dia. O diagnóstico complicou, como costumam complicar os diagnósticos à medida que a idade avança, e através do olhar do Bento eu enxergo diariamente o reflexo da finitude da vida. Não pode existir sofrimento maior para um dono de cachorro do que essa despedida diária. A cada dia, menos um dia. A cada dia, também uma surpresa. Um dia feliz, caminhando melhor, disposto, com apetite e sorrisos. No dia seguinte, sono, muito sono, xixi nas calças, olhar distante, cabecinha para o lado e alheio ao mundo ao redor. Um dia vivaz; noutro, senil. Deveria ser proibido pela natureza vivermos tal experiência. Bento significa para mim muito mais do que um dos meus grandes melhores amigos.
É meu companheiro de jornada por uma vida de altos e baixos, cheia de mudanças e reinvenções – e da qual foi testemunha ocular e grande conselheiro. Nos conhecemos quando ele tinha 30 dias de vida e desde então cruzamos oceanos até. O que eu quero que ele saiba – e o que eu sei que ele sabe – é que estarei sempre aqui. E hoje estamos aqui. E assim seguiremos juntos. Com sorrisos e mãos dadas. Até o fim. Porque a única certeza que temos é a de que o fim chega para todos nós. E com ele um novo renascer.🐶♥️🙏🏻 #bento #xerife #18anos #companheirodejornada
  • Muito havia ouvido falar de que filhos de nossas irmãs são nossos filhos também. Mas a teoria sempre só faz sentido quando a realidade se confirma. Quando João Benício nasceu, me tornei tia – e ser tia é o maior presente que um irmão e uma irmã podem nos dar. Ser tia é descobrir a maternidade de outra forma, é descobrir um amor que não sabíamos que existia. Quando me tornei tia, passei a enxergar as crianças sob outra ótica, com mais ternura e paciência. Passei a entender também a falta de paciência das mães em muitos momentos. Quando me tornei tia, passei a sentir mais saudade, passei a beijar e a abraçar mais. Passei a me preocupar mais com a humanidade, com o futuro, com o legado das pessoas e das coisas. Quando João nasceu, me tornei um ser humano melhor. Ser tia é amar profundamente uma pessoa que parece ter saído de dentro de nós. É encontrar tempo onde antes só havia falta de tempo. É segurar no colo, é não sentir dor no braço, é aguentar sem reclamar a dor nas costas. É deixar a garrafa de vinho e o Netflix de lado numa sexta-feira à noite para deitar ao lado de quem insiste em se manter acordado. Tias também são mães, são capazes de amar como mães. Tias são a segurança das mães de que, em qualquer ausência delas, amor é o que jamais faltará. Porto Alegre, agosto de 2015. #joãobenicio #amordatia #amordadinda
  • Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Pecado capital, viu Gorda?